,

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Infecção na garganta

Arthur passou o domingo muito bem até tirar a soneca da tarde e acordar mal humorado.
A princípio achei que não tivesse dormido o tempo suficiente, já que ficou pedindo meu colo o tempo inteiro e "miando" o tempo todo.
Lá pelas 19h, na casa da Rô, ele colocou para fora (literalmente) o que o aflingia: vomitou todo o almoço e um pouco mais (almoçou na casa da tia Bina e comeu angu a bahiana adaptado para criança - com fígado de frango, e de lanche tomou vitamina de banana). Algo não caiu bem e a princípio coloquei a culpa no pobre do angu, ainda que ele esteja habituado a comer na casa de minha mãe e por sinal, adora. Depois achei que o angu foi só a gota d'água de algum mal estar. Por fim eu já estava sem saber...
Além do vômito, que continuou a noite inteira, ele passou a ter febre também. E alta. 39º, assim... do nada!
Dava a novalgina e ele colocava para fora. Dava o dramin (para enjôo) e ele colocava para fora. E pedia água o tempo inteiro. E colocava para fora.
Aff! Domingo para segunda foi "A" noite.
Segunda acordou melhor e eu vim trabalhar. Bastou eu chegar aqui e ligar para casa e a resposta do Adriano: no intervalo de 01 hora e meia a febre tinha voltado e já tinha vomitado 2 vezes. E com isso minha sogra já introduziu soro para evitar a desidratação.
É péssima a sensação de impotência! Céus!
Sem poder sair correndo e voltar pra casa, minha saída foi rezar.
Uma hora depois uma melhor notícia: meu sogro foi lá em casa, o rezou e no momento seguinte ele já estava suando e pedindo para brincar no quintal.
Comeu biscoito, tomou suco, mais soro, almoçou bem mas teve febre alta novamente na parte da tarde, quase 40º graus.
Aí vem o medo do que possa ser, do que possa acontecer.... Começa-se a pensar em internação (já que o estômago dele não está aceitando medicação nenhuma), enfim...
Sem pensar muito, e sem querer esperar pelo desconhecido, optamos por fazer o melhor: levamos ao PS. E lá o diagnóstico foi rápido: infecção de garganta.
Segundo o médico plantonista a infecção justifica a febre alta e a febre alta justifica o vômito (essa parte eu não entendi muito bem...).
Saímos dali e já compramos o antibiótico receitado e como que por milagre, bastou ele tomar (e o estômago aceitar) para a febre ceder, aceitar a mamadeira (e não colocar para fora) e dormir a noite inteirinha.
O médico disse que a febre ainda poderia voltar nos próximos dois dias, o que não aconteceu.
Não passou de um susto, graças a Deus!
Mas vale para lembrar que é muuuuuito melhor ter um menininho levado da breca dentro de casa, correndo de um lado para outro, te deixando cansada do final do dia, do que um menininho molinho de olho miúdo no seu colo.
Me fez lembrar que amanhã é feriado e que terei três dias inteiros ao lado dele, e que vou fazer exatamente o que ele quiser! Ainda que tenha que sentar no chão pra brincar com ele ou assistir pela milésima vez Charlie e Lola, o DVD que a Beth comprou. Programão!

quarta-feira, 22 de abril de 2009

E o desfralde...

...vai indo!
É cansativo, viu?
Um verdadeiro jogo de paciência!
Vamos por parte... o nº 1:
Quando colocado no vaso sanitário, ele até faz... do contrário, não pede.
Pior... não se incomoda em ficar molhado. E não dá sinais de que vai fazer. Nem segura o pinto, nem cruza as pernas, nada...
Aí vou jogando com a paciência mesmo, de hora em hora o levo ao vaso e na maioria das vezes ele faz. E eu continuo fazendo festa, ajudando-o a dar a descarga, dando tchau pro xixi, seguindo mesmo a cartilha do "um dia após o outro" e rezando para que não demore muito para ele pedir ou ir sozinho.
Agora o nº 2... Céus! Não houve uma vez sequer que ele tenha feito no vaso. E eu ainda não descobri qualquer sinalzinho de que esteja fazendo, seja ir para algum cantinho, seja fazer força, ou mudar de cor, sei lá! Nada...
Ele simplesmente não para o que está fazendo... faz no meio de qualquer atividade... seja assistindo TV ou brincando de carrinho.
Eu sei que ele costuma fazer após o almoço, mas isso pode variar...
Nesse último final de semana, por exemplo, a minha mãe tentou após o almoço e ele nada. Bastou sair do banheiro e ele fez. No domingo, idem. Era eu quem estava com ele e fiz questão de acompanhá-lo na tentativa. E ele nada. Bastou sair do banheiro com ele e uns cinco minutos depois... sinto o cheiro! Aí bate aquela sensação: "Se eu tivesse ficado com ele mais um pouquinho...", mas como vou saber?
Ontem a mesma coisa. Dei o almoço dele e em seguida fomos pro banheiro. Coloquei o redutor para ele ficar mais a vontade. Cantei. Brinquei com ele. Expliquei por que estávamos ali. Tentei deixá-lo sozinho. E contei no relógio: 40 minutos. E ele nada. Relutou, tentou sair algumas vezes, ficou caladinho em outras, mas o nº 2 que seria bom, nada.
Por fim vi que aquilo estava parecendo castigo, e como acho que esse não é o melhor caminho, desisti.
De fato ele não fez naquela hora, mas à noite... lá estava a cueca cheinha! Que raiva!
Não brigo com ele, mas é inevitável jogar o discurso básico que eu nem sei se ele entende... "Puxa filho! Não pediu a mamãe pra levar no banheiro... etc, etc, etc"
E vou seguindo o lema: "...um dia após o outro, e dentro de cada dia muitas cuecas lavadas!" Aff!
Tem que demorar assim mesmo? Eu cheguei a lavar, no mesmo dia, quatro cuecas!
Ah sim! E como se não bastassem minhas dificuldades em casa, ainda tenho que lidar com as da escola, que na semana passada pediu Adriano que o levasse para escola de fralda pois elas não estavam com nº suficiente de professoras para ficar levando-o ao banheiro de hora em hora, já que ele não pede para fazer...
Era só o que me faltava né? Depois de duas semanas fazendo xixi no vaso eu ter que regredir com a fralda porque lá elas não podem acompanhar como eu acompanho em casa! Imaginem o nó na cabeça dele?! "Em casa de cueca, na escola de fralda..."
Tudo bem, ele não pede... mas quando levado ele faz.
E outra, quando iniciei o desfralde fiz questão de ligar e falar com a coordenadora. Se elas não estão dando conta, se o número de professoras está pequeno, que reclamem com a coordenadora!
Na hora que o Adriano me falou, na quinta a noite, eu tive que me segurar para não dizer poucas e boas através da agenda. Depois pensei melhor e falei pro Dri mandá-lo na sexta de cuequinha e conversar na boa com a tia da manhã. Por sorte quem o recebeu foi a Tia Adriana que também explicou na boa os motivos delas, mas ainda assim se comprometeu a acompanhar o Arthur mais vezes ao banheiro.
Coincidência ou não, quando Adriano foi buscá-lo com máquina em punho para registrar o pequeno fantasiado de índio, o mesmo não estava na sala. Adivinhem onde estava? No banheiro!
Eu gosto muito da escola, gosto mesmo! E ficaria realmente muito decepcionada se não pudesse contar com elas nesse momento tão importante no desenvolvimento do meu filho.

Pababem!!!!!!

Arthur no domingo, lendo a numeração da programação da máquina de lavar:
"1, 2, 3, 4, ..., 11, 12! Ehhhhhhhhhh (batendo palmas), pababeeeem! (leia-se: parabéns)"
Muito modesto esse meu filho!
O mesmo para o mural que foi pintado no aniversário dele e que continua exposto lá na garagem da minha sogra, que tem as assinaturas da Ana Luiza, Bruna e Mateus.
Ele repete mil vezes, seguindo com o dedinho a posição em que os nomes foram escritos:
"Ana iisa, buna, ateus... ehhhh, pababem!"
Muito inteligente, muito lindo e muito fofo da mamãe!

Consulta ao pediatra

Aconteceu na última quarta feira, 15/04.
Pesou 12.215 g.
Mediu 93 cm.
Sua PA foi 80 x 50 mm Hg.
Pediu para voltarmos com Pediasure nas mamadeiras (manhã e noite) e contra indicou a retirada delas (perguntei se já não seria o caso de tirar a mamadeira e substituir por um copo de leite ou nescau).
Como ele voltou a corisar depois de tanto tempo, indicou o Nasonex nas narinas (2 x ao dia) por 5 dias e o Claritin D por 7 dias (1,5 ml de 12 em 12 h).
Quando finalizar essa medicação, iniciar o Helmiben Suspensão (5 ml 2 x ao dia por 3 dias) para vermes.
Do mais falamos sobre desfralde, alimentação, vício de guloseimas (leia-se chocolate!), etc.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Páscoa

A cada ano que passa, a Páscoa se torna mais divertida.
Sou adulta e como tal conheço bem o real sentido desse dia, mas não posso deixar de curtir o lado infantil junto com a criançada da família, mais ainda por ter um pimpolhinho meu ali no meio daquela farra.
Acordamos por volta das 9h e permanecemos na cama até umas 10h (tal como os dois dias anteriores) e acho que só não curti mais a preguiça da cama porque tinha a deliciosa tarefa de criar pistas e espalhar pelo quintal os ovos que o "coelhinho" havia trago para as crianças: Arthur, Bia, Cauã, Bernardo, Hellen (no colo da Dani) e Robson (que chegou de surpresa).

E que delícia que foi aquela correria toda!
Aquele sobe e desce entre uma casa e outra e o quintal!
Arthur ainda não entende de coelhinho da Páscoa, muito menos quis deixar na cabeça as orelhinhas que as tias da escola fizeram no último dia de aula (motivo pelo qual não tenho fotos!), mas já entende muito bem que esse dia é especial para ganhar sua guloseima preferida no momento: "Cocoate" e passou o dia inteirinho me levando para a porta da geladeira com a carinha mais sapeca do mundo a me pedir: "Cocoate quer..."

E eu resisto?
Vejam as fotos da farra.

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Desfralde - o combate continua

Na segunda feira, conforme combinamos, Adriano o colocou para urinar antes de saírem para a escola, e lá avisou às tias dos nossos avanços no final de semana.
Como ele tem tias diferentes de manhã e de tarde, achei por bem ligar na parte da tarde para conversar com as outras.
Em tempo: Isso não seria necessário já que nossa comunicação com a escola é por meio da agenda. Só que justo nesse final de semana aconteceu o que nunca havia acontecido antes, a agenda dele não veio (no lugar da dele veio a de uma amiguinha). Conhecem a Lei de Murphy né?
Então... aí liguei e falei com a coordenadora que de tão constrangida (para não dizer p... da vida)com o fato da agenda ter vindo trocada, que pareceu não dar muito destaque para o motivo principal de minha ligação. Ouviu, concordou comigo que o nosso trabalho precisa ser em conjunto, e que que se for para tirar a fralda que seja feita totalmente, sem essa de colocar na hora que ele costuma evacuar ou para que ele tire a sonequinha da tarde. Só que quando Arthur chegou em casa as duas fraldas que eu havia mandado (para um caso emergencial) foram usadas. Na saída Adriano perguntou como havia sido esse primeiro dia de desfralde na escola e elas disseram que apenas 01 acidente havia acontecido e que colocaram a fralda somente para ele dormir. Ou seja, foram na contra-mão do que eu havia pedido.
Na terça-feira mandei tudo por escrito, pedindo inclusive que elas me detalhem a cada dia o processo de desfralde no horário escolar. Elas retornaram pedindo mais peças de roupas para o caso de acidentes, mas que ele estava aceitando bem o uso do vaso.
E em casa a gente já percebe o quanto ele está "íntimo" do banheiro. Basta colocá-lo no vaso e o xixi sai em menos de 01 minuto. Assim foi na manhã de segunda e na manhã de terça.
Ontem, quarta feira, eu fiquei em casa. Ele mamou, tirei a noturna e o levei no banheiro. Sentou e fez. Lindinho da mamãe!
Aí fui buscá-lo na escola e a tia Ju, antes que eu abrisse minha boca para perguntar, já veio toda boba me contar que ele havia pedido para ir ao banheiro! Segundo ela, ele a puxou pela blusa e estava com as mãozinhas na direção do pintinho. Ela correu com ele para o banheiro e então ele fez...
Fiquei tão orgulhosa, porque esse era um passo que eu achei que só seria dado depois de mais um tempo. A gente não pode mesmo prever, né?
Hoje não teve aula e então ele foi para minha mãe. Adriano se esqueceu de falar de mais esse progresso para ela e agora a pouco eu liguei e ela disse que aconteceu o acidente. Ele a puxou, ela não sabia o que ele queria, e então ele fez, bem ali na frente dela.
Fiquei triste, sei que um passinho para trás não vai ser legal. Tenho medo de na cabecinha dele funcionar assim: "chamei e não fui atendido... não vou chamar mais!"
Mas, enfim... Terei três dias com ele em casa. Vamos ver o que mais acontece!

Davi

Na terça feira, dia 07/04, nasceu o Davi, filho da minha amiga/irmã/madrinha/afilhada de casamento, Rosana.
E foi tão esperado esse bebê. Uma gravidez tão curtida...
E como eu me orgulho de ter participado ativamente dessa espera.
Veio ao mundo com 49 cm e 3.390 gramas.

Não é a coisa mais fofa do mundo?
Fui visitá-lo no dia que nasceu e tive o "privilégio" de limpar sua primeira grande cagança, motivo pelo qual já fui batizada como a "madrinha da 1ª cagada!" rsrsrs
Voltei ontem para corujar um pouco mais.
Rô, Alê... Parabéns por esse tesouro na vida de vocês.
Que Davi venha abençoado e que só traga alegrias!

segunda-feira, 6 de abril de 2009

O desfralde - primeiro round

Com relação ao desfralde, de tudo o que vocês me disseram, das dicas e opiniões, o fator predominante foi o tempo. O tempo certo dele. Nas palavras da Sandra, minha xará: "...o tempo!! somente ele te responderá quando seu menino estará pronto definitivamente..."
Mas também ficava martelando na minha cabeça a dica da Kika: "Quanto ao desfralde, tire a fralda um dia e nunca mais, isso mesmo, nunca mais a coloque!"
Em base nisso resolvi fazer uma média geral e chegar no "meu" comum acordo, no que eu sei que serei capaz de fazer.
E então, acordei no sábado determinada: deixar a preguiça de lado e fazer a minha parte!
Certeza? A única que eu tinha era que cruzar os braços e esperar que ele se desfralde sozinho é que não aconteceria mesmo!
E também jogar essa responsabilidade para a escola não era justo. E só em eu ter consciência disso já era um passo dado.
Como nesse sábado ele ficaria com minha mãe , pois era dia de eu ir pra loja com Adriano, deixei ela instruída a não colocar fralda, levá-lo ao banheiro de 2 em 2 horas, conversar, e não brigar caso algum acidente acontecesse.
Quando cheguei da loja o relato de minha mãe foi esse:
- Levou-o ao banheiro às 10h e ele não quis fazer. Ela sentou-se ao lado dele, conversou, abriu torneira e nada. Bastou tirá-lo do vaso e no minuto seguinte... o acidente no sofá da sala.
- Almoçou e antes que desse tempo dela levá-lo ele já havia feito o nº1 e mais o nº2. Cuequinha cheia! Tomou banho e foi dormir, sem fralda.
Quando ele acordou, às 16h, eu já estava lá. Levei para o banheiro, conversei de novo, mexi na altura da bexiga, simulei o som do xixi, abri torneira e de repente ele fez! Fiz festa, gritei "parabéns!", ele me ajudou a dar a descarga e demos tchau para o xixi.
Fomos pra casa e por volta das 18h Adriano o levou novamente e sem delongas ele fez. Nova festa, nova descarga, novo tchauzinho para o nº1.
Como tínhamos um casamento para ir, resolvemos não arriscar e então colocamos a fralda.
Ontem, um novo dia de combate.
Assim que ele terminou de mamar tirei a fralda e o levei ao banheiro. Ele fez. Simples assim. Como se já tivesse entendido que lugar de xixi é no vaso.
Coloquei cuequinha e marquei no relógio que antes de 12h teria que levá-lo novamente. Só que aí eu falhei. Comecei a fazer o almoço dele, minha sogra desceu e puxou conversa e dali a pouco vem ele, com a cuequinha molhada. Com raiva de mim mesma por ter dado mole, o peguei no colo falei aquele textinho meio que ensaiado, que eu nem sei se ele entende, mas que eu li em algum lugar que deve ser feito: "puxa... não deu tempo de ir no vaso... não tem problema... da próxima vez você avisa para mamãe, tá bom?... etc etc etc..."
Ele almoçou, tomou suco e antes de dar banho sentei-o no vaso novamente. E novamente fez...
E assim encerrei a operação desfralde do fim de semana, uma vez que dali fomos pra casa da Rô e como ele iria dormir lá, achei sensato colocar a fralda para não urinar na cama alheia... rs
E terminei o final de semana muuuuuito feliz, sabe... com a consciência tranquila de ter feito a minha parte, e de ter terminado o final de semana com um saldo pra lá de positivo. No final da noite orientei o Adriano a mandá-lo hoje para a escola sem fralda e avisar as tias do progresso do final de semana.
O próximo passo é que ele aprenda a pedir... mas aí já é um outro assunto... um outro tempo para o meu pequeno...