,

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Natal

Bom demais ficar em casa e fazer nada - exceto dar atenção integral para o menininho que anda um grude só com a mamãe.
E como tá levado, meu Deus! E desfila de um lado para outro da casa pulando como pipoca: "pula, pula, pula!". Para trocar de roupa tá um sacrifício danado!
Ontem para pegar uma bola embaixo da cama ele rastejou igual uma cobra e conseguiu se virar sem qualquer ajuda. Eu fiquei só olhando já prevendo que ele fosse entalar... quebrei a cara!
Já aprendeu a dar o repeat no windows media player, e por umas 447 vezes eu assisti ao vídeo que fiz da apresentação da escola - "Eião"  (leão) é como ele chama.
De Natal, como sempre, ganhou muitos brinquedos (peão luminoso, carros, jogos, lousa do filme "carros" e até um posto aquático que ele se esbaldou de brincar. E por conta disso sentamos ontem para separar alguns dos brinquedos usados para doação. Bom demais imaginar que faremos algumas crianças felizes. O que para a gente é tão pouco pode fazer tanta diferença para uma criança.
Minha intenção é levá-lo no próximo ano a alguma intituição para que ele mesmo faça as doações. Acho que até lá ele já deve ter algum entendimento a respeito.
E então nosso Natal foi assim.
De paz, em família e com muita comilança!
Teria como ser melhor?

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Consulta

A última consulta aconteceu na semana retrasada e eu acabei não postando por conta da correria habitual.
Só para registrar, Arthur permaneceu na mesma linha de peso, sem bater os 13 kg - está com 12.855g e permaneceu nos 97 cm.
Pediu para mantermos o leite semidesnatado e mandou incluir farelos nas refeições.
Disse para ela que ele continua rejeitando o nescau mas que já aceita o nesquik e então ela mandou substituir pelo Nutren Active morango que é mais nutritivo.
Substituiu o beneroc pelo suplan (2 x ao dia) e continuou com o cewin (15 gts) + própolis (5 gts).
Do mais, conversas diversas sobre desenvolvimento, alimentação e peraltices.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Feliz Natal!

Ufa! Não poderia chegar no dia 25 sem passar por aqui e desejar a todos uma noite muito feliz!
Que Menino Jesus nos abençoe não só no dia de seu aniversário, mas para todo o sempre!
E que Papai Noel  traga muitos presentes! Ho ho ho!


sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

A festa de encerramento

As tias já diziam que a coreografia estava, literalmente, na ponta dos pés. Que no ensaio só dava ele. Que bastou o primeiro dia de ensaio para ele já estar ensinando para os outros amiguinhos.
Em casa também. Bastava imitarmos um leão ou simplesmente iniciar o refrão de "hatuna matata" e ele automaticamente iniciava o show. Lembram da música do filme "O Rei Leão", né? Essa mesma!
Só que assim... depois de tantas apresentações frustradas para mim, eu passei a não criar qualquer expectativa. O que viesse seria lucro.
De qualquer forma aceitamos a dica de nos esconder na hora da apresentação e foi a melhor coisa que fizemos. Ele deu um show!!!!
Pedimos um pai que sentou ao nosso lado para filmar e eu juro que não acreditava no que via... ele era o único que executava a coreografia de forma exemplar!
Reparem nos meus gritos ao fundo... hehehe


É muita emoção para uma mãe só!


É ou não é o leão mais lindo que existe?
Na continuação teve a chegada do Papai Noel, que é outro ponto alto da festa e ele ficou de olhos atentos para o barrigudo de barba branca.


Depois se sentou na plateia esperando sua vez de ser chamado pelo Bom Velhinho. Foi, recebeu o seu presente e ainda posou para as fotos.




E é por isso que eu acho que o Natal acaba se tornando mais colorido quando temos em casa uma criança. Até eu ando contando os dias para o dia 25 chegar... rs

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Carta para Arthur

Filho,

Tem dias que a mamãe ensaia em te dizer algumas coisas. Na verdade quase 4 anos!
Antes de você nascer, rascunhei uma carta, que sei lá porque motivo não chegou a ficar pronta.
Agora, com a proximidade de seus 04 anos de vida, resolvi arriscar...
É fato que você deixou de ser o meu bebê. Eu nem percebi... mas aconteceu!
Basta olhar uma foto sua e me espantar em como aquela fofurice de bebê ficou para trás. As perninhas grossas, o rostinho rechunchudo, as bochechas boas de apertar!
Basta ver que você já não cabe no meu colo - tudo bem que isso nem é muito difícil em se trantando da baixa estatura da mamãe... mas enfim!
Dia desses eu te aninhava nos meus braços e te ninava até que pegasse no sono.
Agora não. É dar banho, colocar pijama, escovar os dentes e você mesmo toma a iniciativa de correr para a cama (a nossa) e dormir...
Não sei quantas vezes na noite a gente precisa te devolver para o seu quarto. A gente insiste em te devolver. Você insiste em voltar. Determinado de que é ali, entre eu e seu pai, o seu lugar. É sim, filho. Seu lugar é entre a gente. Mas não durante a noite... e eu sei que você vai acabar compreendendo isso... mais cedo ou mais tarde!
Tá bom, tá bom! Eu confesso que é uma delícia dormir com você, sentindo sua respiração e seu corpo tão pertinho do meu. E eu acho que você é tão esperto que já percebeu o quanto eu gosto e por isso tá sempre voltando.
Sim! Você é muito esperto! E é tão inteligente que a gente acaba se espantando algumas vezes. As tias da escola já desistiram de se surpreender com suas façanhas! Reconhecer todas as letras do alfabeto, os números, as formas geométricas, as cores. A maioria delas nem trabalhadas na turma ainda...

Na consulta com a neuropediatra ela nos alertou ao fato de que devemos tratá-lo como um menino de quase 4, e não como um bebê. Quem disse que isso é fácil para uma mãe? Por mais que eu queira, me recuso a aceitar o fato de que daqui a pouquinho terei que te pegar a força para dar um beijo.
E eu te beijo muito, filho. Como gosto de te beijar. E torço sempre para que você esteja naqueles dias em que me pega pelo rosto e me dá vários beijinhos de leve, alternando as bochechas, dizendo: "outro, outro, outro"
De uns dias para cá você tomou gosto pelo abraço. Não é à toa que no relatório anual da escola, a última frase que tia Ju escreveu foi: "Sentiremos falta do seu abraço"
Não quero estar viva se tiver que dizer essa frase para você! Não sei o que seria de mim sem ele.
Aliás, quem eu era antes de você? Qual era a graça que havia em chegar em casa e não ser recebida com esses olhinhos brilhantes e esse sorriso iluminado?
Não me lembro, filhote... Juro como não lembro!
Você anda um grude só comigo. Não sei se pelo fato de andar muito ocupada com os trabalhos de decoupage - que tem me afastado de você durante a semana, é bem verdade. O fato é que ao me buscar na casa da Tia Rô com o papai, você gruda nas minhas pernas como que com medo de eu fugir.
Com o papai não é muito diferente, não. Basta ouví-lo ligar o carro para correr em sua direção. E ai dele se não tiver a intenção de levá-lo junto! Você já entra sozinho no carro e já senta na sua cadeirinha. Acho que não vai demorar muito para você mesmo se prender - ou se soltar - do cinto.
O problema tem acontecido quando precisamos nos separar. Eu e você, do papai. Ou você e o papai, de mim. Você simplesmente não aceita que sejamos dupla. O que por um lado eu acho bom, já que nos força a ser um trio full time.
Você iniciou tratamento com a fono e está num momento in love com a "tia poinha". Ainda que recente, a gente já percebe o seu progresso.
Ela pediu que eu separasse fotos de várias pessoas de seu convívio para ver como você as nomeia. E foi nesse dia que eu revi suas fotos de bebê...
Eu olhava aqueles álbuns, aquele tanto de fotos que registraram um momento nem tão distante assim, mas que já me deixa com tanta saudade. Quando foi que você deixou de ser o meu bebê, hein? Por outro lado, também olho para o presente com satisfação. Tem tanta coisa legal acontecendo. Você tem descoberto tantas coisas...
Você é um molequinho! Lindo e saudável!
Tem pouco tempo que aprendeu a chutar com mira. Até então chutava de qualquer jeito, jogava a bola para o alto, com as mãos. Agora não! Ensaia bem antes de dar o chute definitivo. E quer mesmo é fazer o gol!
Semana passada foi a festa de final de ano da escola. Eu já sabia que sua turma representaria o filme: "O Rei Leão" e bastava eu simular o som do animal e você imediatamente começava a dançar. Por vezes te peguei ensaiando sozinho, mas não criei qualquer expectativa, uma vez que você é tímido e não gosta mesmo de dançar em público. De qualquer forma, segui os conselhos das tias e procurei me esconder na hora da apresentação. E não é que você dançou? Filho, você não tem ideia do quanto emocionou a mamãe dançando para aquele monte de gente! E você foi perfeito! Arrasou na coreografia! Ouso dizer que você foi o melhor da turma. O leão mais lindo que eu já vi! rs.

Agora você pegou gosto pela piscina. Basta ver seu pai aspirando e tratando a água que já corre na gaveta e escolhe a sunga que vai colocar.
Também compreende que só pode entrar se estiver com a bóia. E acho que não vai demorar muito para estar entrando sem elas também.
Está num vício danado de "batavinho" (ou qualquer outro leite fermentado) e tem sido difícil te convencer de que só pode tomar 01 por dia.
Enrolamos um bocado para montar a árvore de Natal. Ora não tínhamos tempo. Ora não estávamos com saco. Enfim... montamos!
Você arrastou sua cadeirinha e colocou na frente dela... Coisa mais emocionante presenciar o seu encantamento com as luzes piscando! E diferente dos anos anteriores, não tem mexido em nada. Apenas aponta com os olhinhos brilhantes: "bolinha, ursinho, anjinho, Papai Noel..."
Daqui há alguns dias você completa os seus 04 anos. Esses que você já conta com tanto entusiasmo nos dedinhos das mãos. Junto com você, também eu comemoro.
Comemoro por ter comigo esse menininho lindo que me transformou no que eu mais sonhava na minha vida: ser mãe!
Filho, não tenha pressa de crescer não! Aproveita sua infância. Faça muita bolinha de sabão. Se não tiver um pula-pula disponível, aproveite a cama da mamãe. Jogue muita bola. Pule muito naquela piscina. Dance muito ao som de Diego e Dora. Curta essa fase tão importante de viver sem se preocupar com nada além de ser feliz e brincar.
O resto? Ah, filho! O resto é só o resto. Deixa que mamãe e papai cuidam disso por você!
Ah sim! Mamãe te ama, viu? Muito.
Você não tem ideia do quanto!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Neuropediatra

Semana passada consegui marcar para sexta feira (27/11) a consulta com a neuropediatra, Dra. Claudia Miranda.
Muito boa, enquanto ouvia o que nos levava até ali, já pestava atenção em todos os movimentos do Arthur.
Perguntou como era nosso relacionamento como casal. Se brigávamos. Se ao chegar em casa dávamos atenção para ele ou íamos pra computador, TV, cozinha, etc. Se tinha alguém na família que o mimava além da conta. Se tinha alguém na família que tenha falado tarde. Se ele é atento. Se é disperso. Se tem contato com outras crianças, etc, etc, etc.
Fez testes com Arthur. Fez perguntas do tipo "onde está seu nariz, sua cabeça, sua boca, seu pé..." e ele mostrou tudinho. Perguntou se poderia comer um de seus biscoitos e ele prontamente respondeu: "nãão". O chamou diversas vezes pelo nome e com a falta de resposta dele eu falei: "Arthur... a tia tá falando com você" e ela me censurou: "Deixa ele falar, mãe... ele tá me ouvindo..."
E então, depois de fazer os testes e de ouvir nossas respostas, explicações  e nosso "desabafo" de não entender, até aquele momento, o que estávamos fazendo ali, ela começou a falar:
Disse que de fato não via nenhuma indicação para tratamento neurológico. Nenhuma!
Disse que de cara via ali uma criança tímida, mas que nada tem de surdo. Inclusive disse que era desnecessário até ter feito o bera.
Que a adenóide nunca, jamais, em tempo algum, seria motivo para atraso de fala.
Disse que nossa ansiedade em ouví-lo, acaba sendo maior que a dele em falar.
Que chegou a hora de o tratarmos como um menino de quase quatro anos e não como o bebê da casa. Só porque ele não fala, não significa que tenha a mentalidade de bebê.
Que talvez seja a hora de dividirmos a atenção com outro bebê. (oi?)
Que precisamos deixar que ele se vire sozinho. Que corra riscos. Que leve castigo, se necessário.
Que precisamos tampar ouvidos para opiniões alheias. Que muita gente falando o que fazer acaba atrapalhando. Principalmente as opiniões dos não profissionais. Leia-se: família.
Que ele vai falar, mais cedo ou mais tarde. Mas que a ajuda da fono é altamente necessária.
E então assim. Algumas das coisa que ela falou eu simplesmente ignorei, como ter outro filho, por exemplo. Também não acho que o trate como bebê, ainda que o vigie enquanto está no quintal - não vou deixá-lo solto em um quintal cheio de escadas e piscina. A atenção extra que dou não vejo como mimo, e sim como compensação de passar o dia inteiro fora. E nem é sempre, já que em tempos em que nem empregada eu tenho, os afazeres de casa são feitos por mim, at night.
Agora concordo sim, que muita opinião alheia acabou me deixando ansiosa.
Até os três anos eu segui o mantra de que era normal o atraso por causa da adenoide. Os três anos vieram e a fala não. E com isso todo mundo falando: vai ver isso... fulaninho é menor que ele e já fala tudo... tem que levar pra fono... tem que fazer isso... e aquilo...
E nisso eu concordei com ela: a partir de agora meus ouvidos estão tampados.
Minha parte eu fiz - levei em TODOS os médicos solicitados.
E minha parte continua - ele vai continuar com a fono e os estímulos em casa continuarão como antes. Embora não pareça, ele é muito estimulado sim.
Mais do que isso, eu não posso fazer...
Para finalizar ela pediu que retornemos com ele daqui a seis meses, quando, segundo ela, ele já estará falando e conversando de um tudo.
Tomara!