,

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Pintando o sete

Arthur está na fase de pintar. Há algumas semanas atrás ele ganhou em uma festinha de aniversário uma caixinha de giz de cera (pequeno) e eu imprimi para ele diversos desenhos para colorir. Percebi que ele prefere o lado limpo da folha então passei a dar a folha em branco e ele adora. Pinta TODOS os espaços disponíveis, frente e verso. Muito bonitinho de se ver. É capaz de ficar horas pintando...

Como sou a favor de incentivar aquilo que acho ser importante para o desenvolvimento dele, comprei uma caixa grande com 12 cores. Ele amou, óbvio!
Coloquei todos num porta-lápis e já deixei na estante, prontinho para que ele tenha acesso sempre que quiser.
Algumas vezes tenta nos levar pro chão junto a ele, para desenhar. Deidei Beth então é vítima, ele não pode vê-la que já a puxa para o chão... Mas bem que a culpa é dela que tem a maior paciência para desenhar flores, matinho, árvores, pintinho, e até arco-íris ela já pintou para ele. Ela vai desenhando e ele pintando por cima...
No dia da festa das mães da escola, a mãe de um amiguinho estava conversando comigo e falou que o filho rabiscava as paredes de casa e ela já precisou lavar por umas três vezes. Quando eu disse que Arthur só pintava mesmo a folha, e que muito dificilmente acidentes no chão aconteciam, ela parecia me olhar incrédula, como se não fosse normal uma criança de dois anos conhecer o espaço que pudesse ser usado. Papo indo e vindo ela precisou sair do meu lado e então a coodenadora que pegou a estória já no finalzinho me explicou como o fato dele ter entrado tão pequenino na escola o ajudava com essa maturidade. No caso do outro menininho que já entrou na escola com dois anos completos, e com irmãos maiores em casa, esse limite não existia, e que inclusive, a salinha da escola já precisou ser retocada, já que a criancinha em questão também já andou pintando as paredes de lá.
Perguntei se não havia o risco das outras crianças serem influenciadas por ele e a resposta foi a seguinte: Se tivesse sido, você já teria visto na sua casa. Ela esclareceu que no caso em questão as outras crianças é que influenciam o "único errado" a pintar no lugar certo.
"Ufa!" pensei. Por que embora minha casa seja pintada com aquela tinta lavável, não deve ser nada agradável ficar esfregando as paredes para limpar as artes dos pequenos.
Mas pronto, foi só eu elogiar... A partir dali, era só acabar o espaço do papel para Arthur passar a pintar também o chão da sala.
Aff! Só no feriado eu tive que passar veja por duas vezes!
Pego papel e giz e explico que a combinação só pode ser aquela... a criancinha me olha como quem diz: "entendi tudinho, mamãe!" e basta não ter mais espaço na folha para o "acidente" acontecer e ao me ver é como se tentasse dizer: "foi acidente, mamãe... a folha acabou..."
Vou fazer o quê? Nada muito diferente, já que não posso proibí-lo de pintar e de exercitar seu desenvolvimento. Mas também não vou deixá-lo livre para fazer o que quiser.
Então enquanto ele não entende que "no chão não pode!", a caixinha de giz fica no alto e sempre que ele quer pintar eu (ou qualquer outra alma bondosa) se senta ao lado para fazer companhia, do jeitinho que ele ama!
(Acho inclusive que essa foi a forma que ele encontrou para pintar sempre na companhia de alguém... menininho mal caráter! rs)

Esse filminho foi feito há mais ou menos 01 mês atrás. Ainda é da fase "lugar de pintar é somente no papel" (aproveitem para ver a cor do meu piso - é ou não é de fiscalizar os "acidentes"??? rsrs) e a paixão ainda era Aline Barros.
Reparem que eu peço para ele escrever o nome dele e (coincidência ou não) ele faz a letra "a". Não é lindo?

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Pocotó

Crianças tem dessas coisas...

Ele levou apenas 01 dia para descobrir que os DVD's do Cocoricó eram muito legais.
Porém, no dia que ele nasceu, a Deidei deu de presente um cavalinho de madeira, desses de balanço, e por muito tempo o pobrezinho viveu abandonado no canto da sala, sempre esperando uma bondosa alma de criança que ao nos visitar, descobria ele ali e dava umas balançadinhas, para em seguida abandoná-lo de novo.
Eu morria de pena, pois o danado é realmente muito bonitinho, um clássico mesmo! Sabe esses brinquedos de antigamente, artesanais? Assim é o cavalo de madeira do Arthur...
Eis que de uma hora para outra, Arthur não somente descobriu, como se apaixonou pelo bichinho. E basta lembrar dele que corre e monta nele sozinho!
Monta, balança, abraça, desce, monta de novo...
Num desses dias do feriado ele acordou bem cedo, o pai o tirou do berço e o levou para o nosso quarto. Ele desceu da cama e foi para a sala, e eu e o pai continuamos na preguiça do nosso aconchego. Muito silêncio na idade dele é no mínimo sinal de perigo, né? Levantei e fui ver o que aprontava o pequeno garotinho.
Olhem onde ele estava...

Lindo, não é?

O cavalinho, além de um brinquedo lindo, virou seu companheiro também...
Acho fofo como ele tem curtido "cavalgar" no cavalinho! E ele é ousado, não tem um pingo de medo de virar, de cair do cavalo! Eu é que tenho rezado pedindo proteção porque não tenho como vigiá-lo o dia inteiro, muito menos tenho onde esconder o pequeno animal de madeira.




Reparem só o que está passando na TV... rs

Tá na hora do Cocoricó!


.
Faz muito tempo que ouço mães falarem de seus filhotes encantados pelo Cocoricó.
Arthur já ganhou 02 DVD's, daqueles com estorinhas e clip no final (se não me engano ele tem o Medo e Mistério e Aventuras no Campo) e nunca deu grande atenção.
Não me conformava... se toda criança gostava, porque Arthur ignorava?
Na última reunião da escola lá estavam as mães dizendo que fulaninha amava, que beltraninho ficava enlouquecido em frente à TV...
Mas aí foi lendo o blog da Melissa e ver que o pequeno Renan também curtia que criei coragem e encomendei pela internet os DVD's de clipes 1 e 2, que ao invés de ter estorinhas, só tem os clipes musicais...
Chegaram na quarta-feira, véspera do feriado, e ainda à noite coloquei para ele ver. Sentou-se, assistiu mais ou menos 5 minutos, levantou-se e foi embora. Adriano morreu de rir: "Mas também, com essas musiquinhas chatas..." e eu sem acreditar nos R$45,00 jogados pela janela.
No dia seguinte ele achou a capa de um deles e se fez entender que queria que eu o colocasse. Assistiu inteiro. Quando acabou eu coloquei o outro e o incrível aconteceu: ele continuou concentrado assistindo.
Acho que percebeu minha decepção com o dinheiro gasto... hahahaha
Agora pronto! Ele não quer mais saber de Bebê Mais, nem de Aline Barros, nem de Xuxa, nem de Barney. Ele quer o Cocoricó! Já arranhou um deles, rasgou o plástico da capa, comeu a capa de papelão do outro, enfim! Os DVD's já estão praticamente tocando sozinhos.
E assim... ele não quer dar espaço entre um e outro, eles têm que tocar direto! E assim eu passei os últimos 04 dias, ouvindo Júlio e sua turma.
Seu personagem favorito é o cavalinho Alípio, basta vê-lo para cair na gargalhada!
E a carinha de felicidade a cada vez que se inicia o: "Tá na hora do cocoricó, tá na hora da banda do Júlio... O Júlio na gaita e a bicharada no vocal: fazendo rock rural (Cococoricó...)"... não tem preço que pague!

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Reunião Escolar

Aí foi assim... pleno dia de aniversário e eu tinha um encontro marcado na escola: 2º Encontro de pais e mestres.
Como sempre, a primeira parte da reunião é entre Coordenação/Diretoria e todos os pais (de todas as turmas) com objetivo da escola, pedidos diversos e avisos gerais.
Com a palavra a coordenadora, que nos ensinou a montar um barquinho de papel.
Com barquinho em mãos ouvimos o texto de reflexão:
.
Escola educa com base nos valores de vida somente em parceria com os pais. Precisamos remar juntos!
.
"Os filhos são como navios", assim:
  • Eles não podem fazer simplesmente o que têm vontade. Essas vontades precisam ter administração; pois a viagem é longa e os rumos precisam ser bem direcionados.
  • Quem ama, educa. E tem de educar a vontade para se proteger e dar condições para que a criança cuide da própria segurança em tempos de turbulências e calmarias.
  • Os pais são um porto seguro para os filhos até que se tornem independentes.
  • O lugar mais seguro para o navio ficar é no porto. Mas essa não é a finalidade para o qual foi construído. Para um navio bem construído, o mundo é pequeno.
  • Nem sempre os navios vão para o lugar que seus fabricantes imaginaram. Ninguém pode garantir que caminho o filho vai seguir, mas, seja para onde for, deve levar dentro dele valores como ética, humildade, honestidade, disciplina e gratidão que herdaram de seus pais.

E não é que é verdade?
Para finalizar, a diretora fez os pedidos diversos (uso de uniforme, envio de brinquedo somente no dia, etc), os avisos necessários e nos encaminhou para as salas junto com as professoras de cada turma.
Aí sim, cada um fala de seu pimpolho, faz as pergunta específicas, ouve o que as tias têm a dizer. O que ouvi do Arthur foi:

  • que ele tem um "estômago sem fundo" (e eu morri de rir!) pois come o dele e do vizinho se deixarem. Contaram que certo dia o Tio William (o faz tudo da escola que as crianças adoram!) pediu para dar o almoço do Arthur, pratinho cheio. Depois da décima colherada, Tio William nervoso já: "Adriana (a tia), ele não pára de comer, é assim mesmo?" e ela: "Pode dar William, ele come bem mesmo!". Depois da décima quinta colherada: "Mas... Adriana... ele tá comendo muito!" e ela já rindo: "Pode dar menino, ele está acostumado a comer muito..." Na vigésima colherada e ele já totalmente assustado: "Olha lá hein, Adriana, ele não vai passar mal?" e assim Arthur bateu o pratão do almoço. Partiu então para a sobremesa, geléia de mocotó, e depois da metade da caixinha, Arthur ainda comendo com vontade, Tio William quase tendo um treco entregou Arthur para a Tia Adriana dizendo: "Toma, termina você de dar, porque se ele passar mal a responsabilidade é sua!" hahahahahaha;
  • que ele é apaixonado por geléia de mocotó, que eu nunca comprei para dar (acreditam?). Disseram que ele curte de qualquer jeito, puro ou com banana;
  • que o amigo Gustavo o apelidou de Pituco, e que agora é forma como as crianças o chamam quando querem fazer chamego com ele;
  • que é quem sempre está fugindo;
  • que adora a música "Hoje é domingo, pé de cachimbo..." (lembram?) e que dá gargalhadas quando a ouve. Que as outras tias pedem para as tias dele colocarem só para terem o prazer de vê-lo rindo (é uma risada muito gostosa mesmo! contagiante!)
  • que de vez enquando solta um "bom-dia, boa-tarde" no momento da rodinha (todo início da manhã e da tarde);
  • que adora brincar de lego;
  • que tem uma habilidade em ambas as mãos que não é normal para a idade dele (isso eu já tinha percebido) e que é capaz de fazer girar até um objeto triangular;
  • que nunca bateu, nem mordeu nenhum amigo (inclusive as tias disseram que esse ano ainda não tiveram nenhum caso com nenhuma criança da turma);
  • que adora tomar banho na banheira para espalhar a água pra todo lado;

Enfim... maravilhoso ouvir a respeito de meu pequeno e dos seus amigos, ouvir casos, a rotina deles, quem brinca com quem, o que gostam de assistir no DVD (a unanimidade tem sido Aline Barros), o que estão falando, as preferências... muito legal!
E aquela mulherada toda junta, cada uma querendo falar mais de seu filho, e ao mesmo tempo saber o que se passa com as outras mães, nas outras casas, é muuuuuito bom! Essa troca de experiências realmente não tem preço...

Saí de lá com o astral lá no alto. As tias lembraram que era meu aniversário, fizeram a maior farra! E ainda rolou a troca de figurinhas entre mães, promessas de cópias de DVD's de um lado para outro, de indicação de médicos, vixe!

Segue a avaliação bimestral do 1º bimestre:

Eles utilizam as seguintes legendas:
S - Sim
N - Não
ED - Em desenvolvimento
NT - Não trabalhado no bimestre.

Linguagem Oral (organização de idéias e pensamentos)
- Relata fatos já acontecidos: N
- Repete palavras e sons emitidos anteriormente: ED
- Pronuncia corretamente as palavras: N
- Reconhece e nomeia pessoas de seu convívio: ED

Linguagem Escrita (coordenação motora)
- Interessa-se por atividades com giz de cera, cola colorida e tinta: ED

Noções Matemáticas (cor, tamanho, formas geométricas e números)
- Identifica objetos quanto à cor: NT
- Associa objetos de acordo com a cor: NT
- Identifica objetos quanto ao tamanho: ED
- Associa objetos de acordo com o tamanho: ED
- Identifica objetos quanto à forma: NT
- Associa objetos de acordo com a forma: NT
- Interessa-se por atividades com números: NT

Noções de Corpo Humano
- Desenvolve movimentos corporais: ED
- Reconhece as partes do corpo: ED
- Nomeia as partes do corpo: N

Educação Física (desenvolvimento psicomotor)
- Executa a locomoção arrastando-se: ED
- Executa a locomoção rolando: ED
- Executa a locomoção engatinhando: ED
- Executa a locomoção andando: ED

Educação Musical (sons e ritmos)
- Respeita o movimento de iniciar e parar de tocar os instrumentos: ED
- Executa movimentos próprios de acordo com a pulsação da música: ED
- Localiza a direção dos sons: NT

Atitudes gerais:
- Entra na escola com tranquilidade: ED
- Relaciona-se bem com a professora: S
- Aceita os limites da rotina escolar: ED
- Participa das atividades dirigidas: ED
- Participa das atividades livres: ED
- Aceita, com facilidade, as situações novas: ED
- Apresenta reações de medo: N
- Relaciona-se bem com os amigos: S
- Divide seu material ou objetos pessoais: ED
- Apresenta reações de choro diante de determinadas situações: ED
- Atende às solicitações das professoras: ED
- Encontra, sozinho, soluções para dificuldades na rotina escolar: ED
- Segura objetos de uso diário: S

segunda-feira, 19 de maio de 2008

O meu dia!

Pois é... eu também faço aniversário...
Aliás, fiz! No sábado, 17.
Na verdade, como no ano passado eu fiquei na maior ansiedade com relação a chegada do meu aniversário (como fico sempre, pois a-d-o-r-o fazer aniversário!) e dois dias antes minha mãe foi internada no CTI (lembram?), esse ano eu tentei não criar expectativas... e sabe que foi muito bom? Quando eu pisquei os olhos já estávamos na quarta e eu ainda não sabia o que faria no sábado. Na quinta decidi que faria uns belisquetes em casa mesmo e que nem convidaria ninguém, esperaria os telefonemas do dia para aproveitar e fazer o convite. Eu só não contava que tanta gente se lembraria, e que mais uma vez ficaria com a casa cheia. Bom sinal, né?
Muitos amigos, a parentada quase toda, e o melhor de tudo, Quinha do meu lado comemorando, como ela mesma disse, 01 ano de renascimento!
E foi por isso mesmo que nesse aniversário eu soprei a vela agradecendo ao invés de fazer qualquer pedido...
Já tenho muito: saúde, amigos, emprego, minha mãe, uma família linda... preciso do que mais para ser feliz, não é?
E mesmo sem pedir nada, apenas agradecendo, ainda vieram alguns embrulhinhos de quebra. Hummmm... adoro!

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Dia das Mães - as comemorações

No sábado foi a apresentação da escola.
Eu tinha certeza que ainda não seria dessa vez que filhotinho me faria babar de emoção com as coreografias, o que eu considero normal levando-se em conta o fato de que ele ainda é muito pequetito. Então cheguei lá sem qualquer grande expectativa.Chegamos cedo e eu tive a possibilidade de ficar bem ali na primeira fila, ignorando o que dizia a tia Andrezza de forma bem marota "mães do Ninho tem que sentar lá no fundo...."
Antes do início das apresentações as músicas já tocavam e Arthur parava na frente da aparelhagem de som, concentrado, já me dando a deixa de como era a coreografia. Ora levantava os braços, ora simulava um abraço, ora jogava um beijinho... como se sozinho estivesse fazendo seu último ensaio...

Depois de alguns minutos a coordenadora solicitou que as crianças seguissem para suas salas para que as apresentações se iniciassem.
Arthur foi sem reclamar, mas o mesmo não aconteceu com seus amiguinhos, e vendo o chororô, caiu no berreiro também.
Foi quando eu entendi por que "deveria" estar lá atrás, escondida: as tias acham que nossa presença "atrapalha" o andamento... rsrsrs
Entraram TODOS chorando, cada dois no colo de uma tia (são seis alunos para três professoras).
No meu caso eu acho que minha presença ajudou a acalmá-lo, pois assim que me viu saiu do colo da Tia Adriana, e embora não tenha feito a coreografia como estava fazendo antes da apresentação, pelo menos parou de chorar e não correu para meu colo. No final da apresentação ele já estava bem calmo e já iniciava um passinho e outro.

Fiquei boba do mesmo jeito... :)
No final da apresentação a coordenadora disse: "Vocês não vão acreditar, mas eles passaram a semana inteira fazendo a coreografia direitinho..." Eu acredito! rs
A música foi "Me abraça e me beija" da Ivete Sangalo e agora basta eu começar a cantar e ele já inicia a coreografia... um fofo!

De presente ganhei um porta-jóias em decapê com a foto do meu pequeno, lindo!

Após as apresentações uma equipe se encarregou de animar a galera, e para não ficar de fora da farra, nem correr o risco do Arthur ser carregado pela mulherada, fiquei com ele no colo, e pulamos juntos de um lado para outro. Fizemos ginástica, dançamos quadrilha, fizemos trenzinho, aff! Nos esbaldamos!
Só saiu do meu colo para conferir o teatro de fantoches, que ele é apaixonado. Quando vi ele já estava no colo do animador e nem se lembrava da minha existência.

Fizeram ainda uma gincana onde foram distribuídos vários serviços de um Centro Estético como brinde, e não é que eu ganhei uma depilação? Muito bom!

Estou até agora com uma baita dor muscular no meu braço direito, fruto do peso do Arthur, mas em compensação tivemos uma manhã deliciosa, só nós dois, mãe e filho!


À tarde o danadinho não quis dormir nem pelo decreto, acho que ainda da agitação da manhã, e como resultado capotou antes das 20h, no caminho da casa da Fátima (que estava fazendo aniversário e ficaria noiva do "Doudou" Zé Luiz, com direito a pedido e tudo!). Permaneceu dormindo durante toda a festa e só acordou no dia seguinte às 8h, com pilhas recarregadas.

*****


Como já era de se esperar, papai o trouxe para nossa cama e, juntos, me acordaram com o presente: um par de sapatilhas na cor vinho! Belíssimas! Amei!
Ainda ali, no quentinho do edredom, tomamos nosso café da manhã , enquanto Arthur tomava sua mamadeira. Oh início de domingo bom, viu?
.
Como no ano passado, carreguei Quinha lá para casa para passarmos juntas o Dia das Mães. O dia estava bem frio, propício para o aconchego do lar. Então, após o almoço, aproveitei que Arthur se entregou a Morfeu, para também tirar um cochilo ao lado daquela que já me deu o colo tantas vezes, minha pequena Quinha!
E dormimos de 15h às 17:30h, coladinhas na minha cama, como eu já nem me lembrava como era.
O dia acabou num piscar de olhos, sem que eu sentisse mesmo... mas sabe de uma coisa? Não existe no mundo nada de melhor do que ser e ter um filho, do que ter e ser MÃE!

domingo, 11 de maio de 2008

De onde vem tanto amor?

Estou desde ontem tentando vir aqui e colocar em palavras esse amor que não cabe em mim.
Li em algum lugar que quando a gente se torna mãe, nosso coração bate do lado de fora, em outro coração... e não é que é verdade?
Mas foi no blog dela que achei a melhor resposta, talvez a minha própria definição como mãe.
Licença Cíntia, mas não tinha como não publicar aqui:

Mamãe, por que te amo tanto?
Todas as crianças, inevitavelmente, chegam naquela fase das famosas perguntas.
Perguntam sobre tudo.
Querem saber sobre tudo, num afã natural e belo de se ver, na busca pelo conhecimento, por descobrir o mundo.
Do que são formadas as nuvens?
Por que aquele homem mora na rua?
Como o Papai do Céu pode vigiar todos ao mesmo tempo?
Como nasceu a primeira mãe de todas?
Porquês e mais porquês… Que acabam deixando os pais de cabelo em pé, em muitas ocasiões.
Uma dessas perguntas em especial, chamou-nos a atenção, quando em contato com uma reportagem de certa revista especializada em educação infantil.
Mamãe, por que te amo tanto?
Há perguntas que nasceram para serem perguntas, e há respostas que não são palavras. – Afirma o autor da matéria.
Diz ele ainda que nesses casos a melhor resposta pode ser um beijo, um abraço forte, o toque, o silêncio…
Realmente, poderíamos pensar: Como explicar o amor? Como encontrar a razão na Terra onde reinam os sentimentos?
Sem a pretensão de explicá-lo, mas com a vontade de torná-lo mais admirável ainda, quem sabe poderíamos dizer a essa criança:
Você ama sua mãe, pois antes de lhe dar o abrigo desta casa feita de paredes, ela guardou você em um lar de beleza sem igual, aconchegante e cheio de paz.
Você ama sua mãe, pois possivelmente esta não é a primeira vez que você a vê. Seus corações amigos podem ter se encontrado muito tempo antes…
Você ama sua mãe, certamente porque junto do alimento do corpo, ela lhe concedeu sempre a nutrição da alma, com seu sorriso e um ‘Seja bem-vindo ao mundo, meu filho!’
Seu amor por sua mãe vem dos cuidados que ela tem pelas coisas mais simples da vida, como:
- Arrumar os bichinhos de pelúcia no quarto para lhe darem ‘bom dia’ pela manhã;
- Colocar o macaquinho ao seu lado, para que você o abrace à noite, e não se sinta só.
- Conversar com você durante o banho, ensinando o nome de cada pedacinho de seu novo corpo, e enchendo-o de beijos amorosos.
- Dançar com você pela sala, rodando, rodando, para ouvir suas gargalhadas deliciosas.
- Ficar com você no colo, assistindo seu desenho preferido, até você pegar no sono, tranqüilo, seguro, aquecido.
- Levar você para a cama dela, quando você se sente sozinho em seu quarto à noite, aconchegando-o bem perto de seu coração - lembrando dos tempos em que você estava ali, crescendo forte dentro dela.
Finalmente, poderíamos dizer que você ama sua mãe, porque ela ama você sem pedir nada em troca. O que um dia você entenderá como sendo o amor incondicional. E ela será seu maior exemplo dele.
.
* * *
.
Um filho bem amado nunca esquecerá sua mãe.
Mesmo que ele enverede por caminhos tortuosos, que faça escolhas perigosas na vida, aquela candeia do carinho materno sempre estará lá.
Será aquela luzinha distante, no meio da escuridão dominante da ignorância - como um convite terno para trazê-lo para a senda iluminada novamente.
O amor materno será sempre seu laço seguro e certo com o amor de Deus.
Que o Criador Supremo do Universo abençoe todas as mães…
.
Redação do Momento Espírita com base no artigo Cada pergunta difícil…, de Cristiane Rogério,
publicado na Revista Crescer, de março de 2008, ed. Globo. Em 05.05.2008.
.
Como Dia das Mães são TODOS os dias, um FELIZ TODO DIA para você!
Volto amanhã para falar da apresentação das escola, do meu domingo (como mãe e filha) e com muitas, muitas fotos.

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Exposição escolar

Na sexta-feira consegui sair cedo para conferir a exposição de trabalhinhos escolares. Tinha pirâmide alimentar, livro de estórias feito pelas crianças (a turminha do Arthur construiu o livro com a estória do Saci), os personagens de Monteiro Lobato construídos com materiais reciclados (a turma do Arthur também constuiu o Saci) e exposição de fotos com os eventos acontecidos na escolinha durante esse início de ano.

Quando nos viu, Arthur logo soltou a mão da tia Andrezza. E veio ao nosso encontro com aquele sorrisão largo.

Por ser véspera do dia do trabalho, o pequeno estava vestido de mecânico... Linduuuuu!

Cá entre nós, elas pediram muito material na lista, mas vamos combinar... três meses de aula nesse ano letivo e Arthur já tem três fantasias para o próximo carnaval: coelho, índio e mecânico.
E vou te falar, viu? Ficou um mecânico digno de calendário! hahaha


Gosto muito da possibilidade de estar por lá... Primeiro com a felicidade que ele fica. Depois porque é muito legal ouvir as coisas que as tias sempre têm pra contar. Dessa vez elas contaram que Arthur está um sapeca de marca maior. Que ele foge das tias e quando vão atrás dele, ele sai correndo olhando para trás, rindo aos montes, e geralmente se esconde atrás de um pé de carambola que tem na escola e fica lá, morrendo de rir. Detalhe que o tronco da árvore é fininho, mas ele acha que está escondido... rs

A tia da cozinha também veio me contar do excelente apetite do gatinho. Disse que está um comilão! E que com a ausência do danoninho como sobremesa, ele anda apaixonado por gelatina e banana amassada com geléia de mocotó.

Dia 17 de maio tem Encontro de Pais e Mestres, e espero ter muito mais para ouvir...

Bebê organizado!

Tá bom, tá bom...
Ele não guarda os brinquedos dele, não, pelo contrário, ele adora espalhar tudo...
Mas ontem eu estava, digamos, organizando os brinquedos, e fui separando uns carrinhos e um trem que vieram com uns bonequinhos de encaixe com formas diversas. Pelos carrinhos e trem ele nem dá muita atenção, mas pelos bonequinhos... é fissurado... especialmente quando cisma que os pobrezinhos são peões e insiste em girá-los... enfim! Eis que com uma arrumação que estava fazendo eu achei os quase dez bonecos e eles estavam espalhados pela sala. Acho que Arthur não gostou de vê-los separados e, sozinho, juntou os bonequinhos, colocando-os em fileira.
Uma coisa simples, eu sei, mas foi tão bonitinho vê-lo catando um a um e colocando um ao lado do outro...
Acho que prova que vai ser um menininho bem organizado, como a mãe, modéstia à parte!

Presente antecipado

Comprei!
Fechei os olhos e comprei antecipado meu presente de aniversário:
Uma Sony W130 - com 8,1 MB, Zoom óptico 4 x, Zoom digital 8 x, LCD de 2,5", gravação de vídeos com áudio e mais um monte de palhaçadinhas que preciso aprender a mexer...
É linda, linda...

Mereço, né?