,

sexta-feira, 26 de março de 2010

Sobre o nº 2

Não adianta explicar, conversar, brigar, nada disso! Ainda não descobri como fazê-lo pedir pra ir ao vaso fazer o nº 2. Ou, menos que isso, como perceber que ele está querendo fazer... Sabe aquele olhar, aquela concentração? Nada disso! Quando a gente vê, já está lá... o dito cujo na cueca!
Final de semana foi um estresse só... uma leve prisão de ventre nos levou pro banheiro umas 5 vezes por dia. Porque ele incorporou um cabrito, tadinho, e foram muitas vezes fazendo só 1 bolinha (Aff! sem detalhes, né?)...
O máximo que consegui foi um "seu cagão" pra me avisar que já tinha feito.
E eu acho que o fato de muitas pessoas envolvidas no cuidado diário dele acaba atrapalhando, porque quando é comigo eu repito sempre a mesma ladainha que nem eu mesma estou mais aguentando ouvir: "Filho, tem que chamar a mamãe... Lugar de cocô é no vaso e não na cueca... pra gente dar tchau pro cocô... e blá-blá-blá!" Adriano não! Acaba sendo agressivo só que Arthur encara mais como brincadeira! "Seu cagão! Fez na cueca! Que feio! e blá-blá-blá!" E na escola eu nem sei mais porque já tem umas duas semanas que ele não faz no período da aula...
Como o Adriano acaba ficando mais tempo com ele durante a semana e nos horários de "pico" ele aprendeu a se denunciar depois que já fez, e o "Huuum, seu cagão" é dito meio que de forma marota já que ele não interpreta como bronca do pai.
Na sexta feira passada eu estava passando roupa e o pai consertando um aparelho. Ele fez uma vez e eu dei banho. Dali há menos de uma hora ele fez de novo e então eu o coloquei sentado no vaso e disse pra ele fazer mais. Deixei lá e saí do banheiro e continuei passando roupa. E ia lá de minuto a minuto e ele continuava sentado e quando me via ria para mim. Então minha cunhada chegou e perguntou por ele e eu disse onde ele estava. E ela foi vê-lo. Quando chegou ele já tinha descido do vaso, borrado o mesmo e estava no box me esperando. E a cueca? Dentro do vaso! Suja!
A cena teria sido hilária (e foi, pelo menos pra Beth) se não tivesse sido eu a responsável pelo resgate da cueca.
E ele achando engraçadíssimo!
Sério, preciso de dicas...
Preciso achar o ponto! 

sexta-feira, 19 de março de 2010

Para deixar o final de semana mais leve


Tudo o que eu precisava realmente saber, aprendi no jardim de infância
Grande parte do que eu realmente preciso saber sobre a vida, o que fazer, como ser, eu aprendi no jardim da infância.
Não foi na universidade nem na pós-graduação que eu encontrei a verdadeira sabedoria, e sim no recreio do jardim da infância. Foi exatamente isto que aprendi: compartilhar tudo, brincar dentro das regras, não bater nos outros, colocar as coisas de volta no lugar onde as encontrei, limpar a própria sujeira, não pegar o que não era meu, pedir desculpas quando machucava alguém, lavar as mãos antes de comer, puxar a descarga do banheiro.
Também descobri que café com leite é gostoso, que uma vida equilibrada é saudável e que pensar um pouco, aprender um pouco, desenhar, pintar, dançar, planejar e trabalhar um pouco todos os dias, nos faz muito bem. Tirar uma soneca todas as tardes, tomar muito cuidado com o trânsito, segurar as mãos de alguém e ficar juntos, são boas formas de enfrentar o mundo.
Prestar atenção em todas as maravilhas e lembrar da pequena semente que, um dia, plantamos em um copo de plástico. As raízes iam para baixo e as folhas iam para cima mas ninguém realmente sabia nem porquê. Mas nós somos assim!
Peixinhos dourados, hamsters e ratinhos brancos; e até mesmo a pequena semente do copo de plástico, tudo morre um dia. E nós também.
Tudo que você realmente precisa saber esta aí. Faça aos outros aquilo que você gostaria que eles fizessem para você. Amor, higiene básica, ecologia e política contribuem para uma vida saudável.
Penso que tudo seria melhor se todos nós - o mundo inteiro - tomássemos café com leite todas as tardes e descansássemos um pouquinho abraçados a um travesseiro. Ou se tivéssemos uma política básica em nossa nação e em todas as coisas também, para sempre colocarmos as coisas de volta ao lugar onde as encontramos, limpando nossa própria sujeira. E ainda é verdade que, seja qual for a idade, - o melhor é darmos as mãos e ficarmos juntos!

Robert Fulghum – Trad. Ernesto H. Simon

quinta-feira, 18 de março de 2010

Sim senhore, positone!

E eis que depois do "Jacaré passeando na lagoa", "Tomatinho vermelho" e "É preciso saber viver" o hit parade da semana trás ela: a linda e colorida Pink Dink Doo e o seu tema de abertura:
Não entendeu ele cantando?
Olha a letra aqui:
Sim senhore
Positone
Uma história vamos inventar
Eu tenho uma caixa cheia de histórias
E elas são demais
São demais!!

terça-feira, 16 de março de 2010

Perdi meu computador

Não demorou muito para acontecer... e na verdade já tem um tempinho que ele curte.
Começou com a Beth o ensinado a jogar uma coisa ou outra no site do discovery kids, mas sempre orientado por ela em como mexer, onde clicar, etc.
E então o "vício" era restrito ao andar de cima, na casa da minha sogra, e somente na presença da Beth. Se ela não estivesse em casa ele nem fazia questão. Beth passou a ser sinônimo de computador, e vice versa.
Só que um belo dia a Beth "apresentou" o nosso computador para ele... hahahaha  
E então pronto! Perdemos o nosso computador! Agora, basta nos ver sentado aqui que de onde estiver corre para se sentar no nosso colo e pedir: www.discoverykidsbrasil.cooooom e não há quem o convença do contrário ou de que ele precisa esperar terminarmos algo...

(Ta aí a prova! Eu digitava esse post e ele veio lá da piscina me procurar...
demorei a convencê-lo a voltar pra água)

Então... aí a gente coloca no site do DK e pronto! Pode deixar por conta dele! Ele já é íntimo do mouse, do teclado e já é capaz de jogar sozinho os mini jogos disponíveis no site. Eu fiquei boba quando vi a primeira vez. Era um jogo de encaixe de formas geométricas onde ele precisava usar o mouse para arrastar a peça e fazer o devido encaixe. Além desse, outro me deixou orgulhosa: alimentar os bichinhos. E ele já jogou tanto que decorou todas as falas: 
- O que o cachorro come?
- Osso!
- E o passarinho?
- Alpiste gostoso!   
- E o gato, o que come?
- Peixe.
- E o porquinho da índia?
- Huuuum, vegetais!!!!
E o mais recente, que também já jogou 347 vezes é de um menininho que chuta gols de pênalti, mas para ele chutar é necessário digitar o número que aparece na tela. Não é que o danado já conhece os números no teclado e os digita perfeitamente?
Por enquanto eu tenho incentivado porque além de educativos os jogos são estimulantes, mas já percebi que está chegando a hora de limitar para não deixar que ele caia no vício e substitua atividades saudáveis, como brincar no quintal ou tomar banho de piscina por horas na frente do computador.
Tem uns três meses que ele herdou um laptop trilingue de um primo e também curte brincar, mas ainda não conseguiu dominar totalmente. Acho que faltam imagens e cores e, talvez por isso, ele continua encantado pela interatividade dos joguinhos do www.discoverykidsbrasil.com

sexta-feira, 5 de março de 2010

Menino bilíngue

Aconteceu ontem, quando chegou na casa da Rô para me buscar...
Ele ficou descendo os degraus da escada da garagem mil vezes, até que eu comecei a prestar atenção ao que ele falava.
Na verdade ele não estava falando...
Ou melhor, estava... contando!
In english!
One, two, three, four, five!!!!!!!!!!!
Não na pronúncia exata porque também já era querer demais... mas que estava saindo direitinho, ah isso estava!
O four era a mesma coisa de five... algo como "foive"... hahahaha
Não é fofo?!

terça-feira, 2 de março de 2010

O que há de novidade

Hummm...

Tantas coisas têm acontecido ultimamente, que acho que está chegando a hora de anotar para não esquecer.
Todo dia, literalmente, ele aparece com uma novidade... seja uma música nova, uma palavra diferente ou uma mudança no comportamento...
É um tal de pular de um lado pro outro que só de olhar eu fico cansada... canseira também pra fazer qualquer coisa com ele... tirar roupa para dar banho, colocar uniforme, pijama... qualquer coisa é sinal de cansaço para mim.
Por outro lado, quando ele pára, tem se revelado um menininho muito carinhoso.
Está num momento in love com sua cama (tem umas quatro noites que ele não foge para a nossa) e dia desses ele acordou chorando no meio da madrugada e eu fui no quarto dele socorrê-lo. Ele me abraçou muuuuito forte - um daqueles abraços gostosos sabe? Em que o tempo pára enquanto a gente agradece a Deus por ter sido escolhida por Ele para ser a protetora daquela criança. Então ficamos ali por uns 40 minutos até que me rendi ao cansaço da minha coluna e o deitei na cama de novo. Ele levantou e me puxou para a cama e me abraçou de novo, deitada, e dali só saímos quando amanheceu.
Quando voltamos da viagem eu fiquei com medo dele não querer ir para a escola para ficar comigo, como aconteceu no ano passado.... Mas que nada! Deu beijo, tchau e entrou no carro, sem choramingar.
Tem chegado em casa cantando e contando muitas novidades. De tudo o que ele conta, ou canta, pouca coisa consigo entender... Sei que é assunto da escola porque a única coisa que consigo entender sempre é o TIA THAIS (só não sei se ele se refere à tia oficial ou à tia auxiliar - ambas Thais). Aliás, uma grata suspresa esse ano. Nesse pouco contato eu já peguei simpatia pelas duas.
Como falei, tem cantado muuuuuito.
A música que minha sogra ensinou:
"Jacaré passeando na lagoooa, viu um sapinho, abiu a boquinha e inhec, inhec, inhec"
A música que ele aprendeu na escola logo no primeiro ano e só agora ele é capaz de cantar (antes ele só fazia a coreografia) e eu tive que ouvir umas 47 vezes para entender qual música era aquela:
"Tomatinho vermelho pela estrada rolou
o grande caminhão veio e o tomatinho esmagou
coitado do tomatinho, pobre do tomatinho
Tomatinho vermelhooooo
Ketchup virou! Ketchup virou!"
Hahahaha - é dramática, né? Mas o final é uma festa!!!! E a coreografia? Na hora do "coitado do tomatinho" ele finge que tá chorando e tudo! rs
Tentei filmar vááááárias vezes, mas basta ele me ver com a câmera direcionada para ele que começa a sessão de: "Diga X!!!!!" ainda que eu diga que é para ele cantar... figura!
Ontem ele estava cantando o refrão do Roberto:
"É preciso saber viver..." que na versão dele sai algo mais ou menos assim: "É pepibo saber biber..." num troca troca de letras que eu não sei se é de dificuldade ou de propósito, já que ele termina de cantar a morre de rir, quando a gente corrige ele começa a cantar erradão de novo para cair na gargalhada no final...
Está levado! Muito levado! E está com uma intimidade tamanha com a bola. É dentro de casa, é no quintal... onde ele vê bola ele está chutando... e eu rezando 10 Aves Marias para não ter nenhum alvo perigoso no caminho.
Ah sim! Descobriu o pinto! Quando está deitado, principalmente ao assistir TV, a mão certamente está lá.
E eu não sei se devo deixar (pra ele descobrir a sexualidade sem neuras) ou se devo reprimir (e aí corro o risco dele ficar fazendo de sacanagem, pra me afrontar). Então perguntei pra pediatra como proceder e ela disse pra tentar distraí-lo com outra coisa no momento em que estiver se tocando, mas sem que ele entenda que estou reprimindo... Explicou que é normal mesmo, só que não posso deixar que ele se toque o tempo todo, pois daqui a pouco ele estará fazendo isso em qualquer lugar...
Aff! Sexualidade não seria um assunto lá pros 15 anos??????
E o nº 2 que ele não quer avisar que vai fazer? Quando vejo, já fez...
E o danado me engana vez ou outra: "quer fazer cocô???" assim mesmo, me perguntando... e na dúvida se está ou não blefando, eu corro com ele pro vaso e lá ficamos... Acho que não teve nenhuma vez que não tenha sido blefe, mas na dúvida eu vou continuar levando-o. Alguém tem alguma dica?
Acho que por enquanto é isso!
Amanhã volto ao batente, contra vontade.
Queria mesmo era continuar em casa, curtindo esse contato matinal com ele, esse desenvolvimento diário delicioso.