,

terça-feira, 30 de janeiro de 2007

As novidades do pequeno rapaz

Segundo o site Minha Vida:

Hora de dar os primeiros passos (se isto não aconteceu antes), gosta de comer sozinho, atirar e arremessar brinquedos e objetos, bate palmas, passa a gostar de estar com outras crianças, imita muitos gestos e palavras, acena , dá a mão, cada vez fala mais, desenvolve habilidades de concentração e memória. Controla muito mais os movimentos das mãos, portanto deve ser estimulado a comer sozinho e, com supervisão, levar comida a boca com as mãos e utilizar colher. Aprecia músicas e livros. Possui personalidade própria, noção de ser parte da família e conhece suas rotinas diárias. O ambiente familiar, ao ser estimulante e divertido, auxilia muito no desenvolvimento de habilidades.

Arthur não está de total acordo com o que sugere o site para a sua fase atual. Ainda não deu indícios de que vá andar, se o estimulamos segurando-o pelos braços, ele força para ir ao chão engatinhar, com preguiça. Também não quer bater palmas: até bate de forma involuntária (acho que ainda não entende o que significa). De qualquer forma eu continuo insistindo e cantando “parabéns pra você” sempre que ele bate palminhas. Aprendeu a abrir e fechar a mão: para uns ele está dando “adeus”, para outros está gesticulando um “vem cá”, e eu só queria saber o que ele realmente está querendo nos mostrar. Fala muito, mas não fala nada. Decifrável somente “ado”, “mamamama” que para estimulá-lo dizemos se tratar de “Bernardo” (o primo) e “Mamãe” (euzinha aqui!) respectivamente. Também emite um som pelo nariz que nos parece um som de “Atu” e que dizem se tratar de “Mateus” (o outro primo). Ainda não dança, não imita bichinho, não faz nada de “oh, que lindo!”, mas sinceramente eu não me grilo, pois acho que para cada criança existe seu tempo particular.
Arthur não anda, não fala, não dá tchau e não bate palminhas, mas em contra partida faz coisas que me enchem de orgulho: come de tudo, adora tomar remédio, não estranha ninguém, está sempre de bem com a vida (só chora se realmente tiver motivo), assiste TV sozinho (e fica realmente concentradíssimo), assim como toma sua mamadeira e come o seu biscoito, totalmente independente. Adora tomar banho, anda na cadeirinha do carro sem qualquer problema (quando comprei ouvi a pérola de que seria de enfeite), dorme a noite inteira (de 21 às 7:30, sem interrupções) desde os 8 meses, e já tem uns quinze dias que não precisa do nosso colo para pegar no sono à noite (basta colocá-lo no berço que ele abre aquele sorriso de satisfação, “lê” quarenta e sete vezes a Oração do Anjo da Guarda, abraça a centopéia, rola o berço inteiro e apaga!). Além disso, realmente tem curtido a presença de outras crianças. Fica louco de alegria quando o Bernardo aparece para brincar e por isso eu até acredito que o “Ado” seja referência a ele. Referente à memorização, tenho certeza que ele reconhece os membros da família, os desenhos que mais gosta (Backyardigans, Barney, Doc – cachorrinho do comercial da Discovery Kids), as músicas prediletas (Borboletinha, Dona Aranha, os temas de Backyardigans e Barney), a rotina diária (hora do banho, das refeições, de dormir) e até as que eu gostaria que ele esquecesse, como o botão de liga/desliga da TV, do DVD, do vídeo e do computador. Enfim! Tenho mil e um motivos para não duvidar do quanto ele tem aprendido ultimamente. Daqui a pouquinho ele estará fazendo todas as piruetas que as outras crianças fazem e eu vou agradecer por não ter forçado o seu desenvolvimento natural.
.
*****
A partir de hoje, Arthur ficará na casa da Vovó Quinha. Na verdade o combinado era de no início do ano ele passar a ir pra lá de manhã, mas acabamos adiando para após o aniversário. E antes que adiássemos para após o Carnaval, Vovó Quinha já foi logo desconversando e providenciando os detalhes da "mudança"! Tadinha, acho que ela não via a hora de voltar a ter sua vidinha na própria casa....
Vai ser só um cadinho cansativo para mim, já que sairei do trabalho e irei direto pra lá, até que Dri passe para nos buscar. Mas, por outro lado, terei o "sacrifício" de jantar comidinha de mamy todos os dias (u-la-lá!).
Independente da maratona que vá ser para mim à tarde e para o Adriano de manhã (pois sozinho vai ter que se arrumar, arrumar Arthur, colocar tudo no carro e ainda prendê-lo na cadeirinha!), tenho certeza que minha mãe estará mais disposta para as próximas fases do Arthur, estando na sua própria casa. Além disso, tenho certeza que o pequeno se dará muito bem com a companhia constante da prima Bia, de 05 anos.
Então, estando felizes as pessoas mais importantes de minha vida, ficarei feliz eu também!

quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

A festa

Voltei!
Exausta... porém realizada e feliz!
É certo que em toda festa corremos o risco de ter um ou outro incoveniente, na do Arthur não houve. Foi tudo perfeito.
Chegamos no salão 18:45h. Os funcionários já estavam de prontidão nos aguardando na porta e cantaram “Parabéns pra você” seguido de uma salva de palmas.
Como eu já havia prometido a mim mesma, deixei Arthur curtir a festa da forma que ele sabe: Engatinhando ou no andador. E assim foi. Em menos de duas horas de festa já tive que trocar a roupa dele já ficou com mãos e roupas negras.
Andou de roda-gigante, de carrinho, entrou na piscina de bolinhas e pulou na cama elástica.
Só chorou assustado com a gritaria dos adultos nas brincadeiras (e euzinha estava junto aos histéricos...). Fora isso, ficou tranqüilo a festa inteira.
Às 22 horas li um texto/homenagem aos presentes, que foi seguido do vídeo clip. Arthur, cansado e motivado pelo “escurinho do cinema” dormiu no meu colo, e para acordá-lo nem água fria nos olhos deu jeito. Dei então um brigadeiro nas mãos de uma criança sonolenta, e imediatamente ele acordou... rs
Por volta das 23 horas Arthur foi homenageado pelo padrinho “Doudou” que fez uma belíssima oração e seguida dela o tradicional “Parabéns”. Quer dizer, tradicional em termos. O animador da festa falou aquelas coisas bonitas. Fez com que todos cantassem “Super Fantástico”, do Balão Mágico. Depois aquela música “O Arthur vai ser abençoado porque o Senhor já derramou o seu amor...”. De repente entra toda a equipe do salão vestidos com perucas, com cartazes: “Filma Eu!”, “É campeão!”, “Olha nós aqui!”, entregaram um troféu pro Arthur, trouxeram champagne (que tava uma delícia de gelada!), brindamos e (ufa!) cortamos o bolo. Tudo na maior animação.
Foi muito bom ouvir de todos que a festa estava linda, que o atendimento foi nota 10, que tudo foi emocionante. Mas o melhor de tudo foi ver meu filho curtindo a festa. Tudo bem que eu acabei curtindo mais do que ele (leia-se aqui: eu me acabei!), mas ele vai crescer e vai ver a filmagem e as fotos e vai ter a certeza de que tudo aquilo foi feito especialmente para ele. Cada detalhe da festa, da decoração, das homenagens, enfim, tudo para ele.
Olha, fazia muuuuuuito tempo que não me divertia tanto. Tanto eu quanto o Dri. Brincamos, dançamos, cantamos, nossa! Literalmente, perdi a linha. Cheguei no salto e saí com o pé preto. E não só eu. Foi difícil ver adulto que tenha resistido às brincadeiras e permanecido sentado. As crianças então, nem se fala. Se perdiam no andar de cima, onde estavam os brinquedos e fliperamas.
Na saída perguntei pra recepcionista se em toda festa era aquela mesma animação, e ela disse que era muito difícil aparecer uma família tão animada como a nossa. Se ela falou pra babar meu ovo não sei, mas acredito mesmo que parte do sucesso da festa tenha sido a participação dos convidados. Acho que por mais que os animadores sejam muito bons, o que era o caso, se não houver a participação dos adultos não rola o tchan da festa.
A festa tinha horário de término à meia noite, mas já eram 00:30 e ainda tinha gente se esbaldando no “cai-cai”. Chegamos em casa 01:30 e não tive coragem de deixar Arthur dormir com todo aquele suor. Dei banho e ele despertou. E aí quis comentar a festa. Kkkkkkk
Tive que me segurar para não abrir com ele o gigantesco lote de presentes. O que aconteceu ontem. Ficamos de 10:00 às 12:00 descobrindo o que Arthur ganhou. Foram quase 60 embrulhos, entre roupas (muitas roupas!), DVD Xuxa SPB 1 (que ele a-m-o-u!) e diversos brinquedos.
Ainda estou exausta, com dor nos braços e nas pernas, mas totalmente realizada. Fiz a festa dos meus sonhos, como sempre imaginei. Todo o sacrifício valeu muitíssimo a pena.
É isso! Quero aproveitar para agradecer os recados carinhosos no post anterior e agradecer a presença de todos os amigos e familiares na festa que, segundo o Tio Paulo, foi a “Festa do Ano!”

terça-feira, 23 de janeiro de 2007

01 ano de vida!

Vim pensando no que postar e fiquei longos minutos olhando para essa tela sem saber o que dizer...
Da minha felicidade vocês já sabem.
Do meu orgulho vocês já sabem.
Do meu amor por ele vocês também já sabem.
Vou então agradecer.
Agradecer a Deus pela sua vida que tem sido linda de se viver!
Por eu ter sido a escolhida para trazê-lo ao mundo.
Pela sua saúde.
Pelo seu encanto.
Pelo seu sorriso diário.
Pelos 603 dias em que o tive por companhia desde a descoberta do Beta HCG positivo.
É isso...
O que tenho a fazer é agradecer a Deus por ele existir!
"Parabéns meu filho! Que Papai do Céu te abençoe para sempre!"
Créditos do Scrap:
Programa Photoshop 6.0
Kit Daydream - by Vintage Charm @ Pieces of me
Fontes: Hurricane, ChopinScript e BrockScript

segunda-feira, 22 de janeiro de 2007

É amanhã!

É amanhã o grande dia... O dia em que comemoraremos 0 1º ano de vida do meu bebê.
Depois de uma semana super agitada, posso dizer que o pior já passou.
Passei três dias consecutivos preparando o clip, que eu idiotamente atrasei por não ter escolhido as fotos antes de levar pro estúdio. Estava crente que estava bafando com meu CD todo organizado com pastas para cada mês. Mas... como separar algumas dentre as quase 1.000 fotos? Alê até que teve paciência em me esperar selecionar as dito cujas, mas para isso lá se foram 03 noites. Na noite de quinta pela primeira vez não vi meu filho acordado. Cheguei em casa 23:00h, e para não aumentar minha frustração dei um beijo na bunda dele (que estava para cima só pra variar). Nem se mexeu! No dia seguinte, sexta, passei o dia quase louca de saudade, ligava pra casa e pedia minha mãe que o colocasse na linha. Se ele ao menos falasse qualquer coisa... Eu matei a saudade dele, agora ele... danadinho. Então o Dri saiu do trabalho, o buscou em casa, e foi me buscar com ele. Quando ele me viu soltou aquele sorrisão de felicidade... Êta mãe besta viu? Preciso cortar esse cordão....
A ladainha do que colocar na mesa dos convidados também já foi resolvido: fechamos mesmo com a bola inflável com o Nemo dentro. Não era bem o que eu queria pois ela vem em cores diversas, e foge um pouco do tema, mas... sem outra opção!
As montagens para o porta-retrato e ímã ficaram ótimas, pegaremos tudo pronto hoje.
Os doces poderão ser levados na hora para eles colocarem nas maletas, conforme combinado.
O sacola do kit infantil também já foi montado e fechado. Só levar na hora.
Já pintei cabelo (pra cobrir os fios brancos), fiz a unha, buço e sombrancelha. Posso dizer que estou quase linda! Amanhã é só me enfiar dentro do vestido.
Optei por vir trabalhar para não abalar a rotina do Arthur. Se eu ficar em casa ele não vai dormir, pois fica tão feliz com minha presença que prefere ficar acordado! (Tá certo que minha mãe tem outra versão para isso - ela diz que ele se comporta muito melhor com ela) Aff!
Na quarta não venho. Ora bolas, ele vai precisar da minha ajuda para abrir os presentes, não é?!
É isso! Tudo quase pronto para o grande dia!

terça-feira, 16 de janeiro de 2007

Em contagem regressiva!

O ano mal começou e já passamos pela metade do primeiro mês. Mais do que isso... Daqui a 07 dias meu bebê completa seu 1º ano.
Por aqui sigo na maior correria contra o tempo. Escolha de fotos antigas para clip e de fotos novas para poster, banner, ímã, porta-retrato, etc. Enfeite para mesa de convidados que até agora não foi definido: já pensamos no Nemo de pelúcia, Nemo inflável, tudo para fugir do E.V.A. O de pelúcia foi descartado de imediato ao saber do preço. O inflável não existe na quantidade necessária... Agora surgiu uma bola com o Nemo dentro, também inflável, como se fosse um aquário. Minha cunhada acabou de reservar por telefone. Espero fechar nisso, pois do contrário, vamos cair no de sempre. Um potinho com jujubas envolto em papel celofane, com o nemo em E.V.A. Sinceramente não temos mais cérebro pra pensar! Nem eu, nem minhas cunhadas, nem ninguém!
Fora o estresse com a lista de convidados. Uma festa para 100 (a princípio) que contém 170 em lista. Já alterei o contrato para 130, contando com os confirmados. O problema é não ter certeza de quem vai ou não. Se os incertos resolverem ir, pago a diferença no dia.
Além disso, as roupas. Do pequeno (pelo menos duas), minha e do pai (que insiste no meu aval para isso!).
Andaram me perguntando se estou ansiosa. Não, não estou. Mas inevitavelmente estou preocupada com o tempo, que parece voar. Hoje saio daqui e vou direto pro estúdio ver as provas das fotos. De lá vou pro salão quitar o pagamento e ver os últimos detalhes. À noite pretendo começar a montar as sacolas surpresa. Amanhã vou pro Alê fazer a edição do clip que ele deu de presente pro Arthur, contando com a ajuda de minha amiga Rô pra não ficar louca no meio de tantas fotos e das 549 músicas que amo mas que só devo usar 03. Enfim! Ainda tenho que pensar na minha beleza, porque depois de tudo isso só me faltava aparecer no salão Baranguete da Silva! Nem pensar! Sou a mãe do noivo! Ops! A mãe do aniversariante. Quase uma estrela também! kkkkk Depois dele, sou eu quem mais vou aparecer nas fotos. Hehehehe
Do mais, tudo arrumadinho. Pelo menos acho!
.
Agora vamos falar do meu pequeno. Está uma graça! Fazendo caras e bocas...
Em determinados momentos, do nada, faz aquele tique nervoso, sabe? Morro de rir.
Apesar do curso super-hiper-ultra intensivo de muitas semanas, não quer bater palmas, muito menos indicar que tem 01 ano com o dedinho. Toda a hora a gente pega ele pra cantar parabéns e mostrar o dedo de "01 aninho". Ele até nos ajuda a bater agarrando nossas mãos, agora bater sozinho ao som da música... parece de propósito, porque de repente, sem que estejamos perto ou cantado, ele dana a bater palmas... sozinho! Personalidade é fogo!
Também não dá sinais de que vá andar ou dar tchau nos próximos dias. E eu falo: "Filho você já tá virando rapazinho!" Mas acho que ele quer curtir a fase de bebê mais um cadinho. E eu até que agradeço!
.
Aí todo mundo anda me perguntando: "O que dou pro Arthur hein?" e eu respondo: "O que quiser, ué!" Roupas, brinquedos, DVD... tudo muito bem vindo! Mas se quiser abrir uma poupança com um saldo bom, também serve... Não perguntou? rs
.
Acredito em coincidências, mas tem algumas que acontecem que nos coloca a pensar se não é a interferência do destino. Imaginem que estou no haloscan (administrador de comentários) acreditando estar com problemas nos meus comentários recebidos e me aparece um comentário passado (que sei lá o porquê, eu não tinha lido) de uma menina que tinha um filho chamado Arthur, nascido adivinhem quando? Em 23/01/2006. Com uma diferença de apenas 58 minutos. (O meu nasceu às 9:00, o dela às 9:58) Entrei no orkut da Carol (já que ela não tem blog) e deixei uma mensagem pra ela. Na mesma hora ela me respondeu, eu a adicionei no MSN. No minuto seguinte ela me chamou e nós batemos um papão. Ela é do Paraná e é um doce de pessoa. Além de ser tão babona com o filho como eu!
Bem, vou me esforçar para que não passe desse contato, pois saber que meu filho não foi o único Arthur a nascer no dia 23/01/06, e mais ainda, que a Carol tenha me encontrado nesse enorme mundo virtual, é de ser, digamos, i-n-c-r-í-v-e-l! Acho que pode ser o início de uma amizade muito bacana...
Olhem o Arthur (da Carol), tão lindo quanto o meu!

terça-feira, 9 de janeiro de 2007

Consulta - 11º mês

Vixe Maria, que atraso!
A consulta aconteceu há quase uma semana atrás, mas quem disse que consigo vir aqui para postar?
Mas não vamos perder tempo!
Chegamos lá e o consultório estava simplesmente l-o-t-a-d-o! Como se ela estivesse semanas sem consultar. Eu, toda enrolada, porque além da consulta, tinha marcado também a sessão de fotos do Arthur. Bem, para não perder tempo, deixei o nome dele na vez, e com minha cunhada fomos para o estúdio a pé, embaixo de chuva. Foi bom porque ele estava descansado e sorriu bastante. Por outro lado as fotos acabaram sendo tiradas na correria, sem muita variação de roupa, de pose, enfim, quando recebi o CD para escolher, cheguei a conclusão de que as 18 fotos tiradas não eram suficientes para banner, poster, caderno de mensagem, porta retrato e ímã. Não gostei... E por isso minha mãe está nesse momento levando-o novamente, com calma, para uma segunda sessão.
Saímos de lá, voltamos pro consultório. Meus braços estavam em frangalhos após a bela caminhada pela chuva que caía sem parar.
Por sorte, éramos os próximos. Arthur entrou lindo e belo. Só sorriso para Tia Mônica (novidade!). Elogiou como sempre. Ouviu as novidades, as travessuras, como que concordando com os sustos que ele tem nos dado (como a subida pelas escadas da minha sogra). Ela riu. Posso? rs
Perguntou pela consulta com Dr. Mauro (homeopata) e "obedeceu" à retirada da vitamina C. "Não é que eu concorde com tudo o que ele diz a respeito dos corante, pois com relação a isso ele é um neurótico. O que acontece é que ele se alimenta muito bem, então realmente não vai dar problema se eu tirar. Agora, o ferro continua!" kkkk - Só rindo! Cheguei a conclusão de que o que acontece ali é um caso de amor antigo... kkkk
Passou exames de urina e fezes. Este último muito estranho, em duas partes. Vou ter que colher amostras de 03 caquinhas no mesmo dia (no mesmo pote), guardar na geladeira, e no dia seguinte colher uma nova amostra (num novo pote) e levar tudo para o laboratório. Para pesquisar verme, segundo ela.
Normalmente a partir do 12º mês as consultas passam a ser de dois em dois meses, porém ela disse que quer continuar vendo-o, pois ele está abaixo do peso. Nada para eu me preocupar, mas que vai observar os próximos meses.
Arthur mediu 73,5 cm e pesou 8.320 gramas.
Aplicou a 2ª dose da pneumococo e receitou outras que nem tão cedo preciso dar. Thanks God!
Então foi isso.
Nada de estresse até que ela me mande ficar alerta com relação ao peso.
Enquanto isso, fico aqui loucamente nos preparativos do 1º aniversário do Arthur.
Tema: Procurando Nemo. E cá estou na internet literalmente procurando o nemo que vai ficar na mesa para os convidados!
Alguma sugestão?

sexta-feira, 5 de janeiro de 2007

2006 - "O Ano!"

O 2006 foi embora levando com ele meu agradecimento por tudo o que me aconteceu dentro dele. Redundantemente repito a principal: a chegada de meu bebê, lindo, saudável, encantador. Do jeitinho que sempre sonhei. Aprendi horrores! Nossa! Aprendi a ser mãe... Se é que a gente aprende tal dádiva... No fundo acho que não é o aprender, é o ser. Quando nascemos para ser mãe, somos “ possuídas” pelo instinto materno e essa também foi uma enorme descoberta: Sim! O instinto materno existe! E só ele mesmo para colocar um bebê tão pequeno, tão indefeso, tão frágil nas minhas mãos. Arthur nasceu com 2,360 gramas e 46 cm, minúsculo, levinho... e eu que sequer peguei qualquer recém nascido sem que estivesse “embrulhadinho” tive que dar banho! Com certeza Deus sabia o que estava fazendo quando criou o instinto materno. Os meses que se seguiram foram de total adaptação. A dele, com o novo mundo. E a minha, tentando fazer a minha adaptação encima da dele. Noites não mal dormidas, mas em estado de alerta para qualquer ruído na babá eletrônica. Cólicas que nem foram tantas, mas suficientes para deixar meu coração apertadinho. Reação à vacina que me fez chorar junto dele. Tudo muda! Tudo! O relacionamento então! Passamos por crises terríveis de cobrança, de afastamento. A gente dá tanta atenção pro bebê que se esquece um pouco de cuidar do outro. Às vezes eu sentia falta de um abraço, de um beijo apaixonado, de me sentir mulher e não só a mãe. Por outro lado eu chegava no final do dia tão cansada, tão tensa, que só queria mesmo saber da minha cama para dormir. Eu cobrava uma atenção que eu mesma não estava dando. E até descobrir isso muita conversa teve que acontecer... Hoje ainda temos as nossas diferenças (qual casal não tem?), mas basta olhar pro nosso tesouro e descobrir que o que temos para nos unir vale muito mais à pena... E as amizades? Não, elas não acabam! Mas você acaba se afastando se os programas não forem aqueles do tipo família. Esse ano então que foi recheado de micaretas... já viu né? Ouvir no dia seguinte as loucuras que as meninas aprontaram faziam com que eu me sentisse a “deslocada”, já que eu era a única “mãe de família”. Senti muito a falta dos encontros noturnos na casa de um ou de outro, mas sinceramente não me arrependo. Quer saber? Passou tudo tão rápido! Não é que hoje levemos o Arthur para a balada, mas se houver uma festa de adulto em que ele não vá se divertir, consigo deixá-lo com minha mãe sem culpa. Arthur dorme às 21 horas e só acorda no dia seguinte às 7:30h. E a vida voltou aos eixos.
Com relação às finanças foi mais complicado. Aliás vai continuar sendo esse ano ainda. Mas tenho feito tudo o que planejo. Comprei o quarto que queria pro meu pimpolho. Parcelei em 47 vezes, mas sabe que até passou rápido? Quitei no meio do ano. Depois emendei uma obra na casa da minha mãe que eu já havia prometido a ela fazia um tempão. Mais 52 parcelas para pagar o material, mas que valeu muito a pena, depois de ver a satisfação de minha velhinha mostrando a casa nova pra todo mundo (a propósito, para economizar na pintura, eu mesma pintei a sala, que por sinal ficou belíssima!). Resolvi fazer a festa do Arthur em um dos salões mais caros da cidade. Também parcelado em 29 vezes (quando ele se formar em Medicina eu termino de pagar! kkk). Sou assim! Resolvo fazer, se me disserem que “parcelam”, eu vou lá e faço! Rs – Dona Impulsiva da Silva! Quem me conhece bem, já conhece minha frase favorita: “Trabalho o ano inteiro, ralo o ano inteiro, se não puder comprar esse (item), é melhor me matar!” (Minhas amigas adoram! Se for para incentivá-las então...). E por falar em conhecer, 2006 também foi um ótimo ano para as novas amizades. A vida como mãe me colocou em contato com outras mães blogueiras, que nem sabem o quanto me ajudaram de uma forma ou de outra, com a experiência que já tinham... Ganhei até uma nora virtual, a linda Melissa, que é filha da Fabiana, um doce de pessoa. Embora nem todos comentem, o blog tem + ou - 50 acessos diários e desde sua existência já passamos da marca de 10.000 acessos. Vocês têm noção???? Nossa! É muito bom ler um comentário e ver que assim como fui ajudada, também acabo ajudando outras pessoas, e essa troca gente, acaba não tendo preço.
E por falar em preço, voltemos às cifras! Por conta das contas citadas acima, nesse novo ano não tenho projetos financeiros... Trabalharei para pagar as dívidas herdadas de 2006, e para quitar a 3647ª parcela do carro (que só termina em dez/07). Aff!
Então só me resta agradecer a Papai do Céu: pela vida de meu filho, pelo amor de meu marido, pela felicidade de minha mãe, pelos parentes (próximos ou não), pelos amigos antigos, pelos novos amigos, pelo meu trabalho que me permite cometer algumas loucuras... E, se não for abuso da minha parte, além de tudo o que Ele tem me dado nessa vida, peço ainda paz e saúde! Pra mim, pra minha família e para todos aqueles que me cercam e me querem bem.
Feliz 2007!

terça-feira, 2 de janeiro de 2007

Seja bem vindo, 2007!

E começamos 2007!
Na verdade eu gostaria de iniciar esse post com a minha retrospectiva (como está acontecendo nos blogs amigos), mas por falta de tempo vou ter que adiar para os próximos dias.
Vou dar prioridade para falar do que foram esses quatro dias em casa, totalmente curtidos com meu bebê que se mostra a cada dia mais independente e por isso mesmo necessitando de atenção redobrada.
Não quer mais colo. Passa quase que o dia inteiro no chão, brincando. E eu tendo que ficar de olho, porque ele quer abrir gaveta, enfiar o dedo no vídeo, apertar os botões do DVD, enfim... não pára um minuto! E assim passaram-se quatro dias. Resultado? Estou exausta!
O Réveillon foi bem legal. Ficamos na minha sogra onde tradicionalmente acontece o amigo oculto da família. Assim como no Natal, Arthur conseguiu passar da meia noite. Para minha surpresa não teve medo dos fogos. E se não fosse pelo sono que ele já estava sentindo, acho até que ele teria curtido o brilho no céu com euforia, como as outras crianças presentes. Acho que 00:20 ele já tinha apagado (literalmente) no ombro da minha mãe, e nem os gritos das crianças desejando "Feliz Ano Novo" a todos os que passavam na rua, fizeram com que ele sequer se mexesse da posição em que o colocamos no berço, muito menos a farra do amigo oculto que só aconteceu por volta das 02:00.

Acordou apenas no dia seguinte, sorridente e totalmente descansado para curtir o início de um novo ano.
E assim foi. Como o primeiro dia do ano também é comemorado na minha sogra, lá estavam vários primos juntos. E, como a minha sala virou o playground do Arthur, era lá que todos eles queriam ficar. Até o momento que eu pedi que eles voltassem para minha sogra, porque Arthur se recusou a dormir enquanto a farra acontecia. Óbvio! O bonitinho de tudo foi que quando eu pedi que eles subissem, fizeram mutirão e arrumaram todos os brinquedos (que nem tinham sido bagunçados por eles) sem que eu sequer pedisse. Fiquei boba com o bom exemplo que deram pra mim, pois ainda não tinha pensado que esse ensinamento é dado por nós, pais. Serviu como lição, e com certeza vou empregar no Arthur: "Terminou de brincar tem que arrumar!"

Amanhã ele tem pediatra, então não venho trabalhar. Volto na quinta com as novidades da consulta, e, espero, com minha retrospectiva 2006.