,

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Natal

Fomos à Missa na noite de Natal e Arthur foi um dos anjos no cortejo que levou o Menino Jesus para o presépio. Comportado que só enquanto aguardava. Quando mandaram ele entrar, lá foi ele com pressa sem olhar para trás. rs

[Hellen, Arthur e Maria Vitória]
De lá fomos pra minha mãe e depois fomos ceiar na casa da sogra.  
Papai Noel passou e deixou muitos presentes para o pequenino.
Orientado pela Deidei e pelo Doudou (padrinhos do Arthur) ele trouxe os bonecos do Toy Story, Woody e Buzz, respectivamente. Na casa da vovó ele também deixou o Sr. Batata. Na casa da tia Berna ele deixou um mini projetor do Toy Story e mais uma toalha do Woody. Na nossa própria árvore tinha um super trunfo (que ele chama de cartinhas) também do Toy Story. Na vovó Belina tinha um acquaplay do Buzz e meu chefe levou o que o bom velhinho também deixou em sua árvore, um jogo de memória que tinha como personagens quem, quem? A turma do Toy Story. Ou seja, esse Natal foi uma verdadeira overdose de Toy Story. Hahaha.
Além desses itens também vieram roupas, meias e cuecas, e ele foi a sensação na casa da Vovó Belina ao gritar, eufórico, quando abriu o primeiro presente: "Uau! Cuecas! Que legal!" rs
Repararam na falta de fotos, né? Minha máquina morreu! E tentando achar o cabo do celular para baixar as poucas fotos que consegui. Aff.
Acho que não volto mais aqui em 2010.
Fiquem então com meus votos de um excelente 2011! Que ele venha cheio de paz, muita saúde para todos nós e muito amor também! O resto… o resto a gente corre atrás, não é mesmo?

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Natação - a primeira apresentação

Na escolinha de natação eles não fazem competições entre as crianças. E eu achei esse um ponto muito positivo quando matriculei Arthur lá.
Quando ele passou das aulas individuais para a turminha não houve nenhum cerimonial para isso, tipo a troca da faixa no judô ou a troca de corda na capoeira. Éramos só eu e o pai celebrando o "momento".  Comemorando com ele essa (na nossa opinião) ENORME conquista.
Mas aí fomos convidados a participar da apresentação de fim de ano.
Sem saber muito bem o que aconteceria, lá fomos nós: eu, Dri, minha sogra e ele. E que surpresa boa! Primeiro descobrir que tantos amigos da escola também fazem natação ali.
Segundo que fomos muito bem recebidos pelas tias e pela dona da escola, como se realmente fosse um prazer estar dividindo conosco esse ano.
E por fim, por que cada criança é chamada no microfone como profissionais, e são aplaudidas uma a uma como vencedores: " E na raia 3, Arthur!" "Uma salva de palmas!"
E que felicidade a dele! Ao encontrar o Tio Paulinho, ao ser (finalmente) chamado, ao ser aplaudido, e no final disso tudo ainda ganhar medalha e diploma!   

Todas as fotos aqui.

Apresentação de fim de ano

Aconteceu na última sexta feira.
Nem preciso dizer que ele arrasou né?
Na verdade ele já havia se apresentado para a família inteira. Bastava perguntar qual a música ele ia dançar na escola e ele imediatamente iniciava a coreografia.
#Arrasou.com.br
É ou não é para morrer de orgulho?
No final das apresentações teve a chegada de Papai Noel. Muito bom ver como a cada ano ele curte mais a chegada do bom velhinho. Enquanto Noel ia chamando as crianças para entregar para cada uma delas seu presente, meu pequeno não cabia em si tamanha ansiedade. E a excitação quando chamou seu nome? Muito legal!  
Todas as fotos aqui.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Curtinhas

Ontem eu perguntei pro pequeno, sem a menor pretensão de receber a resposta:
- Arthur, qual a música que você vai dançar na festa da escola?
E ele, inacreditavelmente, parou tudo o que fazia, e iniciou a coreografia de "Palavrinhas Mágicas" da Xuxa.
Não só dançou, como cantou! 497 vezes para mim e mais 356 vezes para as tias.
"Pode começar?" ele dizia ao início de cada apresentação.
#morrodeorgulho
***
Também ontem, deitados, curtindo a fresca após o banho recém tomado. Ele vira para mim com algo entre os dedos e diz:
- Meleca, mamãe!
E eu, se acreditar no que vejo e ouço, respondo:
- Ai que nojo! (escondendo dele a gargalhada que não consegui evitar...)
Dois minutos depois, ele de novo:
- Meleca, mamãe! Huuum, que nojo!
Toda criança passa por isso, né? E depois passa, né?
#dizquepassa

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

A semana que passou

No sábado passado, 04/12, o Atelier da Vovó promoveu seu 1º Bazar Natalino.
Os dias que antecederam o evento foram tensos, de muita correria. Eu trabalhei com dedicação durante vários finais de semana e durante todas as noites de novembro, para que tivesse material suficiente para expor.
E esse foi um dos motivos de minha ausência aqui, como vocês devem ter percebido.
Tanto esforço deveria trazer bons resultados e graças ao bom Deus trouxe, viu? rs 
Deu tudo certo... e valeu muito a pena.
Maaaas... (sempre tem um porém, né?)
Eu comecei a sentir que vinha um novo abscesso na minha axila. Um não, dois!  Mas não dei a mínima para eles. Não tinha tempo pra isso...
Resultado: No domingo eles já estavam enormes e eu só comecei a usar o medicamento na segunda-feira a noite, depois de um dia sofrido de dor.
Enfim, não consegui vir trabalhar nem na terça, nem na quarta e vendo que eles não estavam cedendo aos medicamentos me enchi de coragem e fui ao médico na quinta. Já sabendo o veredicto do médico (que tinha cara de louco): "Vamos ter que drenar!"
Resumindo: Dor! Muita dor! E um alívio total na finalização do procedimento.
Uma hora depois eu já não me lembrava de dor nenhuma, tamanho alívio com a drenagem...
Com isso, pude acompanhar mais um avanço na vida de meu pequeno que na semana retrasada deu adeus às aulas individuais de natação e na última terça iniciou na primeira turma. São quatro crianças: três meninas e ele, o único menino. Todas as amigas maiores que ele.
Assim que chegamos elas já estavam lá, agarradas no Tio Paulinho (ele realmente tem doce... todas elas loucas por ele, assim como Arthur, rsrsrs).
Achei bonitinho que assim que chegamos o Tio Paulinho mostrou o Arthur e todas elas: "É ele o amiguinho novo, tio?" Achei carinhoso da parte dele já ter preparado as meninas de que um novo integrante faria parte da "equipe" e no final da aula ele fez uma roda na piscina para que todas fizessem perguntas pro Arthur. Do lado de fora eu só via meu menino falando o nome e mostrando os 4 dedos (a idade dele).   
Tãããão fofo... Não é que o danado está nadando direitinho?! Executa todos os comandos solicitados pelos tios (além do Tio Paulinho tem mais três, ou seja, um instrutor para cada criança) e a alegria dele dentro d'água é contagiante. "Céus! Por que ele não está mais tempo na natação?" era só o que eu conseguia me perguntar. Porque não é que ele goste da natação... ele é loucamente apaixonado! E assim... nem é tão caro o quanto eu pensava que era... enfim! Há males que vem para o bem (porque eu só coloquei na natação por recomendações médicas) e ainda que a taxa de triglicerídeos normalize ele vai continuar nadando.
Pena eu não poder estar lá constantemente como as outras mães! Enfim... foram duas tardes deliciosas e tentarei dar fugidas esporádicas para vivenciar isso mais vezes.
Outra coisa que aconteceu de marcante também foi na festa que fomos no sábado, da prima Maria Clara.
Pela primeira vez Arthur participou das brincadeiras do animador sozinho, sem a nossa interferência.
Dançou, copiou coreografia, realizou comandos solicitados.
Parece bobinho né? Mas até então ele não participava. Ficava agarrado comigo (ou com o pai) e só fazia qualquer comando se a gente incentivasse.
Também está totalmente familiarizado com a bicicleta. Aprendeu a fazer curvas e já não fica pedindo pra gente empurrá-lo ou ajudá-lo nas manobras. Bonitinho ouvi-lo: "Pega minha biciqueta". Ontem voltamos da casa da tia Bina e ele veio na sua bicicleta pedalando nas calçadas esburacadas.
Tá um molequinho, literalmente.
Ah sim! Eu pedi para ele desenhar o sol e quando vi estava e-s-c-r-i-t-o, corretamente! Pedi para escrever lua e ele também escreveu. Também pedi Bia e também saiu, direitinho. Fiquei com medo de pedir mais...
Fui soletrando e ele escreveu todo o alfabeto, direitinho. Depois soletrei mamãe Sandra, papai Adriano e vovó Maria. E de novo, ele escreveu corretamente.
Ai ai... medo de descobrir até onde ele é capaz de ir... rs

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Consulta pediatra

Aconteceu ontem.
Pela primeira vez não precisamos segurá-lo para Dra. Mônica examinar sua garganta e seus ouvidos. Ela conseguiu convencê-lo só no papo. Também foi sozinho para balança e quando ela pediu que ele ficasse retinho, ele não só ficou, como esticou todo o pescoço e ainda ficou nas pontas dos pés. Figurinha!
Ela ficou encantada com o desenvolvimento de dois meses para cá e elogiou que tenhamos mantido as duas fonos e ressaltou que com certeza isso tem ajudado nesse avanço.
Com relação às perebas que ele não deixa cicatrizar e tá sempre metendo a unha (mesmo quando não tem pois a gente corta dia sim e no outro também) ela falou que não existe cicatrizante instantâneo e que a gente vai ter mesmo que aprender a conviver com isso. "Lembra que quando criança vocês também tiravam casquinhas de ferimentos?" E não é que é verdade? E eu me lembro perfeitamente de como a minha mãe brigava comigo... rsrsrsrs 
Com relação ao pigarro, o da manhã é pelo fato de ser alérgico e durante o dia é mais por cacoete mesmo. E disse que quanto mais a gente chamar atenção, mais ele vai fazer. Segundo ela a técnica é ignorar.
Passou a farinha de amaranto para intercalar com a de linhaça, pois as pesquisas têm mostrado a eficiência dela na redução de colesterol.
E, após minha insistência, passou guia de exame de sangue para ele fazer na semana anterior à próxima consulta, em janeiro.
Continua com o Nutrifan (5 ml 1x ao dia) e o nasonex também 1x ao dia.
Sua PA mediu 90x60 mm/Hg.
Pesou 14.500 kg (aumentou 400 g) e mediu 102 cm (cresceu 1 cm).
Tá crescendo meu moleque.

Diversas e variadas

Eu tenho sentido falta de vir aqui e contar novidades, é verdade.
Mas é que todo dia tem uma coisinha nova, uma conquista, um degrau alcançado e eu não consigo vir aqui para contar. Quando consigo, já não me lembro mais o que queria dizer e o que era novidade deixou de ser.
Enfim...
Arthur vai ótimo! Ontem estava fazendo uma coreografia engraçadíssima no estilo do "passo do elefantinho", sabe? Só não consegui identificar que música era aquela que ele estava cantando.
Está fissurado por uma revista Natura que a dindinha Jacque deixou lá em casa. Passa folha por folha contando quantos cremes tem em cada página, quantos sabonetes, identificando protetores solares e até reconhecendo fragrâncias: Kaiak, Natura Homem, Óleo Séve... Bonitinho ele falar: "Nossa! Quantos batons!" assim mesmo, no plural.
A tia da escola passou pro Adriano o seu toque de celular, que segundo ela Arthur adora... Eu nem conhecia a música, ou melhor, a batida, uma tal de "Panamericano" alguém conhece? O refrão é mais ou menos assim: "pan panamericanoooo" e ele canta "papai americanooooooo", muito engraçado!
Anda numa cisma com nossos sapatos e chinelos. Tira o dele para colocar o nosso. E o dele ele já é capaz de colocar sozinho também.
Estou treinando para que ele tire e coloque sua roupa, mas é muito afobado e sobe o short com o elástico todo enrolado.
Depois de um período curtindo XSPB 10 e Galinha Pintadinha 1 e 2, voltou para a fase de Aline Barros 2.
Como ele vai pra casa da minha mãe pela manhã, já não toma seu suco em casa. Chega lá e vai direto na geladeira pegar seu pão integral e pedir pra minha mãe fazer: "Pão quente com requeijão". É que minha mãe faz o pão no grill e qualquer coisa que ele coloque, seja requeijão, ou queijo branco, ou margarinha light para ele é requeijão.
Após o pão, come uma banana. Virou hábito, segundo minha mãe.
Também é hábito tomar um iogurte após o almoço.
No último final de semana descobriu a farinha láctea que ele carinhosamente apelidou de leite.Tentei colocar o leite e ele recusou. Quer pura. Seca. Aff!
Aliás o último final de semana foi bem nosso. Adriano viajou e ficamos os dois em casa. Dormimos juntos na minha cama, ô delicia, viu? Que ele não me ouça porque isso não pode virar uma rotina, mas que foi muito gostoso, foi.    
Por falar em Adriano, também preciso contar que tiramos um dia para irmos ao cinema sozinhos. Já tínhamos ido ver "Nosso Lar" algumas semanas atrás. E na semana passada assistimos "Tropa de Elite 2". Muito bom voltar a fazer programinha a dois. Claro que é sair do cinema e correr de volta pra casa pros braços do molequinho, mas de qualquer forma, não deixa de ser um começo.
Que mais? Que mais?
Ah! Sim! Lembram do sonho de ter (cof cof) meu atelier (ou beco de craftices)? Então... 
No sábado fui a um brexó de móveis usados e adquiri minha mesa e minha cadeira super confortável a um precinho justo. Aproveitei o feriado e encapei a frente dos dois gaveteiros pretos com tecidos fofos.
E, ainda na semana passada, fechei meus olhos e adquiri minha minifofasuperfashion máquina de costura.
Como não sei costurar e não sei até onde vai minha loucura em aprender (rsrsrs), optei pelo modelo mais simples e barato. É uma Janome sew mini. Mini mesmo. Uma bebê. Linda de morrer! :)
Chegou ontem e estou completamente apaixonada...

[minha caçula...] 
.
Quando eu costurar minha primeira peça eu faço minhas considerações sobre ela, ok?      

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

A estreia no circo

Tá. Não foi no circo dos sonhos. Na verdade eu bem que queria que a estreia fosse em um circo grandão, bem famoso, mas... quem não tem cão, caça com gato, né? rs
Na sexta-feira veio na agenda um cupom desconto para o Big Brother Cirkus. De quebra uma apresentação dos Backyardigans. Cover, claro! Mas e daí? Se tá no pacote, lá vamos nós!

Precinho salgado, é verdade. Muito apelo para o lado coemrcial. Uma bolinha de plástico com um lastex pendurado por R$3,00. Achei o fim... De qualquer forma o espetáculo em si valeu o investimento. E a apresentação até que foi longa. Muito malabarismo, acobracia, palhaços... só senti falta de um mágico. Mas enfim... foi bom de qualquer forma.
Arthur estava mais preocupado com a pipoca e o refrigerante, é verdade. Na hora que o apresentador pedia palmas ele até que não negava, mas o entusiaaaaasmo mesmo não vinha. Não sei se o fato de ter chegado lá dormindo ajudou o desânimo.
De qualquer forma, bastou anunciarem os Backyardigans e a criança se transformou. Esticou o pescoço e apertava minha mão tamanha excitação ao ver os bonecos coloridos no palco.
Eles representaram o episódio A Grande Corrida (que Arthur quando menor assistiu inúmeras vezes - e eu também... rs): 
Austin vai correr pela primeira vez na grande Corrida ao Redor do Mundo. Ele então descobre que vai competir com o campeão de corrida Pablo, campeão de Snowboard Tyrone e campeã de Kaiak Uniqua. Dada a largada, eles precisam saltar obstáculos, descer uma montanha de snowboard, cruzar o oceano de Kaiak, atravessar um deserto escaldante e cruzar a linha de chegada para ganhar. Quem ganhará a corrida? Enquanto isso, Austin, porém, ele está muito bem preparado.
Músicas:  Hoje é o Dia / Agora eu Vou, Vou, Vou / É de Congelar/ Lamento do Austin
Não poderia ser melhor! O fato dele já conhecer a historia fez com que ele vibrasse muito a cada entrada de cena
Enfim! Acho que no ponto de vista dele, o programa começou meio morno, mas terminou num êxtase de dar gosto a quem estava ao seu lado. Ponto pra gente!

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Se ele fosse um peixinho...

Na festa das crianças promovida pela escola ele ganhou de brinde um peixinho que nada a base de corda. Como seria sacanagem esperar até o verão para ele inaugurar o peixinho na piscina de casa, eu liberei ele pra brincar na área de serviço com uma bacia beeeem grande cheia de água, do jeitinho que ele gosta...
Esse peixinho não deve ter sido mais que R$1,99, mas ele curtiu horrores!
Faça ideia de como ficou essa roupa no final da brincadeira... 

terça-feira, 26 de outubro de 2010

O que não tem nome

No meu caso, seria: "O que não tem nome e me deixa muda".
Quando a gente entra nesse mundo de blog é inevitável entrar em contato com histórias tristes. Quem não se lembra do caso Vini?
Há alguns meses atrás eu conheci a história do Theo, de Vila Velha. E de longe acompanhei toda a tragetória de mais esse pequeno guerreiro. 
E diariamente entrava no seu blog para acompanhar mais uma etapa de sua vitória.
Hoje veio a notícia que eu vinha há semanas rezando para não aparecer... mas veio...
E estou com o coração dilacerado... e sem palavras...
Só quem é mãe vai entender o que é essa dor de perda (ainda que eu não conhecesse pessolamente a Aline, mãe do Theo).
E vagando entre um blog e outro, caio no blog da Bia, mãe de outro Theo, que soube colocar em palavras o que eu não consegui... Espero que ela não fique brava de eu ter feito uso de suas palavras...

O que não tem nome
"Pela primeira vez eu não consigo iniciar um texto. Parece que um trator passou por cima de mim.
Eu sempre fui muito vulnerável a notícias ruins, nunca gostei de noticiários... Mas depois de ser mãe, parece que todo o mal que há no mundo se triplica. Porque agora eu sou inteiramente vulnerável: eu tenho um filho.
Ter um filho no mundo é dormir com um olho aberto e outro fechado. É ter cuidado com o gás, com altura, com escadas ou com um mero joelhinho ralado. Rezar a Deus e todos os santos para os outros males permancerem bem distantes. É suplicar todas as noite uma lista enorme de coisas que não pode de jeito nenhum acontecer com o seu filho. E ter fé na misericórdia divina de que Ele vai ouvir o seu pranto de mãe. Dizem que oração e proteção de mãe é forte. Agora eu entendo: porque a força da palavra tá na alma, na súplica.
Na súplica de pedir que PELO AMOR DE DEUS, QUE ISSO NUNCA ACONTEÇA... e você se pegar chorando enquanto ora, pela possibilidade mundana que nos ronda. Enquanto isso seu filho dorme no berço. E você elencando uma lista de coisas-que-nunca-acontençam-nunca-amém como quem pede pra Jesus anotar a lista de compras.
Ter um filho é isso: é estar suscetível as melhores e piores coisas. As melhores coisas, pode ter certeza, ele te proporcionará. E as piores, você pede a Deus que não. Mas não é sempre assim...
Quando você vê uma criança doente, você olha pra ela como se fosse sua. Ela poderia ser a sua, e você capta a dor daquela mãe. É como se todas as mães estivessem interligadas. A sua dor é a minha dor. A minha dor é a sua dor.
Há 5 dias atrás eu li o relato de uma mãe, que escrevia pro seu blog, na sala de espera de um centro cirúrgico. Lá dentro estava o seu filho. Ela estava naquela espera interminável, e eu aqui, a quilômetros de distância captando aquilo tudo enquanto a lia. O filho dela estava lá, naquela situação limite, e o meu aqui , brincando de bola com o pai na garagem. Aquilo me doeu. Mas passou.
O dia se foi e eu parcialmente esqueci. Mas tarde fomos no supermercado, o meu Theo adora quando a gente corre e finge que vai pegá-lo. Eu dei um pega nele, morrendo de rir, até o carro. Ele gargalhava de perder o ar! E eu rindo atrás, e ele ria ria ria. Olhei pro meu Theo, todo gordinho, todo saudável, todo lindo, gargalhando graciosamente de soluçar. Sabe aquelas cenas que passam em câmera lenta?
Fiquei visualizando aquilo com ar de boba, toda feliz, até que caiu a minha ficha e na hora me veio a imagem do Theo da Aline. E lembrei da espera dela no centro cirúrgico. Da gargalhada eu fui pro choro ininterrupto e escandaloso. Igual uma louca. Meu marido parou o carro desesperado e eu não conseguia falar. Estava até com vergonha... E disse o que era: enquanto eu estou fazendo festa com o meu filho aqui, tem uma mãe triste lá em Vila Velha...
Passou. A cirurgia passou, com ela boas notícias e o coração de todos cheios de esperanças... Até que 5 dias depois a notícia foi a pior.
Qual é a pior notícia desse mundo? Qual o pior sentimento desse mundo? É o sentimento que não tem nome. Só quem o viveu sabe, mães/pais que perdem filhos se unem mundo afora. A dor os liga. Só quem viveu sabe. Quem não viveu, imagina. Imagina, sofre muito com a dor imaginada, e mesmo assim sabe: que não conseguiu mensurar um milésimo do que deve ser na realidade.
Eu não sei o que eu estou tentando dizer aqui. Espero de coração que a Aline não leia. Não quero dar abertura pra mais tristeza... Espero que ela se permita esquecer. Parece até piada: se permitir esquecer... Mas é o que eu utopicamente espero.
Eu não consigo imaginar a minha vida sem o meu filho. Imaginar a sua ausência, o quartinho sem ele, a casa sem ele, a minha vida sem ele, é como desejar que eu morra primeiro. E imaginar a primeira noite dessa mãe em casa no silêncio da ausência do seu Theo, é como... é como... não tem nome."

Então é isso... Hoje estou triste... Hoje estou muda.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Reunião Escolar

Aconteceu na última quarta-feira, no final do dia.
Reunião para tratar de itens gerais como festa de final de ano e o que foi trabalhado durante todo o ano letivo. Segundo a tia Thaís eles saem do jardim 1 conhecendo as vogais de A a O (embora na prática conheçam inclusive a letra U). Exceto Arthur que além de conhecer TODAS as consoantes também já está LENDO! "Como assim? E ninguém me avisa nada?" rs - E Tia Thaís me responde: "Ué, você não sabia??". Então ontem eu fiz o teste em casa (sem pretenção alguma, uma vez que ele ainda não está na idade e não quero forçá-lo quanto a isso). Escrevi em um papel: BOLA - DEDO - LUA e ele leu BOLA - DADO - LUA. Ou seja, ele deve "construir" a palavra de acordo com as letras que conhece (deve ser assim no construtivismo, método utilizado na escola) mas não entendi a confusão do dedo - dado. Enfim! Ainda assim eu babei, né?  
Sobre a interação tia Thais falou que continua intervindo mas que ele continua não se importando com a presença ou ausência de amigos para brincar.
E eu continuo sem entender porque na casa da minha mãe, por exemplo, onde sempre tem outras crianças, a gente o vê o tempo todo gargalhando e correndo atrás dos primos. Brinca de pique, de bola, ou só de correr mesmo... Enfim, vai entender... 
Abaixo o relatório de desempenho, com a avaliação anterior para compararmos como ele desenvolveu em vários aspectos.

Legendas:
S - Sim
N - Não
ED - Em desenvolvimento
NT - Não trabalhado

LINGUAGEM ORAL
Organização de ideias e pensamentos
Relata fatos já acontecidos, expressando suas ideias com clareza - N - N - ED
Repete palavras e sons emitidos anteriormente - S - S - S
Possui vocabulário adequado à idade - ED - ED - ED
Narração de histórias
Cria uma história - N - N - ED
Identificação das vogais
Reconhece as vogais trabalhadas no bimestre - S - S - S
.
LINGUAGEM ESCRITA
Coordenação motora
Segue movimentos direcionados (pontilhados ou não) - ED - S - S
Desenvolve movimentos direcionados da esquerda para a direita - ED - S - S
Grafia das vogais
Escreve as vogais apresentadas no bimestre - ED - S - S
Nome
Identifica seu nome - S - S - S
Escreve seu nome - ED - S - S
.
NOÇÕES MATEMÁTICAS
Cores
Identifica objetos quanto à cor - S - S - S
Associa objetos quanto à cor - ED - ED - S
Formas geométricas
Identifiva objetos quanto à forma - S - S - S
Associa objetos quanto à forma - ED - ED - S
Tamanho
Identifica objetos quanto ao tamanho - S - S - S
Associa objetos quanto ao tamanho - ED - ED - S
Textura
Reconhece texturas distintas - ED - ED - S
Reconhece espessuras distintas - ED - ED - S
Numerais de 0 a 10
É capaz de seriar os números apresentados no bimestre - S - S - S
Escreve os números trabalhados no bimestre - ED - ED - S
.
NATUREZA E SOCIEDADE
Temperaturas
Reconhece temperaturas distintas - ED - ED - S
Estímulos odoríferos
Reconhece odores distintos - ED - ED - S
Percepção gustativa
Identifica alimentos doces, salgados, amargos - ED - ED - S
Corpo humano
Reconhece partes do corpo e sua funções - S - S - S
Representa graficamente o corpo humano - ED - ED - S
Datas comemorativas
Participa ativamente das datas comemorativas do bimestre - S - S - S
.
ARTES VISUAIS
Criatividade
É capaz de criar objetos com materiais recicláveis - ED - S - S
Percepção visomotoraFaz desenhos em formas - ED - S - S
Percepção visual/coordenação motora
Segura a massa de modelar em pedaços, criando formas diversas - S - S - S
Utiliza a tesoura corretamente - ED - ED - S
.
INICIAÇÃO MUSICAL
Sons e ritmos
Executa movimentos próprios de acordo com a pulsação da música - S - S - S
Respeita o movimento de iniciar e parar de tocar e cantar - ED - S - S
Identifica alguns instrumentos de percussão (forma e som) - NT - ED - S
Identifica alguns estilos musicais - NT - NT - NT
.
EDUCAÇÃO FÍSICA
Executa os movimentos de coordenação motora ampla
Percorre trilhas com obstáculos - ED - ED - S
Executa movimentos orientados - ED - ED - S
Executa os seguintes movimentos de coordenação motora fina
Amarra cadarços/barbantes - NT - NT - ED
Segura objetos - S - S - S
.
INICIAÇÃO À LINGUA INGLESA
Apreciação à lingua inglesa
Participa das atividades com interesse - S - S - S
Apresenta boa pronúncia - ED - ED - ED
.
ATITUDES GERAIS
Entra na escola com tranquilidade - S - S - S
Interage com a professora - S - S - S
Interage com os amigos - N - ED - ED

Participa das atividades livres - ED - ED- ED

Participa das atividades dirigidas - S - S - S
Ajusta-se com facilidade as situações novas - ED - ED- ED

Aceita com tranquilidade os limites da rotina escolar - ED - ED- ED

Apresenta independência na resolução de problemas - ED - ED- ED

Apresenta dificuldades em expressar suas emoções - ED - ED - ED
Permite o uso de seu material escolar pelos colegas - ED - ED - S
É cuidadoso com seus objetos de uso pessoal - ED - ED - ED
Desenvolve uma atividade com início, meio e fim - ED - ED - S
Completa uma sequência conhecida - ED - ED - S

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Dia das professoras

E então que com a correria com os preparativos do niver da 02 anos da Hellen, minha afilhada, as lembranças das professoras foram feitas no mesmo embalo.
Para variar, uma caixa de decoupage. E como eu gosto de complicar, e estava louca para estrear no mundo das craftices, fiz almofadas de corações que além de lindas (modéstia a parte, cof cof) eram perfumadas, para elas pendurarem onde achar melhor: dentro do armário, na porta do quarto ou até mesmo no retrovisor do carro...
Vê ai se não ficaram lindas?
[prontinhas para serem entregues]

Adriano entregou a elas na quinta-feira (pois na sexta elas não trabalhariam), mas como já é de praxe, não me deu detalhes da reação delas... rs... só meu marido... rs
Adoraria eu mesma ter podido entregar para ver a carinha de cada uma, mas infelizmente meu horário não permite. De qualquer forma fica aqui meu agradecimento por tanto carinho que dão ao meu pequeno.
Hoje haverá festa suspresa para elas, homenagem mais do que merecida. E mais uma vez eu não estarei lá... Aff!

Dia das Crianças

O presente do Arthur já estava comprado há mais de um mês. Uma bicicleta. Sua primeira.
Na verdade ele já poderia ter ganho antes, mas ele é tão preguiçoso pra pedalar - para se ter ideia tem pouco mais de um ano que ele passou a pedalar de verdade o seu velotrol - que eu relutei mesmo em dar a bicicleta de presente. E fora que o velotrol fatalmente seria colocado para escanteio - e só em pensar nisso me dava uma dó... rs
É... eu as vezes me esqueço que ele já vai completar 05 anos!
Mas aí um belo dia entramos num hipermercado da cidade e ele subiu numa das que estavam expostas e foi uma guerra pra tirá-lo de cima...
E então eu decidi que era a hora de dizer tchau à era velotrol e dar início à vida motociclística.
Nem preciso dizer que ele amou, né?
Só que eu comprei pela internet e depois de montada eu cheguei a conclusão que já poderia ter comprado a aro 14 (e não 12, que ficou a continha para ele). Mas tudo bem... assim ele já vai pegando experiência e o que não vai faltar é criança para receber de doação no ano que vem... rs
Após o almoço levamos as crianças para curtirem o resto do dia na rua vizinha, onde os moradores se organizam e preparam mesas de guloseimas, cachorro-quente, montam pula-pula, piscina de bolinhas, escorrega e distribuem brinquedos. Bem legal!
Claro que Arthur se esbaldou, né?
Fora o tanto de presentes que ainda ganhou dos tios/padrinhos/avós.
Sinto que já está na hora de fazer nova seleção de brinquedos para doar!

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Um cadinho de cada coisa

Nossa... nem sei quanto tempo faz que não venho aqui... abafemos né? Esse negócio de ficar justificando é chaaaato.
O fato é que preciso de um dia de 30 horas, mas como não rola vamos empurrando com a barriga e usando o antigo lema: um dia de cada vez...
Como se não bastasse o tanto que já me desdobro, ainda decidi que quero (E VOU) aprender a costurar... rs - E não é só isso... quero ter um atelier em casa... hehehehe - quem conhece minha casa sabe que não vai ser tarefa fácil...minha casa é um ovo!
Minha mãe riu quando eu contei a novidade. Ela que passou a vida inteira costurando e faz tempo (muuuuito tempo) que desistiu de me passar seu dom (quando eu era adolescente ela bem que tentou...). Semana passada quando eu falei que queria aprender ela riu... Será que foi de orgulho? Ou será que ela não acredita na capacidade da filha que tem? Melhor não perguntar, né? :)
Enfim... o fato é que ando comprando tecidinhos, feltros e itens para a decoração do meu (cof) atelier.
Na minha cabeça ele tem que ser algo parecido com esse:


Embora o espaço que eu tenho disponível seja mais ou menos esse...

Depois eu mostro o milagre da multiplicação de espaço... Ah, sim! Meu atelier (ou beco de craftices) vai dividir espaço com minha sala de jantar, que já é meio acoplada à cozinha.... rs (Já viram que estou arrumando sarna pra me coçar, né?).
***
No domingo sentei com Arthur para fazer a atividade que veio da escola. Depois de pronto eu falei: "Muito bem! Agora vamos assinar pra tia Thaís saber que é seu." E, como sempre fiz, comecei a soletrar a primeira letra do seu nome: "Aaaaaaaaaa" e nesse momento, antes de soletrar a segunda letra, Adriano desviou minha atenção. Quando voltei a atenção novamente para o pequeno, ele mesmo soletrava as demais letras e escrevia SOZINHO o seu nome. E eu e Adriano nos olhamos. Quando foi que ele aprendeu a escrever seu nome sozinho??????? Limpa baba e corre pra pegar outra folha, uma outra atividade que já havíamos feito naquele mesmo dia. "Filho, agora escreve seu nome nessa folha aqui..." e ele escreveu de novo.    
Espia só como ficou lindo:


[reparem nas carinhas das flores, recortadas por ele e coladas nos locais certos!]

Amo demais! Ponto.
[Editando]
Eu tive que voltar para registrar o que acabei de me lembrar visitando o blog da Simoni, onde ela postou referente a gosto musical do Hique.
Dia desses, enquanto dava banho no Arthur, ele começou a cantarolar Justin Bieber: "baby, baby, baby, oooooh like baby, baby, baby oooooh like..."
Muito engraçado! Português não fala direito não, mas a lingua estrangeira... :)  
***
Eu já falei aqui antes, e volto a repetir, o intuito desse blog sempre foi pessoal, sem nenhum interesse de ibope, um monte de gente comentando, nada disso.
Claaaaaaro que eu adoro quando as pessoas comentam. Me sinto abraçada a cada novo recado, a cada troca de experiências, enfim! Já conheci muita gente bacana através desse canto. Algumas até conheci pessoalmente e outras eu ainda nutro essa vontade imensa.
Mas aí, por duas vezes nas últimas semanas, minha felicidade foi além do somente receber um feliz comentário. Primeiro foi a Andrea, que não tem blog, mas me descobriu pelo google pesquisando sobre problemas de fala. Depois a Deise que também me achou no google pesquisando sobre TID (transtorno invasivo do desenvolvimento).
Ambas passando pelo que eu passei, conhecendo de verdade o quão duro é viver na dúvida, ouvindo tantas opiniões e aguardando uma resposta.
Enfim.
O fato é que o Reinado do Arthur, que até então era somente um registro de vida do meu moleque (um tesouro para ele ler quando tiver lá seus 20 anos), passou a ser fonte de consulta na internet. E, claro, eu não sei se tenho mérito algum nisso, mas, se vir aqui fez bem à essas mães, e, se de alguma forma o que eu tenho falado traz a elas algum conforto, nossa! Não sou eu que tenho que receber agradecimento algum, eu é que tenho que agradecer imensamente a elas!
Não é disso que a gente vive? De troca... Troca de carinho, troca de informação, troca de ajuda...
Quem somos sem o outro?
Sentir o orgulho que eu senti, de ter sido útil de alguma forma, não há preço que pague!
Obrigada meninas, que você saiam da Holanda e voltem para a Itália bem rapidinho, tá!
Andrea, ter batido aquele papo com você por telefone foi muito bom! Ligue sempre que precisar, viu? Ou tão somente para falar das peripécias do Augusto. :)
Deise, respondi seu e-mail mas ele voltou com erro... queria saber mais a respeito do seu Arthur...
Então é isso meninas! Hoje #meunomeéorgulho!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

O casamento de minha melhor amiga (uma das...)

As fotos aí de cima foram tiradas no último sábado, no casamento da Jacque - minha amiga, irmã, comadre, afilhada... como vocês já sabem... rs
Nossa! Como esse casamento foi esperado...  
E foi assim... m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o! Um dia perfeito! Não somente porque a cerimônia foi linda e a festa um arraso total, mas porque minha grande amiga realizou o sonho da vida dela e estava imensamente feliz, do jeitinho que eu gosto de vê-la sempre.
Eu e Dri fomos padrinhos, e com um orgulho danado!
Arthur seguiu o traje não porque seria pajem, mas por outros bons motivos. Primeiro porque é infinitamente mais prático alugar uma roupa do que sair à caça de uma roupa social para uma criança de 4 anos. Depois porque além da roupa social ser cara, não se usa depois. No caso paguei R$65,00 pelo aluguel do smoking (que vem com sapato e tudo!) e acho que com esse valor eu não compraria nem o par de sapatos. Por essas e outras e não pensei duas vezes!  E fora que ele ficou tão delicioso, tão charmoso, tão príncipe, que minha vontade era apertá-lo o tempo inteiro. Modéstia a parte, ele ficou lindo demais com o cabelo arrepiado de gel... #miemociono! :)
Os detalhes eu conto aqui, no blog oficial dela.
E aqui mais umas fotos nossas:
Todas as outras fotos estão aqui.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Já viram um príncipe de verdade?

Eu já!
[...é amor demais por esse pequeno!]

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

10 anos de casamento

Aconteceu na quarta-feira, 15/09.
Não vou dizer que passou voando, não. Aconteceu taaaaaaaaaaaaaaaanta coisa entre 2000 e 2010...
Incrível é imaginar que em uma década a gente construiu uma vida em comum.
Temos altos e baixos, claro! Como qualquer casal tem. A gente se estranha, a calma dele muitas vezes me irrita (já que sou tão agitada), mas no fundo a gente se completa. Sinceramente, eu não sei se conseguiria mais viver sem ele... rs - E se conseguisse, certamente levaria um bom tempo para me adaptar...
Para comemorar, convidamos os padrinhos e amigos mais próximos e fizemos um jantar. No cardápio, bobó de camarão, feito pelo cozinheiro da família Graziani, que também se casa no ano que vem.
[a decoração]

[meu melhor presente nesses 10 anos]

Passamos a fita de casamento (sim, fita!) e nos divertimos com a mudança por qual cada um passou. Para a maioria, o tempo foi generoso. Que o diga Jacque, Rosana e Graziela... rsrsrsrs 
E então foi isso.
Bom demais ter amigos que estavam lá conosco em 2000 e continuam conosco até hoje.
Certamente nossa vida conjugal não seria a mesma se não tivéssemos pessoas queridas em volta ajudando a nos mostrar o caminho certo.
[Montagem anexada ao convite, que foi encaminhado por e-mail]

Consulta pediatra

Aconteceu na quarta, 15/09.
Nada de muito novo. Falamos de alimentação, do quanto ela o achou desenvolvido em todos os sentidos, do atendimento fonoaudiológico, das atividades que tem feito, enfim, o que a gente sempre conversa.
Vai esperar mais um pouco para repetir o exame de sangue pois, assim como a nutricionaista, acha que não deu tempo da alimentação ter surtido efeito para um melhor resultado.
Concordou comigo de que está na hora de levá-lo ao dentista para ver o dente quebrado (que está no limite da gengiva).
Permaneceu com o nasonex (1 jato em cada narina 2x ao dia por 5 dias já que está resfriado, e após, 1 jato por dia) e com o Nutrinfan (5 ml por dia).
Pesou 14.100 g
Mediu 101 cm
PA: 90 x 60 - mm/Hg  

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Decoupage

O motivo de eu andar tão off dessa vida blogueira deve-se a um trabalho grande que eu tinha que entregar ontem, 15/09.
Assim... não era só um trabalho grande... era O TRABALHO.
Minha amiga/irmã/comadre/afilhada Jacque se casa no sábado e eu e minha tudo (piada interna, rs), Rô, demos de presente todas as caixas do evento. Foram 100 minicaixas para bem-casados, 10 caixas de lembranças para os mais animados da festa padrinhos e as duas caixas para toaletes.
Foi cansativo (trabalho longo), complicado (itens novos), estressante (corrida contra o tempo) e com meu 10º aniversário de casamento no meio para ser idealizado e posto em prática e, para finalizar, o que não poderia acontecer, acontecendo... Davi ficou dodói e ficou na emergência no último dia de prazo que tínhamos para finalizar a encomenda, ou seja, dia 14/09, véspera do meu niver de casório. Levei tudo para minha casa e lá fiquei de olhos fechados para tudo o que tinha para fazer ao meu redor. De 19:00h às 00:00h eu fiquei entre caixas, laços, cola, etiqueta, registro e arrumação... não fosse minha sogra a me ajudar acho que não teria dado conta.
Enfim, tudo isso para dizer que com todo o corre corre, todo o desespero, as noites que antecederam e que eu não consegui dormir direito, eu estou super orgulhosa do resultado final e só não posto as fotos agora porque a noiva é capaz de me matar. Posto no domingo, ok?
Eu acho bem que ela gostou... :)

PS.: Davi ontem, 15/09, já estava bem melhor. Foi até no niver de casamento da dindinha e com a alegria que lhe é constante. Foi crise de bronquite, tadinho.

Desfile Cívico

Atrasada pra caramba mas não poderia deixar de vir aqui contar como foi o desfile da escola que aconteceu no último dia 11.
Esse ano o tema foi "Biodiversidade" e Arthur já se acostumou a dar um show!
Chegamos e eu o entreguei na sala para a concentração. Me deu um beijo e foi. #sofro.
Enquanto a banda não chegava eles ficaram na sala e os pais na rua aguardando.
Adriano entrou para tirar foto dele... ele sorriu para a foto e não fez a menor questão de sair junto.
Precisei ir lá dentro e passei pela sala... ele deu tchau e só!
Como assim não faz mais questão de fugir da sala???? #sofro, #sofro, #sofro e #sofro!
  [espia o tamanho do meu braço... #tenhomedo!]
Tem mais fotos aqui.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Algumas coisas sobre eu e ele

Sobre mim:
Incentivada pela amiga blogueira Simoni (a mesma do bazar on line, lembram?), entrei numa paixão louca por esmaltes.
Numa única semana adquiri 7 vidrinhos novos... ainda estou me perguntando para que tantos se durante a semana eu só posso usar 01 cor... enfim! Quem é mulher sabe do que estou falando! rs
E para mim está sendo ótimo voltar a cuidar de minhas unhas, uma vez que essa história de decoupage acabaram, literalmente, com elas.
Nas últimas semanas eu já nem as pintava mais, o pensamento era: "Para que se daqui a dois dias a tinta acabou com o esmalte todo?" e com isso a unha enfraqueceu...
Agora não...
Sou uma nova mulher! hahahaha
E por falar em decoupage, a própria Simoni "reclamou" que eu não avisei aqui no blog que faço artesanato...
Pois bem, vocês também me encontram aqui:
E no próximo dia 15 comemoro 10 anos de casamento. Preciso pensar em algo no melhor estilo BBB (bom, bonito e barato).
E no dia 18 serei madrinha de casamento da minha querida Jacque. Conhecem, né? Amiga/irmã/comadre... então... Vai ser A FESTA!  

Sobre Arthur:
Semana passada eu consegui escapulir para assistir mais uma aula de natação. Coisa mais fofa, mais gostosa de se ver a paixão louca que ele desenvolveu pelo Tio Paulinho.
E fala demais a aula inteira... são 30, 40 minutos repetindo tudo o que o tio fala. 
No sábado Adriano precisou ir pra loja e seria a primeira consulta (agora oficial) com a Kenia. Acordei Arthur e falei: "Vamos de ônibus pro consultório da tia Kenia". Nunca vi tamanha empolgação!
Ele foi de casa ao consultório (em outra cidade, necessitamos pegar 2 ônibus) pulando e repetindo: "...de ônibus na tia Kenia...".
Abre parenteses:
Ele simplesmente AMA andar de ônibus!
Fecha parenteses.
Chegamos um pouco mais cedo que o horário marcado e eu bem que tentei ficar lá embaixo, olhando as vitrines das lojinhas da galeria, mas quem disse? Ele me puxou forte para a portaria e apontou: "Tia Kenia, mamãe!". Então tá, né? Subimos e Kenia ainda não havia chegado. Na frente do Arthur já tinha uma criança aguardando. Para passar o tempo, dei-lhe corn flakes. Nisso ela chegou e ele rapidamente lhe deu a mão. Docemente ela falou: "Oi, Arthur. Olha só, a Jéssica está na sua frente... Come seu biscoito que vai ser o tempo da tia falar com a Jessica, tá bom?"
Mais que depressa ele devorou o pote de corn flakes e ao terminar me puxou pra porta dela, como quem diz: "ela falou que quando eu terminasse de comer me atenderia..." rsrsrs
E lá vou eu explicar que a gente tem que esperar, que ainda não é a nossa vez, etc, etc.
Ao terminar a consulta com a menininha, Kenia já saiu rindo do consultório: "E aí, Arthur? Vamos?" e nem finalizou a frase - ele já estava lá dentro!
Consulta de 45 a 50 minutos que passou voando. Do lado de fora não dá pra ouvir muita coisa. Do que entendi é que ela trabalhou o som de algumas sílabas - sa, se, si, so, su, por exemplo. 
Ao invés de irmos pra casa, fomos bater perna com Vovó Quinha no centro comercial da cidade. Definitivamente, já dá para sair sozinha com ele na boa! Sem estresse! Cresceu o meu moleque!
E ele está num fase de recortar/colar incrível, que só não é mais divertida por conta do trabalho que dá para limpar depois... rs
Está bem falante também. Estou me policiando a fazê-lo criar frases e não acatar um pedido com apenas uma palavra: "biscoito", por exemplo, não é acatado. Ele tem que dizer: "mamãe, quero biscoito" ou "me dá biscoito, mamãe!" e então a gente solicita e ele fala.
Outra coisa legal é que ele já está puxando o assunto... se vamos numa festa, no dia seguinte ele se lembra de fatos: "foi na festa da Giovana, foi no pula-pula, comeu pizza, comeu bolo..." sem que a gente pergunte nada.
No sábado demos nossa contribuição ao Mc Dia Feliz e ele devorou TODAS as batatas fritas da mesa... a dele, a minha, a do pai e até a da tia Belina... hehehe. E então amanheceu no domingo: "Foi no McDonalds (claro que falou de um jeito que demoroooou para entendermos... rs), comeu batatinha..." 
Vale lembrar que, apesar da dieta, em dias especiais eu fecho meus olhos e libero as guloseimas. Ele vai comendo e eu vou rezando... rs   
No domingo eu tive que rir sozinha... ninguém para testemunhar...

"O que é isso?" ele perguntou por alguma coisa que eu não lembro o quê. Depois que eu disse o que era ele repetiu a palavra e acrescentou: "huum... legal!"
Tããããão bom, enfim, presenciar o desenvolvimento dele...

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Dia dos pais na escola

Acabei deixando passar um tempão pra postar sobre a festa do dia dos pais na escola. Mas também... é difícil relatar emoções quando não se está presente... Na escola do Arthur não é permitida a entrada de mães na festa dos pais. E vice versa.
Fiquem então com as fotos e o vídeo.
[Adorei o desenho... o papai tá bem claro aí, e eu, será que sou um desses?]
[entregando o presente]

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Bem vinda à Holanda

“Esperar um bebe é como planejar a fantástica viagem com que você sempre sonhou para Itália. Você compra um monte de guias e faz planos maravilhosos.
O Coliseu. O David de Michelangelo. As gôndolas em Veneza. Você pode aprender frases úteis em italiano. Tudo é uma festa.
Depois de meses de expectativa, finalmente chega o dia da viagem. Você entra no avião e algumas horas depois a aeromoça diz: bem vinda à Holanda. Holanda?! Como assim, Holanda? Você se espanta. Meu vôo era para Itália, sonhei a vida inteira em ir para Itália! Mas houve uma mudança no plano de vôo. Aterrizaram na Holanda e este é seu destino agora. O importante é que não te levaram a um lugar horrível e desagradável, cheio de epidemias, fome e doença. É só um lugar diferente.
Então você tem que sair e comprar novos guias. E aprender uma língua nova. E conhecer pessoas que você jamais teria conhecido. O ritmo é mais lento que o da Itália; a luz menos brilhante. Mas depois de estar lá por algum tempo, toma fôlego, olha em volta e começa a notar que a Holanda tem moinhos... e a Holanda tem tulipas. A Holanda tem até rembrandts. Mas todo mundo que você conhece foi e voltou da Itália contando maravilhas do tempo passado lá. Pelo resto da vida você dirá: era para lá que eu deveria ter ido. Era isso que eu tinha planejado. E a dor do seu coração nunca, nunca mesmo, irá embora completamente... porque, afinal, a perda desse sonho é muito significativa. Por outro lado, se você passar a vida inteira lamentando o fato de não ter ido a Itália, talvez não possa descobrir e aproveitar o que existe de tão especial em todas as coisas adoráveis que há na Holanda".
Emily Perl Kingsley – quando questionada como é ser mãe de uma criança especial.
***
Foram 6 consultas. Duas comigo e Adriano. Quatro com o Arthur.
Na segunda feira foi a última. Somente eu, Adriano e ela – Kenia.
Papo longo de quase três horas. Mas não para ouvir uma temível conclusão. Essa, graças a Deus, ela já havia me dado por telefone.
O papo era para falar como foram os quatro encontros com ele; o que ela percebeu de avanço; como foi seu progresso; o que ela sentiu ser a maior dificuldade dele; o que devemos fazer para ajudá-lo...
Enfim, o relatório de avaliação dela diz tudo:
Arthur, com 4 anos e 5 meses de idade, cursando o Jardim 1, veio encaminhado para fins de diagnóstico preciso; justificado por desenvolvimento tardio da fala, além de socialização inadequada.
Foi, neste Centro, submetido a período de avaliação (04 sessões, mais entrevista com os pais), a partir da qual concluí tratar-se de Atraso de Linguagem, sem comprometimento simbólico; caracterizado por defasagem linguística oral, tanto compreensiva quanto expressiva; sendo esta última a mais comprometida.
Considerando seu grau de “empatia”; condição plena para subordinar-se às intervenções verbais do “outro”; pré-disposição para contatos: verbais; lúdicos e sócio-afetivos e capacidade de manter atenção conjuta; podem ser descartados quadros mais severos, conforme já suspeitado, de Transtorno Invasivo do desenvolvimento (sendo o autismo uma delas).
Há indicativos suficientes de que sua qualidade auditiva, justifique o início tardio da fala; alteração esta ocasionada pelos inúmeros acometimentos de ordem alérgica; afetando diretamente as estruturas (nariz, ouvido e garganta) e funções (respiração; deglutição e fonação) do sistema estomatognático. Este fato, somado ao não estabelecimento de estratégias de mediação, entre ele e o “outro”, concorreram significamente, para o quadro em que se encontra.
Cabe acrescentar, que seu potencial cognitivo é íntegro; o que o coloca apto a prosseguir nas séries escolares, sem restrição; desde que com a intervenção especializada cabível.
É imprescindível que seja dado prosseguimento ao trabalho fonoaudiológico, em paralelo ao processo escolar, até que os níveis de estruturação lingüística (sintaxe, semântica e morfologia) estejam plenamente equiparados, tanto à idade cronológica quanto á escolar. O que, no caso do Arthur, é totalmente viável, tendo em vista sua integridade intelectual.
Aferições auditivas periódicas, devem ser mantidas, uma vez que ainda há muita suscetibilidade neste sentido e, sem dúvida, será este um dos fatores determinantes do seu desenvolvimento de linguagem e, conseqüentemente, da sócio-afetividade.
Fica recomendada a manutenção do tratamento fonoaudiológico, inicialmente com 01 (uma) sessão semanal, por um período estimado, inicialmente, em 06 meses, com posterior avaliação.
Sem mais.
Kenia Fraga”
***
Arthur não é autista. Ponto.
Por que eu citei o texto de Emily Perl Kingsley? 
Bem... eu sempre soube que ele não era. Meu coração de mãe não poderia se enganar!
Mas ter essa hipótese levantada abalou sim minhas estruturas e embora eu tivesse certeza do contrário fiquei semanas analisando meu próprio filho. A ponto de uma brincadeira comum entre meninos - fazer de qualquer objeto um avião e colocá-lo para voar - me fazer refletir se aquilo seria ou não um sintoma. E meu menino não podia mais brincar de juntar pedrinhas. Nem podia fazer qualquer birra. Nem se mostrar concentrado. Porque ali eu também via os sintomas.
Olha que loucura! Eu mesma coloquei meu filho à prova o tempo inteiro - embora tivesse certeza de que tudo aquilo era normal em qualquer criança. Imagina as pessoas em volta? Duvido se até os mais próximos não levantaram a hipótese... Claro que sim! Mas não posso culpá-los já que eu fiz o mesmo. Imagina na escola? "Será que ele é? Será que não é?" Imagina se não teve gente que disse: "Coitada! O filho dela é autista e ela não quer aceitar..."?
Eu já estava na Itália, já era feliz lá e sei lá por que motivo me mandaram passar uns dias na Holanda. Com que direito?  Eu achei injusto ir, mas fui. Sofri na ida. Conheci pessoas pela internet que são tão felizes lá e tentei me colocar no lugar de cada uma delas.
Mas eu voltei. Felizmente voltei. E tirei um lado tãããããão bom disso tudo.
Eu amo meu filho. Do jeitinho que ele é. Independente de como e onde a gente vá estar. Seja na Itália. Seja na Holanda. E ponto.
E que não haja mais ninguém para duvidar disso e me mandar de novo para terras desconhecidas. 

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Resumindo

Vamos de rapidinhas:
Domingo retrasado passamos o dia no sítio de um casal de amigos, Társio e Rosana.
No meio de tanto espaço ficou difícil para o pequeno decidir se jogava bola, se andava de velotrol, se corria atrás das galinhas, se ia ver os peixinhos no lago, ou se simplesmente corria de um lado para o outro.
Fiquei apaixonada pelo pé de abóboras. Acho que nunca tinha visto um... Arthur com certeza não! rs
E com isso aumentou mais ainda minha vontade de ter uma casa com um quintalzão-ão-ão com muitas árvores para Arthur se trepar e uma hortinha lá no fundo, só minha.
Eu queria, sim...  Acho que ele também!
***
Sexta feira passada Arthur teve revisão com a nutricionista.
Perguntinhas básicas dela: Ele se adaptou bem às mudanças? O que ele não aceitou? O que podemos melhorar?
E eu, claro, com minhas dúvidas: qual a diferença entre produtos light e integrais? Qual a preferência de utilização? O que fazer se ele não aceita o farelo de aveia no suco? Pode isso? E aquilo?
Como ela não conhece todos os produtos existentes no mercado, eu me comprometi a guardar as embalagens conforme for utilizando e levar para ela na próxima consulta.
Disse que o melhor é sempre optar pelos integrais, principalmente por causa das fibras.
Falei que ele não aceita outra fruta que não seja banana e maçã e ela falou para tentar dar em forma de salada de frutas. Eu já tinha pensado nisso... inclusive em colocá-lo pra me ajudar no preparo... talvez ele se anime em experimentar.
***
Domingo foi Dia dos Pais. Passamos o dia no quintal da Tia Bina e Arthur se esbaldou de correr de um lado para outro. Da onde tira tanto gás???? Só de olhar para ele correndo eu ficava cansada. E então foi nesse dia que eu decidi qual será seu presente do Dia das Crianças.
***
Consegui convencer minha amiga blogueira Simoni a abrir um bazar virtual para vender as roupas/calçados que já não cabem mais no fofo de seu filhote, Hique.
Eu mesma penso em abrir um. Se ainda não o fiz é porque tem muita criança próxima que acaba herdando as roupinhas do Arthur.
Quem é mãe sabe como é caro vestir bem uma criança e algumas roupas acabam nem sendo tão usadas assim.
E então a Simoni se rendeu e criou o blog, e assim que o fez me mostrou em primeira mão. Claro que eu me dei muitíssimo bem! Depois de muita negociação, arrematei nada mais, nada menos que 11 peças e por um precinho digno.
Ainda tem peças disponíveis, corre!
***
Ontem eu consegui chegar a tempo de sua aula de natação.
Incrível como ele criou vínculo com o Tio Paulinho...
Quando chegamos o tio já estava dentro d’água e ele quase se jogou lá dentro (de roupa e tudo) tamanha euforia em revê-lo.
E foi emocionante ver o carinho com que o tio o trata e como ele responde de imediato aos comandos dados. O tio não só dá o comando, como incentiva e vibra a cada etapa cumprida: "É isso aí, amigão!", "Muito bem, garoto!". E ontem eu pude entender porque ele chega em casa sempre com uma nova expressão ou cantarolando uma musiquinha nova. Dia desses ele repetia o tempo todo: "Peixinho maluquinho, peixinho maluquinho...", claro que só podia ser coisa do Tio Paulinho. Acho que não vai demorar muito e ele sai das aulas individuais e passa para a turminha, e se antes eu reclamava dele estar nas aulas individuais, eu já não sei se quero vê-lo longe do Tio Paulinho.
Em turma o valor cobrado é inferior e o tempo de aula é de 50 minutos, mas o atendimento não é tão personalizado.
No individual o valor é maior e na teoria o tempo é de apenas 20 minutos. Porém na prática acaba sendo esticado para 30, 40 minutos. E com um atendimento totalmente personalizado. Então eu acho que no fundo quem está em vantagem somos nós... e fora que presenciar o relacionamento entre os dois, não há preço que pague! 

***
Hoje é a Festa do Dia dos Pais na escola.
Recarreguei a bateria da máquina e implorei ao Sr. Meu Marido que fique atento aos detalhes e que filme a apresentação para eu não ficar aguada como fiquei na Festa das Avós. Rsrsrs

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Creche - O fim de uma era

Pois é.
Depois de muito pensar, fazer cálculos, ponderar pós e contras, eu bati o martelo e passei Arthur para o horário regular da escola, meio período.
Foi simples, mas não foi.
Necessitava ver se minha mãe ficaria com ele pela manhã. Se o pai poderia levá-lo no meio do dia. Se a funcionária da loja poderia chegar mais cedo. Se ele ficaria bem. Se... se ... se.
Tinha o lado ruim... ao invés daquele quintalzão todo da escola pela manhã (à tarde ele segue direto pra sala de aula) ele passaria a ficar dentro de casa com minha mãe... e ele não teria a tia Adriana (que quase me matou quando eu levantei a hipótese)... e ele não teria o convívio com as crianças mais novas e mais velhas que ele... e... e...
Mas tinha o lado bom também... ele ia poder acordar um pouquinho mais tarde, ia ter mais tempo em casa, eu economizaria metade da mensalidade (que cobriria o investimento da fono e da natação), e, o que mais pesou na decisão, em casa poderíamos controlar melhor sua alimentação, uma vez que a alimentação da escola estava totalmente inadequada para a atual alimentação dele...

Pausa
Ele fazia três refeições na escola: colação, almoço e lanche da tarde. Quando ele entrou em dieta e eu apresentei o cardápio da escola para a nutricionista, ela levou um susto (e eu também): cachorro quente, pizza, empadinha, pastel frito e brigadeiro são alguns dos itens que me lembro e que constavam no cardápio que eu mesma autorizei (todo início do mês elas mandam para aprovação). Passou despercebido por mim, sabe? E eu assumo a MINHA falha. Não é o tipo de lanche que eu ofereço para ele em casa normalmente e acho muito errado que a escola sirva isso de lanche. Comer nos finais de semana esporadicamente, tudo bem. Mal algum. Mas na escola? Porém não podia reclamar, uma vez que eu assinei aprovando. Fui relapsa esses meses todos e sei lá se não foi isso que contribuiu para esse aumento de triglicerídeos.
Enfim...
Como previsto, a nutricionista condenou a alimentação da escola e eu passei a mandar arroz integral, biscoitos integrais, corn flakes sem açúcar, enfim... coisas que nem são tão caras mas que a escola não teve a iniciativa de oferecer (só para ele?). Falei na reunião escolar e tive apoio dos pais que também recriminaram a alimentação, mas acho que ninguém quis se comprometer e ficou por isso mesmo. Na semana seguinte passei meu desapontamento para a coordenadora com relação aquela alimentação e as respostas que tive foram: "mas sempre foi assim... "mas as crianças gostam...". Sim. Eu sei que gostam. Eu também amo pizza mas jamais vai fazer parte do meu lanche da tarde... ainda que eu não esteja com o triglicerídeo alto. Por que as crianças que não tem, com certeza terão a probabilidade de ter.
Pior que isso é eu imaginar o lanche em conjunto, todos comendo cachorro quente e Arthur não podendo comer porque a mãe chata dele não quer que ele coma... Ela pediu que eu escolhesse: ou deixava arthur vendo os outros comendo o que ele não poderia comer. Ou tirariam ele da sala do lanche (no melhor estilo: o que os olhos não vêem o coração não sente). Optamos juntas em não separá-lo e que nos dias dos lanches "deliciosos e proibidos" eu mandaria algo que ele gostasse muito mais, como corn flakes, por exemplo.
E assim eu pagaria pelo que ele deveria ter direito e ninguém cogitou sequer um desconto por isso. E eu também não pedi. E assim as semanas se passaram. Eu mandando o cereal e vários tipos de biscoitos para serem dados na medida que aparecesse algo "proibido" na mesa. E achando injusto. E só.
Perguntei para a dona da escola se poderia passá-lo para o meio período, como experiência somente, e ela perguntou o motivo. Eu falei do controle da alimentação e ela falou "tudo bem". Não senti uma "vontade de ajudar", sabe? Dizer que reavaliaria a alimentação das crianças, sei lá. Como se não fizessem muita questão. E aí isso influenciou muuuuito para a minha tomada de decisão.
Despausa

Então...
Aí eu ainda fiz outro cálculo... o horário de entrada na escola é 8h mas raramente Adriano conseguia chegar com ele na hora certa, ou seja, menos 01 hora de aula. Após o almoço ele dormia por 1h 30 a 2h, ou seja, menos duas horas de aula. Sendo que em casa ele nem dorme durante o dia, então já não é uma soneca tão necessária assim. Cheguei a conclusão que o horário da manhã na escola não rendia tanto e isso também influenciou.
Aí durante a última semana de colônia de férias eu só avisei pra dona da escola e pronto, estava tudo resolvido. Desde 02/08/10 meu menino estuda em horário escolar, na parte da tarde. É aluno do jardim I. A mochila está levando roupas extras mas somente para uma eventualidade. Não há mais banho antes da saída. A sujeira na roupa do corpo vai indicar suas atividades naquelas 4 horas... se ele brincou de massinha, ou de tinta, ou se esfregou no chão.
E vai levar lanche todos os dias. Ganhou até uma lancheira minúscula do Hot Wheels! Vou ter o trabalho delicioso de imaginar toda a noite o que ele vai gostar de comer no dia seguinte, e para evitar ficar de olho no lanche servido pela escola, estou preparando o dele de acordo, sempre que possível.
Vou até me esforçar para fazer um bolo nas quintas feiras, já que toda a sexta a escola oferece bolo.
Ah sim, e teve uma coisa mais positiva ainda!
Não sei se por minha causa, ou se mais alguém reclamou, o fato é que o cardápio da escola desse mês veio totalmente modificado. Nada mais de cachorro quente, pizza, empadas e brigadeiros.
Engoli a minha lamentação "puxa... não podiam ter feito isso antes?" e fiquei feliz deles terem aceito a crítica e feito as modificações. Bom para os que permanecem e para o Arthur que não vai se sentir diferente vendo os outros comendo e ele não.
E então é isso. O sentimento é de que acabou mais uma etapa na vida dele. O próximo passo será passá-lo para uma escola maior, definitiva. Da onde só sairá para a Universidade. Mas deixemos isso para um pouco mais a frente!