,

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Reunião Escolar

Lembram da reunião da qual falei nesse post aqui? Então... foi ontem.
Cheguei e logo fui atendida pela Odenise (a coordenadora) e logo em seguida chegou a tia Thaís.
Ambas são firmes em afirmar o quanto Arthur é carinhoso com todos e gosta de receber carinho também. Assim como concordam que houve uma evolução enorme na fala de uns meses pra cá. Para ser mais exato, desde o início do tratamento com a fono.
Mas... e eu não sei pra que que inventaram essa palavra...  não é só o que elas reclamam: Arthur não interage com os amigos.
Assim... não é que ele não goooooste dos amigos. Se houver uma atividade em conjunto, ele vai estar do lado, vai participar, mas certamente fará sua parte sozinho.
Diferente das outras crianças que brincam em conjunto, Arthur prefere brincar com as professoras, ou, na falta delas, ele brinca sozinho mesmo. Além disso, segundo elas, ele é disperso.
Elas acham que a falta da fala, junto ao fato dele ser realmente tímido, acaba inibindo essa aproximação com os amigos.
E que não sabem como proceder com esse avanço na aprendizagem dele. Que talvez até isso possa estar ajudando na falta de interesse dele em permanecer naquele grupo...
E blá, blá, blá...  
E no meu questionamento de sugestões (já que eu realmente não sei de que forma poderia ajudar) ela (a coordenadora) disse que participou de uma palestra com uma fonoaudióloga muita boa e que achava válida uma consulta com ela para que ela avaliasse o quadro dele.
Como eu também falei no último post, estou realmente muito cansada desse assunto. Estou cansada de pensar e de procurar problemas que no meu ponto de vista nem existem.
Ele é normal.
Ele já está tratando o atraso da fala.
Ele está encontrando o tempo dele... e ponto!
Mas, como ele é meu filho, e como realmente é de meu interesse eliminar qualquer dúvida que seja, aceitei a sugestão, e vou ligar para marcar uma consulta.
Sem pressa e sem pressão.
Isso se eu não mudar de ideia nos próximos dias... como falei e repito: esse assunto me cansa!

Transcrito abaixo o relatório da Paulinha, fonoaudióloga, que eu entreguei ontem para a coordenadora da escola:
"O paciente Arthur continua sendo atendido no tratamento fonoaudiológico domiciliar.
Durante as sessões de fonoterapia vem sendo realizadas atividades para estimulação da linguagem oral, limitação de espaço e regras através do lúdico, figuras de objetos e da vida cotidiana, onde o mesmo se interessa pelos brinquedos e nomeia cada um deles quando solicitado pela terapeuta chegando a falar duas palavras em sequência e começando a obedecer o limite de espaço e regras.
O paciente vem apresentando uma boa resposta ao tratamento.
Coloco-me a disposição para maiores esclarecimentos."

Agora o relatório escolar que me foi entregue ontem:
"Relatório de atendimento ao responsável por Arthur, matriculado no Jardim I, nessa instituição de educação, para tratarmos do seu desenvolvimento, social e cognitivo.
Arthur é uma criança meiga e carinhosa, que adora receber carinho dos amigos e professores.
Nas brincadeiras livres, prefere brincar sozinho, apresentando dificuldade em interagir com as outras crianças. Participa das atividades dirigidas, porém dispersa-se com facilidade.
No que se refere à linguagem oral, percebemos que existe certa dificuldade em expressar-se.
Percebemos que Arthur apresenta conhecimentos que não correspondem a sua faixa etária, nem ao que foi trabalhado nas turmas que já frequentou, por exemplo: reconhece as letras do alfabeto e numerais, nomeando-os, faz a leitura dos nomes dos colegas e outras palavras escritas em folhas de atividades e murais. Vale ressaltar que o mesmo frequenta essa escola desde 01 ano de idade.
Sendo assim, solicitamos à família uma avaliação fonoaudiológica mais precisa, a fim de que possamos atuar no desenvolvimento do aluno. 
Pedimos um retorno com laudo no prazo de 03 (três) semanas, ou seja, até o dia 21 de maio de 2010."   

2 comentários:

Catharina Gata Garota disse...

OI Sandra.
Posso dar meu pitaco ?
Tive um problema bem parecido (eu mesma) não a Catharina.porque vc não experimenta pular ele um ano na escola ? Pq se ele conhece letras (assim como a Cath),e tem conhecimentos que não são da sua faixa etária, pode estar ENTEDIADO dos colegas. A Cath faz 4 anos semana que vem e está no Jardim II. Não sou pedagoga, mas a minha filha também reconhece as vogais (como li num post aqui) e tem conhecimentos, pelo que li, no mesmo nível do Arthur. desculpe estar me intrometendo, mas pense com carinho nessa possibilidade.
bjs
Kika

BABÕES DO BRUNO disse...

Não considero pular um ano escolar a melhor alternativa. Meu filho tem 3 anos e está no Jardim I, reconhece letras e números (a escola dele ensina isso no Jardim I). Não seria momento de vc avaliar o preparo da escola do seu filho???? Pense nisso.