,

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Fatos e fotos

Todo sábado Arthur tem ficado na minha mãe para que eu possa ajudar na loja.
Segundo minha mãe não tem dado muito trabalho já que ele já chega pedindo pelo piu-piu (na minha mãe também tem 01 cópia do DVD) e após o almoço dorme bem. Geralmente eu chego e ele tem acabado de acordar...
No último sábado foi assim...
Passamos para buscá-lo por volta das 16:00h e fomos pra casa. Na bagagem, além da mochilinha com fraldas e roupas, vovó Quinha mandou 03 fatias de bolo de milho feito com leite de soja (ele anda apaixonado por bolo!) e legumes cozidos para ele jantar. Chegamos em casa preparei seu lanche - vitamina de banana com geléia de mocotó, que o danado tomou inteira. Mas não demorou muito e ele já estava me pedindo o bolo. Dei uma fatia no pratinho e o sentei na sala, enquanto fui arrumar a bagunça do quarto dele. Menos de 01 hora depois fui na cozinha e... cadê as outras fatias de bolo? rs - Estavam lá na sala... Arthur as roubou!
Pensei comigo: "Depois de mamadeira e TRÊS fatias de bolo duvido que ele jante..."
Quem acreditou nisso?
Devia ser 18:30 quando eu estava na cozinha lavando louça e lá vem ele abrir o armário para catar um pacote fechado de biscoito recheado de chocolate. Eu sempre dou 01 biscoito já que ele abre as duas bandas e mais lambe do que come, só que como ele estava com a história da diarréia eu achei melhor negar. E pronto! Foi aquele escândalo! Como se ele estivesse morrendo de fome! Chorou, chorou, chorou e chorou... de cair lágrimas! Só que eu não tinha feito janta (lembram que pouco tempo atrás ele tinha tomado vitamina e comido 03 fatias de bolo?) e a única coisa que tinha no fogão eram os legumes cozidos. Olhei para os legumes, eles me olharam e então pensei: "Se ele está mesmo com fome vai comer o que eu der...". Dei uma mornada, coloquei no prato da criança (que continuava chorando) e o sentei ali mesmo no chão da cozinha. Ele imediatamente me tomou o garfo e danou-se a comer... SOZINHO!!!!!!
Entre uma garfada desengonçada e outra, pedaços de batata caiam no chão (que estava limpinho, tá?). Pensam que ele pegava do chão e colocava na boca? Não! Ele espetava de novo no garfo e levava de novo à boca. Muito engraçado. Não filmei porque não queria deixá-lo sozinho com um garfo na mão e achava que se eu me levantasse ele ia desistir de comer.
O fato é que ele comeu o tanto que eu coloquei e ainda pediu mais. Enchi novamente o prato e ele comeu TUDINHO!
Ô criança para me surpreender, viu?
E eu nem filmei...
Na segunda feira peguei um baita engarrafamento na volta do trabalho e quando cheguei em casa ele já havia jantado com minha cunhada.
E lá veio ela com a novidade (que eu já sabia):
Disse que quando o buscou na escola, a Tia Adriana falou: "Já está almoçando sozinho,viu?"
E então ela tentou experimentar em casa e o colocou sentado à mesa com o pratinho na sua frente. Disse que ele comeu tudinho e sozinho...
Para mim não foi novidade, mas que eu fiquei muito orgulhosa, fiquei!
E assim está sendo desde então. Ele não aceita mais que a gente dê, quer comer sozinho. A gente fica do lado, né? Vez ou outra consegue ajudar... colocar 01 colher mais cheia na boca... mas o fato é que não demora muito e nossa presença vai ser totalmente dispensável na hora das refeições.
.
Estava devendo fotos, né?


Tem também o vídeo dele tocando tambor. Não reparem que ele não está cantando... acho que ficou tímido com a câmera. Mas dá pra ver direitinho ele pedindo para ver o "piu-piu". Assim como dá para ver como ele sabe me ignorar quando quer... rs


segunda-feira, 28 de julho de 2008

De tudo um pouco

Putz!
Esse negócio de deixar para depois acaba não dando certo... eu sempre me esqueço de contar coisas que são importantes!
Por exemplo, Arthur está de férias.
Está... mas não está! A escola trabalha com Colônia de Férias e Arthur sendo do integral participa automaticamente, sem pagar nada mais por isso (Thanks God!). Bonitinho, ganhou a camiseta especial e tudo...
Ontem tiveram oficina de culinária e preparam biscoitos amanteigados.
Coincidência ou não, foi durante a colônia que me apareceu do nada tocando tambor.
Tão lindo!!!!
Conhecem a música do Cocoricó, da Banda do Zé Pretinho?
"A Banda do Zé Pretinho, toca com Jorge Ben Jor...
O Júlio toca tambor, com quem?
Com a Banda do Cocoricó!
Bon-gô, bon-bon-gô!
Bon-gô, bon-bon-gô!"
Pois bem. Estava Adriano no corredor, eu no quarto e Arthur na sala. Ouço então o som do tambor que ele ganhou na escola no Dia do Indio (feito de lata de leite e que desde que ganhou estava guardado dentro do armário) e dos lábios da criança saía um "Pô-pô, Pô-pô-pô!" exatamente no ritmo com que tocava... Inacreditável! Pena não ter dado tempo de gravar... Depois implorei pelo bis... menininho obedeceu??? Claro que não!
Na quinta feira passada "encontrei" a tia Andrezza no msn e perguntei se eles andam tocando instrumentos por lá. A resposta dela: "Claro, Sandra! É para isso que eles têm aula de música toda terça feira!" Morri de rir, claro! E ela ainda disse mais: "Ele não toca só tambor, não! Ele toca tudo!" Disse que ele está terrível, mas inteligente que só... Que tem um livro de animais em que ele conhece do cachorro ao pinguim. E que quando ele pega no livro não deixa mais ninguém chegar perto. Na sexta feira ela mandou o livro para eu ver.

Esses dias ele re-descobriu o velotrol e o carrinho de buzina. Não pode ver que corre para montar. Passei a manhã de ontem tentando ensiná-lo a pedalar. Estamos indo de vento em popa! Mas ele ainda prefere dar impulso ou que eu o empurre... Oh menino preguiçoso, viu?
Continua apaixonado pelo "piu-piu". E assiste a cada dia como se fosse a primeira vez. Tenho me esforçado para que ele não fique tanto tempo na frente da TV. Não acho que seja saudável. Mas tem horas que não dá para sentar com ele e brincar ou pintar (como ele quer que seja), então o DVD acaba sendo uma alternativa.
Semana que passou teve diarréia. Do nada.
Em um dia evacuou 03 vezes, no outro 02. Aí passamos a dar o Floratil pediátrico e caiu para apenas 01 vez... Depois voltaram as 03 vezes... e depois 02... a ponto de estar sempre vazando para a roupa... Enfim! Não ia começar novamente com o Floratil sem descobrir a causa da diarréia, então na sexta entramos com Pedialyte para evitar desidratação e no final do dia ele tinha evacuado somente 01 vez. Fomos para minha mãe à noite e ele jantou super bem. Chegamos em casa e percebi que ele estava com a barriga enorme, dura, como se tivesse acabado de comer um boi. Fiquei mais preocupada do que já estava e então liguei para a pediatra que receitou 03 dias de Floratil (2 x ao dia) e Pedialyte, ou seja, o que já estávamos fazendo. Com relação ao estômago distendido ela explicou que tinha a ver com gases, que no caso da diarréia era normal. Orientou fazer massagem. E disse para ligarmos após os 03 dias, caso o Floratyl não fizesse efeito. Logo após falar com ela dei a mamadeira dele. A criança deu duas goladas no máximo e foi para a cozinha, sozinho. Tossiu, tossiu, Adriano foi atrás e pronto... vomitou! Muuuuuuuuito! A janta inteira. Eliminando o que lhe fazia mal. Em seguida mamou e dormiu a noite inteira.
Coincidência ou não, a diarréia sumiu. De qualquer forma continuamos com o Pedialyte.
.
O post tá longo, né?
Volto depois com fotos dos eventos sociais:
Do nascimento da Lucinha (Linda!!!!!) em 02 de julho e nossa visita na semana passada (após eu quase ser demitida do cargo de tia pela demora em ir visitá-la!)
Do casamento do Doudou Zé Luis em 19/07 (que também fez aniversário na mesma semana) e que fomos padrinhos.
.
Bem, acho que é só isso...
Até o próximo post a la "todoassuntojunto"!

quarta-feira, 23 de julho de 2008

30 meses

Antes de ser mãe, eu fazia e comia refeições quentes.
Eu usava roupas sem manchas.
Eu tinha calmas conversas ao telefone.
Antes de ser mãe, eu dormia tão tarde quanto eu quisesse
e nunca me preocupava com a hora de ir para a cama.
Eu não me esquecia de escovar os cabelos e os dentes
e meu banho era sempre tomado sem pressa.
Antes de ser mãe, minha casa estava limpa todos os dias.
Eu nunca tropeçava em brinquedos, ou pensava em canções de ninar.
Antes de ser mãe, eu não me preocupava se minhas plantas eram venenosas.
Eu nem sabia que existiam protetores de tomada...
Antes de ser mãe, ninguém nunca tinha vomitado ou cuspido em mim.
Eu nunca tinha sido mordida nem beliscada por dedos minúsculos
Ninguém nunca tinha me molhado.
Antes de ser mãe, eu tinha controle da minha mente,
dos meus pensamentos, do meu corpo, e do meu tempo.
Eu dormia a noite toda!!
Antes de ser mãe, eu nunca tinha segurado uma criança chorando
para que pudessem fazer exames ou aplicar vacinas.
Eu nunca havia experimentado a maravilhosa sensação
de amamentar e saciar um bebê faminto.
Eu nunca tinha olhado em olhos marejados e chorado.
Eu nunca tinha ficado tão gloriosamente feliz por causa de um simples sorriso.
Eu nunca tinha sentado tarde da noite só para admirar um bebê dormindo.
Eu nunca tinha segurado um bebê dormindo só porque eu não queria deixá-lo.
Eu nunca havia sentido meu coração se quebrar em um milhão de pedaços
porque eu não pude parar uma dor.
Eu nunca imaginaria que algo tão pequeno pudesse afetar tanto minha vida.
Eu nunca soube que eu amaria ser mãe.
Antes de ser mãe, eu não conhecia a sensação de ter meu coração fora do meu corpo.
Eu não conhecia a força do amor entre uma mãe e seu filho.
Antes de ser mãe, eu não conhecia o calor,
A alegria,
O amor,
A preocupação,
A plenitude,
Ou a satisfação de ser mãe.
Eu não sabia que era capaz de sentir tudo isso com tanta intensidade!
Mas acima de tudo isso...
antes de ser mãe eu não era assim...
tão feliz!
E já fazem 30 meses!!!!!!!
Eu te amo, meu filho!
Meu príncipe,
Meu amor,
Meu tudo!

* Créditos Scrap:
QP by KsharonK @ Artistic Musings
Ribbon Secret Santa by Jofia Devoe @ The DigiChick
Alfa Promise Collection @ Shabby Princess
Fonte: Century Gothic

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Algumas coisas

As coisas vão acontecendo e eu vou deixando pra depois, e pra depois e quando vejo esqueci de contar.
Por exemplo, Arthur tem alguns dias que descobriu suas duas guitarras de brinquedo. Então se ele encontra uma, corre atrás da outra e entrega para quem esteja mais próximo, geralmente eu ou o pai. A princípio não entendíamos o que ele queria que fizessemos, depois descobrimos que ele quer um parceiro. Então a gente fala: "Vamos fazer uma banda!" e simulamos tocar, cantar e dançar... Ele adora! Fica prestando atenção. Dança.
Incrível esse negócio de genética, não é que existe mesmo? Porque ninguém estimulou isso, é dele mesmo! Quer dizer, dele não, do pai! Que nem preciso dizer que baba né? Fico imaginando quando ele crescer se vai levar mesmo à sério... :)
Para eu e Adriano ficar tocando e dançando, pagando o maior mico, tudo bem, é o de menos! O problema é quando ele cisma com outras pessoas... Foi muito engraçado vê-lo "dividir o show" com Tio Paulo, que não só cantou e dançou , mas ainda reclamou da desafinação da guitarra dele! rsrsrs
Outra coisa é que ele agora cismou com o volante do carro.
Se entramos no carro e saímos logo em seguida tudo bem. Colocamos ele na cadeirinha e ele nem reclama. O problema é se ele entra em algum carro que não seja o nosso, ou seja, que não tenha a bendita cadeira... Não há quem aguente a força que ele faz para ir pro banco da frente. E se ele consegue encontrar o volante então, não há quem tenha força para desgrudá-lo de lá!
Que o diga Graziani e Ziza. Dia desses eles foram buscá-lo na escola e ela precisou descer para pegar uma encomenda. Então deixou o pequeno com Graziani (que estava na direção) e ele se esbaldou brincando de dirigir. Quando Ziza voltou, quem disse que ele quis voltar para o banco de trás? Engraçado é o Graziani imitando a revolta do menininho contrariado... hahaha
Também tem as coisas que acontecem de uma hora para outra.
Ontem, por exemplo, estávamos na minha mãe e ele já havia jantado. Na hora que eu fui jantar ele estrategicamente se sentou ao meu lado para filar mais um cadinho da minha comida. Até aí tudo bem! Ele sempre faz isso! O que foi novidade para mim foi ele se recusar a comer cenoura. Eu dava arroz, ele analisava e comia. Na hora que colocava cenoura ele olhava, fazia cara de nojo e virava a cara. Assim, desse jeito. E aí pegava minha mão e levava em direção ao arroz. Tá certo isso? Eu hein! Tem que comer de tudo. Não vou dar essa confiança não...
Quando minha sogra quer peneirar o feijão a minha preocupação é exatamente essa. E eu sempre digo pra ela dar tudo: caldo e caroço, para ele não se habituar, mas vai explicar pra ela? Ela tá sempre peneirando...
Já me disseram na escola que ele é preguiçoso para mastigar, então o máximo que eu posso fazer para que ele seja forçado a mastigar, eu faço. Ele ama batata e eu nunca amasso na comida. Sempre dou os pedaços. Por isso evito fazer o purê.
A banana eu não amasso. Dou inteira e ele vai mordendo.
Eu não sei da onde ele tirou essa seleção de alimentos. Não sei se é só com a cenoura. O fato é que nossas atitudes influenciam muito na educação alimentar. Exatamente como me falou a pediatra no dia que ela passou jiló para ele e eu fiz cara feia: "Quem coloca mal hábito nas crianças são os pais. Ele nem sabe qual o gosto do jiló..." e de fato no mesmo dia minha mãe fez jiló e ele comeu de raspar o prato.
Enfim... Vamos ver os próximos capítulos!
Ah! Também foi de repente que descobri que ele conhece todos os encaixes de forma geométrica. Sabe aqueles brinquedos que vêm com formas geométricas para encaixar? Pois é. Ele tem um jacaré, um trem e na minha sogra tem um carro de bombeiro (que é do Bê). Ele nunca ligou para as peças. Tanto que elas estavam perdidas no fundo do baú.
Dia desses eu cheguei do trabalho e ele estava na minha sogra com o carro de bombeiro e simplesmente encaixando TODAS as peças. Sabe assim... sem se enganar? Indo no lugar certo! Fiquei passada de orgulho!
Como pode aprender as coisas assim... tão de repente? E o pior, eu não vi! Quando descobri ele já estava fera!


segunda-feira, 14 de julho de 2008

Festa dos avós

Arthur é uma criança privilegiada.
Já devo ter dito aqui que ele tem 05 avós vivos e que são de fato apaixonados por ele. Não falei ainda não? Então vamos lá!
Do meu lado minha mãe, a vovó Quinha. Não preciso nem falar né? Quinha é daquelas que faz bolo e liga avisando pra gente ir lá saborear. Chega a ser injusta com os outros netos porque acha que todas as vontades de Arthur têm que ser realizadas. Se acontece bagunça, um desentendimento qualquer entre as crianças, o Arthur é sempre o inocente da estória... Muitas vezes preciso intervir pela Bia e pelo Cauã, coitados, que por serem mais velhos acabam levando bronca muitas vezes sem razão... hahaha
Do lado do Adriano, o bicho pega! São quatro!
Os naturais são vovó Olympia e vovô Beraldo e os de coração: vô/dindo Paulo e vovó Belina.
Vovó Olympia é aquele doce de gente. Prendada que só. Foi ela quem me ajudou com a decoração do quarto quando Arthur nasceu. Cheia de idéias. Não tem estrutura física para acompanhar Arthur, pois parece mesmo ser feita de porcelana. Mas pensa que ela se lembra sempre disso? Humpf! Às vezes precisamos lembrá-la de que sua coluna não é mais a mesma e de que ela não pode mais ficar pegando o menininho nos braços... Enfim! Embora não possa ficar sozinha com ele por muito tempo, é com ela que sei que posso contar para que a jantinha dele durante a semana não falte no horário certo. Aliás até a nossa, se quisermos. Não tem um dia que ela não diga: "Tô fazendo isso, tô fazendo aquilo" e eu preciso me policiar para não abusar demais. Dei sorte viu? Minha sogra cumpre direitinho o papel de 2ª mãe.
Vovô Beraldo é daquele tipo caladão, que para quem não conhece chega a passar por anti-social. Não tenho muito o que falar dele com relação a mim. Ele é meu sogro. Eu o trato bem. Ele me trata bem. E pronto. Assim vivemos felizes! Mas com Arthur... Ah, com Arthur é bem diferente... Ele muda quando Arthur está por perto. O tom de voz muda. Fica ativo. Se tiver que ir atrás do menino para ver o que está fazendo, lá vai ele. Assume realmente o papel de vô. Se Arthur fica doente ele se preocupa. Desce para saber como ele está. Na presença do Arthur ele se transforma. É outro. E não deve ser por acaso que Arthur não puxou nem a mim e nem ao Adriano. Ainda que minhas cunhadas digam que puxou a elas, a gente bem sabe que aquela cabeleira loira é herança do vovô Beraldo! Assim como o "narizinho do vô", como ele adora me lembrar... hahaha
Vovó Belina tem laços pra todo lado. É tia do Adriano (por tabela é minha também - rs). E também sua madrinha de batismo. Como teve que esperar seu casamento com tio Paulo para poder batizá-lo, ela vive repetindo que Adriano foi seu 1º filho. Também foi nossa madrinha de casamento. E quando eu engravidei ela "pediu permissão" para chamar Arthur de neto. Óbvio que eu não só autorizei, como incentivo Arthur a chamá-la de vó. E ai de quem diga que ela não é! E o carinho que ela tem por ele? Não consigo visualizar como será com os filhos de Ziza e Zizo... Se com Arthur já é assim...
Aí tem também o vô/dindo Paulo. Vô porque se tia Belina é vó, ele é vô. Mas não só por isso. Ele é vô porque quando Arthur nasceu ele dava plantão lá em casa dia sim e no outro também para saber se Arthur estava bem. Porque por trás do "só vim ver o moleque" está todo um cuidado, todo um amor que tenho certeza que se meu pai estivesse vivo seria da mesma forma. E a gente não pode desperdiçar um amor assim né? Então no dia do batizado do Arthur quando o padre disse que além da madrinha de consagração (Jacque) ele precisava do padrinho, eu não pensei duas vezes, e nomeei tio Paulo a vô/dindo do Arthur. E sei que fiz a escolha certa. A única coisa que Arthur ainda não conseguiu dele foi o livre acesso à sua coleção de carrinhos e motos. Chega a ser engraçado. Lá na casa deles Arthur pode tudo, exceto os carrinhos do Tio Paulo! Então o menininho chega e vai direto pra onde? Pra estante da coleção! E dá-lhe tio Paulo tentar dar o carrinho genérico (que Arthur não aceita! rs) e Arthur reclama. E tio Paulo não sabe como negar. E vai explicar pra criança que coleção é coleção... Hahaha. Dois meninos!
Enfim! É nesse clima de tantos avós que na escola já tem registro que Arthur tem três avós e dois avôs, podendo vez ou outra algum deles aterrisar por lá para buscá-lo (como já aconteceu). Sendo assim, não podia ser diferente para a comemoração do dia dos avós: Na agenda vinha a opção para marcar a quantidade de lembrança: 01, 02 ou nenhuma. E lá vou eu responder: nem uma, nem outra. Eu quero três!
Então na última sexta feira o vô Dindo Paulo levou as três vovós, que passaram a tarde num caprichado picnic no pátio da escola, e ganharam um charmoso puxa-saco que era uma vovó muito elegante de cabeça branca, óculos dourado e brincos de pérola, com a saia pintada pelo próprio Arthur. E para os vovôs uma pasta para guardar documentos, também pintadas pelo mesmo artista.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Missão cumprida!

E aí que depois de uma semana inteirinha de corre-corre, e de agito, e de tensão e de ansiedade, e de corrida contra o tempo, eis que no final de semana tudo aconteceu:
No sábado conseguimos inaugurar a loja e no domingo aconteceu o churrasco em comemoração ao aniversário da Quinha.
E foi tudo um sucesso!
E foi tudo perfeito!
A loja ficou fofa, do jeitinho que sonhamos. Pequenina, porém aconchegante.


Recebemos muitas pessoas queridas na inauguração e Adriano estava igual pintinho no lixo, tamanha felicidade. para ele essa é a realização de um sonho, como se um filho estivesse nascendo mesmo. E como é bom poder compartilhar desse sonho com ele, viu?


Aí no domingo o dia amanheceu lindo de novo.
Aniversário da mulher da minha vida: Quinha!

Fazendo sessentinha e com todos os motivos do mundo para comemorar...

Então mal nos recuperamos do dia anterior, do cansaço, da correria, da ansiedade, e lá estávamos passando tudo de novo nos preparativos para dar-lhe o mínimo que ela merece: uma festa linda!

E também ela ficou igual pintinho no lixo. Recebeu os amigos. Ganhou presentes. Se esbaldou. Dançou. Foi até o chão. Ficou feliz.
Acho que minha mãe nunca teve uma festa como essa e vou me orgulhar para sempre por ter proporcionado isso pra ela.
Então, depois de uma semana totalmente atribulada, eis que conseguimos respirar.
Quer dizer, em termos né?
A segunda e a terça eu tirei para colocar a minha lavagem de roupa em dia (geralmente lavo tudo no sábado para a Lucia passar na segunda. Com a correria toda quem se deu bem foi ela, que não teve roupa essa semana para passar).
Ontem sim. Fiz janta e pude curtir com meu pequeno sua nova paixão: piu-piu e frajola.
Meu irmão conseguiu uns DVDs de brinde no mercado onde trabalha. São três: Piu-piu e Frajola/ Papa-léguas e Coiote/Pernalonga e seus amigos. Mas ele gamou no Piu-piu. Ri de gargalhar. A cada vez que o Frajola se dá mal a gente consegue ouvir de longe a gargalhada do menino. E que delícia é de ouvir. Melhor que isso é só ouvir o "piu" que ele aprendeu a falar quando que ver o DVD. O que inclusive me deixou confusa no início, pois eu achava que "piu" e "cocó" referiam-se ao mesmo desenho. Mas não. Ele sabe muito bem quando quer ver Piu-piu ou Cocoricó. Não é lindo?
Aliás ele anda ensaiando falar. Por enquanto a maioria são coisas que (ainda) não entendemos. Conseguimos fazê-lo pedir "batata" (uma outra paixão) depois de muita insistência. Então eu acho mesmo que não falta muito para soltar a língua de vez!
Amanhã tem festa das Avós e eu nem vou estar lá... snif
Mas estejam certos de que a minha máquina irá para registrar todos os momentos.