,

terça-feira, 28 de agosto de 2007

Fases

A cada dia que passa Arthur fica mais moleque ainda...
No sábado passou a manhã com minha mãe e quando cheguei ele estava solto no quintal, que é totalmente irregular, brincando com meu sobrinho Cauã, 2 anos mais velho. Minha mãe disse que ele já tinha perturbado o cachorro, já tinha sentado no chão do quintal, já tinha caçado e matado formiga, jogado bola, vixe! Tava com a carinha preta! E feliz! Dei banho e após muito brigar (pois queria continuar brincado com os primos), dormiu!
No final da tarde levamos para tomar as gotinhas. Fez cara feia, mas tomou.
A noite fomos pra casa da Rô nos deliciar num rodízio de pizza caseira, nem preciso dizer que Arthur se esbaldou, né? Experimentou todas as pizzas (só dou a massa), mas a paixão da noite foi pelo provolone ralado, que Dinda Jacque apresentou a ele...
No domingo passou a manhã com o pai, que o levou para passear na Tia Belina e no quintal da Tia Bina enquanto eu exercia meu lado doméstica. Nossa! As roupas para lavar não acabam nunca!
Adriano disse que na minha ausência ele correu, ralou joelho, conversou na língua dele, apertou filhote de pato, quis agarrar o papagaio, enfim! Chegou em casa pedindo banho! rs
Por falar em banho tá numa fase deliciosa de encantamento com o chuveiro. Ele fica tão feliz, mas tão feliz quando percebe que está indo para o banho, que parece que está indo pro parque de diversão. Dá até pena de desligar o chuveiro. Ele fica com o chuveirinho na barriga, passa pra boca, joga na cabeça, aponta pro pé... sempre rindo. E olha pra gente e sorri mais ainda! Imaginem o sorriso mais lindo de uma criança... é o dele quando está tomando banho! Mas não o coloque embaixo do chuveiro... a festa é somente com o chuveirinho!
E agora, além dos carrinhos que ele já sabe empurrar de um lado para outro e fazer fricção (tendo ou não), também anda encantado com as bolas. Tem várias. Uma do flamengo que é mais pesada, uma enorme (daquelas de parque), duas de borracha (bem levinhas), duas pequeninas (que ganhou de brinde de festa), um minúscula do homem-aranha que quica horrores (presente da Dinda Jacque) e até uma de Natal (que ele roubou da árvore e está até hoje no cesto de brinquedos). Ama todas! Só não sabe chutar. Mas joga pro alto e sabe que pode jogar pra mim (ou qualquer outra pessoa) que será devolvida. O scrap abaixo mostra bem esse momento.
Agora está passando por um período que eu ainda não descobri o porquê: tem acordado chorando toda madrugada. Um choro sentido, de sair lágrima. Não sei se é dor, se é medo, não sei. E também não sei o que faço para descobrir. Queria mesmo saber, mas como se ele não fala? Tem mais dois dentes nascendo, talvez seja isso. Por coincidência ou não, sempre que acorda a gente passa o nenedent, nina e ele volta a dormir.
Ontem ao sair da escola a tia falou pra minha cunhada: "Nosso príncipe hoje evacuou 05 VEZES! Teve que usar fralda do amigo!" Achamos engraçado, mas por outro lado, será que tem a ver com os dentes também? Enfim... continuaremos observando.

Créditos:
Template and notepaper by Ksharonk @ Artistic Musings / Papéis Vintage Dreams @ Little Dreamer Designs / Fonte Leftovers / Costuras @ Pepeermint Creative / Código de barras @ Christina Renee designs

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

19 meses

Parabéns príncipe!
O scrap de hoje é uma homenagem ao que você significa na vida da mamãe e do papai...
A estrela mais brilhante!
Te amamos filhote! Que Papai do Céu continue te abençoando...

Créditos:
Kit Just star @ Lindsay Jane Designs / Papel - something blue by Ksharonk @ Artistic Musings / Journal paper - Bohemian Collage by retrodiva @ Digital Freebies / cliptag - Snuggles by KsharonK @ Artistic Musings / Alfa - fun @ Free Digital Scrapbooking / Fontes: Bambino e Book Antiqua

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

A festa dos pais

Aconteceu na manhã de ontem, em um sítio pertinho de casa.
Foi uma delícia!
Chegamos cedo e Arthur logo foi reconhecer o local (que por sinal era enorme). De cara minha cunhada presenciou a seguinte pérola: Uma criança acompanhada da mãe passou perto do Arthur e a mãe ao exclamar "Olha filho, que bebê lindo", eis que o menino solta: "É o Arthur, mãe! Ele toma os nossos brinquedos!" kkk - Tivemos que rir!
.

.
O legal desses encontros é você poder vivenciar o que acontece na escola, saber a opinião das outras mães, o convivío do Arthur com os amiguinhos e vice versa. É muito legal ouvir de uma mãe: "Oi Arthur! O Diego fala todo dia de você!" e presenciar o Diego tentando, em vão, agarrar o Arthur para tirar uma foto. Ou o Enzo, que estava aos berros no colo da tia Andrezza, e ao ver Arthur se aproximando, perguntou: "Aqui Enzo, quem é esse?" e ele, no meio dos soluços, "É o *Rartu Eial..." (*Arthur Leal*) pois na classe tem outro Arthur de sobrenome Guedes.
.

Para os maiores, o Arthur é o bonequinho da escola, e eu acho que as tias devem ter um cuidado enorme com ele, pois na hora em que as turminhas se apresentavam, para evitar que Arthur invadisse o palco eu o coloquei sentado no colo de uma menina (do CA) e quando ela o viu em seu colo parecia não acreditar, e com aquela cara de espanto e felicidade chamou a coleguinha que estava sentada um pouco na frente e falou eufórica: "Carol, olha quem tá no meu colo!". Mais que rapidamente a Carol veio pro meu lado e falou: "Tia, deixa eu segurar ele um pouquinho também?" Achei uma graça e fiquei feliz por que ali tive a certeza desse cuidado especial que as tias têm com ele...
Na apresentação dele a música foi "Abalou" da Ivete... Ficou comportadinho no palco... Tá bom, tá bom! Ele não deu um show de dança! Mas também não chorou e nem saiu do palco quando nos viu... Depois a tia de música também preparou uma homenagem e todas as crianças tocaram um instrumento. Arthur começou com um pandeiro e terminou com um tambor... Lindo da mamãe!
.


O Dri babou né? Como pai e como músico.
E o presente foi um porta CD de madeira, em formato de violão, pintado à mão pelo próprio Arthur.
Depois das apresentações os pais seguiram para o futebol. Lá fomos nós torcer. O difícil foi segurar as crianças e impedí-los de entrar no campo. Por sorte uma mãe abençoada levou uma sacola de brinquedos de praia e achamos um cantinho com areia para as crianças. Arthur se esbaldou, óbvio! Aliás eu não sei da onde surgiu esse fascínio em brincar na areia. As tias disseram que o local preferido da escola é o parquinho de areia. Em toda e qualquer oportunidade eles "fogem" para lá. rs
E enquanto as crianças brincavam, as mães tricotavam. Muito bom ouvir sobre as outras crianças, discutir opiniões, falar das mesmas coisas, compartilhar as mesmas dúvidas...
Papai Dri fez um gol (que eu não vi porque estava de olho no Arthur...) e também ganhou na competição de nado embaixo d'água. Literalmente se esbaldou e foi mais do que merecido, já que a festa era dele.


Enquanto os pais jogavam (o Dri é o do centro), as crias tentavam se enterrar na areia

Após um banho para retirar toda aquela areia, uma pose para registrar o quanto tivemos uma manhã feliz!

Serviu como continuação do nosso 10º aniversário de namoro, que aconteceu na última quinta-feira (16 de agosto). Na verdade eu deveria ter feito um post exclusivo, contando que ganhei um buquê lindo e que saímos para jantar (à três), mas que como agora existe uma pessoinha entre nós dois, a saída para jantar fora foi diversão mais para o pequeno do que para nós dois... Por que? Ah! Porque no restaurante tinha um parquinho, e logo que chegamos Arthur descobriu. Adivinhe onde ficamos o jantar inteiro? Pois é. No parque! Mas como alguém tinha que ficar na mesa, a comemoração foi assim, revesando. Ora ele e Arthur no parque, e eu na mesa, ora eu e Arthur no parque, e ele na mesa. Hahahaha! Nada de jantar romântico! Mas sem traumas, já que foi exatamente o que pedi: uma família feliz!

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

O dia dos pais

Por aqui tudo na paz...
Arthur está 99%. Ainda está roncando ao dormir, mas acho que isso já é crônico devido a alergia. A propósito, precisamos levá-lo ao homeopata para dar continuidade ao tratamento. Cadê o tempo?
Está uma graça. A cada dia mais apaixonado pela Xuxa. É capaz de reconhecê-la na TV, na capa do DVD, no portalX (no computador), enfim... basta vê-la para soltar a sua gargalhada mais gostosa... E meu ciúme já viu né? rs
Domingo acordamos cedo para entregar o presente do papai. Coloquei na sua cabeça um boné que comprei pro Dri todo bordado com dizeres de Papai te amo, meu herói, 100%, etc, e na sua mão o embrulho com o tênis (o presente oficial). Segurei na sua mão e o levei até o pai, que já estava acordado na sala. Ficou todo feliz!
A festa da escola será no próximo domingo em um sítio, e terá café da manhã, futebol com os pais e banho de piscina. Promete!
Sobre o dia dos pais, tudo tranquilo. Ficamos em casa. A família se juntou e fez churrasco.
No post de baixo, eu mostro o único motivo que fez com que o dia não fosse perfeito, aliás, eu acho que nunca mais será... nem perfeito, nem completo...
Voltando ao pequeno:
Arthur está numa fase de dormir bastante após o almoço. Não sei se é o quartinho escuro, o silêncio (pois na escola são várias crianças dormindo juntas) ou se o cansaço. O fato é que ele toma banho, almoça e dorme... muito! No domingo foi de 13:00h às 16:30h. No sábado, de 12:00h às 15:40h. Para mim está sendo ótimo, pois na parte da manhã posso ficar com ele sem culpa, sem pensar na roupa para colocar na máquina, na cama para arrumar, na louça para lavar. Só preciso me preocupar com o almoço, pois o resto faço no tempo que ele dorme, e ainda sobra tempo para assistir algo que não seja Xuxa ou Discovery Kids. Essa fase tá uma delícia.
Ah! Faz alguns dias que ele entrou numa de "mamamamamama"... será que agora sai o "mamãe". Já tá na hora né?

Sobre o meu pai

Para mim, dia dos pais tem sempre uma pitada de melancolia. De pensar no meu pai, das coisas que não vamos mais compartilhar, das coisas que eu nunca disse, das divergências que não mais existirão, do orgulho que ele não vai ter dos netos, enfim...
Meu pai era pernambucano. Na infância sofreu paralisia infantil e tinha limitações para fazer quase tudo. Puxava da perna, mas andava normalmente. Na verdade a paralisia só começou a prejudicar quando foi ficando mais velho, e a barriga cresceu... rs A mesma barriga que servia de colchão na minha infância. Como eu pulava nela... rs
Eu era apaixonada pelo meu pai. Lembro perfeitamente quando ele apontava no final da rua e eu ia correndo na direção dele. Sempre tinha um saquinho pardo com um monte de balas. Todo domingo era eu a responsável em comprar a coca-cola no bar da esquina, e também eram minhas as moedas que sobravam. Todo aniversário era comemorado com o bolo que ele trazia da Padaria do Fernando, no Catete, onde ele tinha a barraquinha de camelô. Todas as crianças iam chegando, e o bolo só chegava praticamente na hora de cantarmos os parabéns... E era só o bolo! Nada de salgadinhos, cachorro-quente, pipoca, nada disso... era bolo e guaraná, só! E ainda assim a gente ficava tão feliz!
Eu fui uma criança extremamente feliz! Dentro de todas as dificuldades financeiras, nunca nos faltou nada. Tenho até hoje guardada a única boneca de valor que meu pai pôde me dar, uma barbie ciclista. Tá lá na minha mãe, guardada como um tesouro...
Sabe, meu pai não foi o melhor pai do mundo. Ele não foi o meu herói. Ele nem foi tão meu amigo assim... Mas eu guardo um orgulho danado dele! Por todas as dificuldades que ele atravessou para nos dar o mínimo de conforto, e por ter conseguido nos educar para sermos "alguém na vida", como ele dizia, embora tenha usado caminhos meio tortos, na minha opinião.
Quando eu cresci, a gente passou a entrar em atrito por tudo. Ele tinha um gênio forte, muito forte, e para ele quando algo era "não" era "não" e ponto! E eu, geniosa (puxei a quem, hein?) sempre contra-argumentava, queria que ele me desse motivos concretos ao invés de simplesmente proibir alguma coisa, dizia que se não era feliz a culpa era dele. Que se um namorado me abandonava a culpa era dele também.
Por ser menina e ainda por cima a caçula, eu era a princesa dele. E ele realmente se pudesse, me colocaria numa redoma. No auge de minha adolescência, isso era motivo de revolta, porque ele simplesmente queria escolher as minhas companhias. Dizia: "Fulana não serve para ser sua amiga", "Filha minha (nossa, como eu detestava aquele tom!) não vai fazer isso, não vai fazer aquilo.." e outras coisas que me machucaram tanto...
Chegava a proibir meu contato com meninos porque "menina tem que andar com menina" e isso era um problema, porque chegou uma época em que os trabalhos escolares eram imprescindíveis e eu nunca podia levar o grupo para minha casa, porque meu pai seria capaz de expulsar o pobre do menino que estivesse no meu grupo.
Eu achava que tinha todos os motivos para me rebelar. Muitas foram as vezes que pensei em fugir de casa, ou de arranjar um namorado para engravidar e esfregar um "você não pode me segurar" na cara dele. Não fiz pela minha mãe, confesso! Porque ela sim era minha companheira. Quando eu queria sair com minhas amigas ela sempre segurava o rojão, inventava estórias pro meu pai, e no fim eu não achava justo com ela, que sempre depositou total confiança em mim. Ela sim foi sábia! Soube trabalhar minha "aborrecência" direitinho...
Sabem que o tempo passou e todas aquelas meninas cujas companhias não serviam para mim foram engravidando ainda adolescentes, se prostituindo, levando realmente uma vida que era exatamente a que meu pai dizia, e eu não acreditava? Uma delas foi presa... E a cada coisa que a gente ia descobrindo o meu pai só me olhava, mas não jogava na minha cara um "viu só onde você queria se meter?" Não faço disso motivo para dizer que meu pai era um santo. Não, não era. Eu ainda acho que muito do que ele fez foi desnecessário. Mas de tudo o que passou, e depois de ter crescido e amadurecido, eu vejo que meu pai quis tudo, menos o meu mal.
Não soube se colocar, talvez. E talvez eu mesma não tenha sabido compreender algumas coisas.
O fato é que ele me amava e eu pude ver isso em seus olhos sempre que eu alcancei algum degrau. Foi assim quando comecei a trabalhar e conquistei o 1º salário. Quando me formei. Quando me casei. E até hoje eu imagino aquele olhar, a cada vitória que tenho na vida.
Infelizmente não teve tempo de conhecer o neto que lhe dei... embora eu saiba que a presença dele é constante lá em casa... rs (assunto para outro post)
Infelizmente existe muita gente na vida que acha que pode arrancar a vida de outro por nada. Ou quase nada, se eu levar em conta o motivo imbecil que fez com que ele fosse assassinado.
Se eu pudesse imaginar, de longe que fosse, que a vida dele naquele momento estava valendo R$600,00 (acho até que era menos que isso), eu mesma dava esse dinheiro para ele.
Mas deixemos isso pra lá. Nada vai trazê-lo de volta... nada!
Fico daqui, pedindo humildemente que Deus lhe tenha concedido um bom lugar. E que de onde ele esteja, continue olhando por todos nós.
Pai, eu amo você! E embora eu lamente não ter te dito isso em vida, eu sei que você já sabe...

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

Atualizando...

O resfriado
Bebê está melhor, graças a Deus!
Na quarta feira ligaram da escola pedindo que alguém o levasse para personalizar o presente do pai. Beth levou. Não sabemos o que ele fez, mas veio com a prova do crime na camiseta (uma mancha de tinta azul) rs.
Ontem retornou em definitivo. Eu achei que por ter ficado 05 dias em casa não quisesse sair do colo do pai, mas me enganei, ficou numa boa.
Continua tomando os medicamentos e ainda estamos lavando seus olhinhos com água boricada. A nebulização só está sendo feita à noite, e está dormindo bem melhor, embora a tosse ainda não tenha ido embora definitivamente.
O apetite diminuiu. Não quer saber de almoço e janta como antes. Por outro lado continua aceitando muito bem as mamadeiras, vitaminas e sucos diversos.
Tem um detalhe que estou levando mais em consideração: minha casa é muito úmida e provavelmente Arthur é tão alérgico quanto eu. Por mais que seja tratado da alergia, nunca vai se curar, a não ser que eu me mude, já que nossa casa fica fechada a semana inteira.
Lembram da casa dos meus sonhos... enorme... com um quintal enorme, e muito vento correndo já que tem muitas árvores? Isso! A casa dos meus sonhos, lembram? Agora tenho um motivo mais forte para sonhar ainda mais com ela... Preciso dessa casa para a saúde do meu bebê!
Espero que na 2ª feira ele já esteja 100%.
.
A Reunião Escolar
Foi a segunda da escola, mas a minha primeira, já que Arthur entrou no meio do Ano Letivo.
Fomos os três: eu, Dri e Arthur. No início ele ficou na sala conosco, depois a tia Jô (que é apaixonada por ele) o levou para o parquinho.
Foi feita uma dinâmica em grupo onde o destaque era da importância de se trabalhar em equipe. O que as tias quiseram nos dizer foi o seguinte: O trabalho delas depende do nosso. Tudo o que elas desenvolvem em sala de aula precisa de uma continuação em casa. A metodologia da escola trabalha com as regras e da imposição de limites da seguinte forma: Nunca dizendo para a criança: "Isso não pode!" e sim "Isso não é legal!" "Você pode se machucar!" e até deixam que ela corra o risco (com a fiscalização delas, claro!) para que elas entendam até onde podem ir ou não. Destacaram a importância do brincar, de como elas amadurecem brincando. De como um simples movimento de empurrar um carrinho para lá e para cá, ou o de jogar uma bola pro alto são importante para o seu desenvolvimento. Pediu que tivéssemos mais tempo qualitativo ao invés de quantitativo. Meia hora em que a gente se sente com eles no chão de casa para fazer o que eles quiserem vai ser muito mais importante do que 03 horas num parque de shopping. Pediu que contemos estórias, que criemos teatrinhos, que incentivemos o mundo do faz-de-conta. Enfim! Foi uma palestra muito legal.
Depois pudemos falar de nossos filhos de forma individual e ouvir das outras mães experiências e dúvidas semelhantes às minhas.
No final recebemos o relatório com a avaliação do bimestre, para tomarmos ciência e devolver. Segue a do Arthur:
.
A Avaliação Bimestral
Eles utilizam as seguintes legendas:
S - Sim
N - Não
ED - Em desenvolvimento
NT - Não trabalhado no bimestre
.
Linguagem Oral (organização de idéias e pensamentos)
- Repete palavras e sons emitidos anteriormente: ED
- Relata fatos já acontecidos: N
- Pronuncia corretamente as palavras: N
- Reconhece e nomeia pessoas de seu convívio: N
.
Linguagem Escrita (coordenação motora)
- Utiliza giz de cera, cola colorida e tinta como meio de comunicação escrita: S
.
Matemática (Noções de cor, tamanho, formas geométricas e números)
- Não trabalhado no bimestre
.
Natureza e Sociedade (Corpo humano/Datas comemorativas)
- Desenvolve movimentos corporais: S
- Reconhece as partes do corpo: N
- Nomeia as partes do corpo: N
- Participa, ativamente, das datas comemorativas: S
.
Artes Visuais (coordenação motora e criatividade)
- Amassa e rasga papéis: ED
- Interessa-se por atividades com giz de cera, cola colorida e tinta: S
.
Educação Física (desenvolvimento psicomotor)
- Corre: NT
- Controla seu movimento corporal seguindo trilhas simples: NT
- Segura objetos de uso diário: ED
.
Iniciação Musical (sons e ritmos)
- Localiza a direção dos sons: ED
- Executa movimentos próprios de acordo com o ritmos da música: ED
.
Atitudes gerais:
- Entra na escola com tranquilidade: S
- Relaciona-se bem com a professora: S
- Aceita os limites da rotina escolar: ED
- Participa das atividades livres: ED
- Participa das atividades dirigidas: ED
- Aceita, com facilidade, as situações novas: ED
- Apresenta reações de medo: N
- Relaciona-se bem com os amigos: ED
- Divide seu material ou objetos pessoais: ED
- Apresenta reações de choro diante de determinadas situações: S
- Atende às solicitações das professoras: N
.
Dia dos Pais.
E, para finalizar, a minha homenagem a todos os pais.
Em especial ao Dri, que se mostra um pai melhor a cada dia, e que na hora do aperto, acaba sendo o meu pai também. E ao meu paizinho de verdade, que embora não esteja mais entre nós, está num lugar de luz, olhando por todos nós!

Créditos:

Papel Poppy by Retrodiva @ Digital Freebies/Stitched-Frame @ ScrapArtist/Frame by Leah Riordan @ Oscraps/Coração costura @ Scrapkut/Fonte BlackJack

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

Resfriado, mais uma vez.

Sinceramente já não sei mais o que fazer....
Na última consulta (20/07) ele estava resfriado e tomou por 01 semana o decongex plus. Somente 01 semana se passou e mais uma vez ele está resfriado, ou melhor, nem sei se o resfriado chegou a ir embora. Esse tempo louco, dia faz frio, dia faz calor, e a criança não se recupera...
(Re)iniciou na sexta (03/08) e parece que veio mais forte, seguido de tosse seca e de inflamação nos olhos. Quando cheguei em casa à noite, tinha recado da escola de que havia passado o dia amuado, e seus olhinhos estavam feios, inchados, com secreção. Fizemos nebulização e retornamos com o Decongex, já que a pediatra havia dito que não tinha problema o pequeno espaço entre uma série e outra. E para os olhinhos administramos água boricada.
No sábado de manhã suas pálpebras estavam coladas e para conseguir abrir tivemos que dar boas jateadas da água boricada. Tadinho... Depois fomos para a reunião da escola* e o levamos junto. Embora tenha tido uma noite agitada (com o nariz entupido, tosse seca - que só melhorou após uma colher de mel e nebulização às 3:00 da manhã) brincou pra caramba no parquinho e como durante o resto do dia ele ficou relativamente bem, acabei não ligando para a pediatra.
Na madrugada de domingo sua noite não foi diferente. Tossiu à bessa, roncou, fizemos nebulização, demos o mel, mas o olhinho não amanheceu tão colado. Ainda assim continuei lavando com a água boricada, e fazendo todos os demais procedimentos. O dia passou e eu novamente não liguei para a pediatra.
À noite fomos na festinha do Ígor, filho da Pati, e ele ficou encantado com o tema: Um mundo bem grandão. Curtiu pra caramba, brincou jogando balão de gás para o alto (este inclusive foi roubado de uma outra criança - Pronto! Começou a me matar de vergonha!), e se não fosse pelo nariz escorrendo e a secreção nos olhos, ninguém diria que ele está doentinho.
Dormiu um pouco melhor, sem necessidade da nebulização, mas acordou novamente com as pálpebras coladas. Adriano me ligou e achamos por bem não levá-lo à escola, sem saber se a secreção é realmente do resfriado ou não. E se for conjuntivite? Sacanagem expor a outras crianças...
Dri o deixou na minha mãe e já liguei 47 vezes... está bem, brincando, comendo direitinho...
Liguei para Dra. Mônica e expliquei tudo. Ela quis saber se teve febre, se a tosse era seca ou não, desde quando, esses detalhes. Por fim disse que estamos fazendo os procedimentos certos: água boricada, nebulização, decongex e até o mel a gente pode continuar dando... mas disse para aplicar a água boricada de hora em hora, independente de estar com secreção ou não. E também receitou o Seki gotas para administrar 10 gts 02 vezes ao dia, por 05 dias, para controlar a tosse. Quanto ao meu questionamento de que o Decongex não está mais fazendo efeito ela disse que está sim, é que o efeito só vai aparecer a partir do 3º dia, ou seja, hoje (quero ver!).
Com relação à secreção no olho ela falou que pode ser uma conjuntivite viral, que é um dos sintomas do resfriado, e na opinião dela agimos certo em não levá-lo à escola pelo menos até amanhã. Não por ser ou não ser contagioso, mas porque ele precisa mesmo de repouso.
Administraremos a partir de hoje o tal do Seki e espero realmente que ele amanhã esteja melhor...
.
* Amanhã volto para falar da reunião escolar que aconteceu no sábado (04/08).

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

O álbum!


Conforme prometido, aí está meu presente.
Meninas do Scrapblog, segue aqui todo o meu carinho, em especial a Carla, que me deu atenção do início ao fim: muitíssimo obrigada!
E agora que não tenho mais a desculpa de não ter onde colocar meus scraps, vou ter que revelar as páginas que já fiz, e conforme minha outra promessa, vou mostrar para vocês.
Vou montar na ordem do desenvolvimento do pequeno, e o primeiro é esse aí, que celebra o seu nascimento.
Para que vocês entendam, essa música se chama "Iluminado" - do Vander Lee, e foi a música que eu mais cantei enquanto grávida. Lembro-me da 1ª vez em que a ouvi, estava voltando pra casa de Van e chovia pra caramba... Estava naquela fase de chorar por propaganda de sabão em pó, sabem? Então imaginem... quando eu consegui entender a letra da música, caí no berreiro! E pensava... Meu Deus! É a música que queria ter feito para meu filho!
No dia seguinte baixei na net, e a ouvia quase que diariamente. Quando Arthur nasceu passei a cantar para embalar seu sono, mas não conseguia, porque aí eu chorava mais ainda. Como já não sou afinada com a voz normal, imagina com voz de choro... a criança não ia conseguir dormir! Aí achei mais fácil passar a cantar a música da borboletinha mesmo, que não precisa de afinação (e que ele adora!) e essa aí passou a ser a música dedicatória, somente.


Créditos:

Kit someting blue by Ksharonk @ Artistic Musings
Laço by Retrodiva @ Digital Freebies
Fontes ChopinScript, Georgia, Adorable, Arial, ChopinScript, LaurenScript, Scriptina, RomanScrD, Dweebo Gothic, BrockScript, Murphy Script, Freebooter Script e Harlow Solid Italic.