,

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Mudando de assunto (ou não)

Eu ia fazer um post diferente do tema que tenho usado ultimamente - saúde - mas tô achando que vou falar dela dinovoemaisumavez!
Para quebrar esse clima tenso, vou falar do quanto meu pequeno tem esbanjado a dita cuja. Graças a Deus, óbvio!
Tem dias que ele chega da escola com a pilha tão carregada que eu desconfio se não deram algum energético junto com o lachinho...
E pula de um lado para outro. E dança. E requebra. E é um tal de contar como foi o dia numa linguagem única que eu fico minutos tentando entender (e na maioria das vezes não entendo, o que é pior! rs)
Está numa fase in love com os Super Fofos - desenho do Nick Jr que só tem na minha mãe. Aí eu caí na asneira de encontrar um vídeo no You Tube e mostrar para ele. Para quê? A cada vez que chego perto do micro agora sou obrigada a colocar no bendito: "Super fofos, super fofos, em harmonia..."


Também está encantado com o Bob Esponja, que lá em casa é mais conhecido como "poli pontas".
Picoca (pipoca) também virou vício e eu preciso ter pulso firme para ele não consumir todos os dias, uma vez que ele já conhece e sabe onde ficam panela, milho e potinho. Chegou a acordar um belo dia de sábado e ir direto pra cozinha de onde voltou com o potinho nas mãos e foi para o nosso quarto: "picoca quer..." Isso às 7:30h de uma manhã sonolenta!
E fazer pipoca agora também é um barato. Bastou eu fazer movimentos circulares uma única vez ao som de "mexe, mexe, mexe..." e agora tenho que rebolar junto ao movimento de mexer a panela. E ele mexe comigo, tão engraçado...
Outro dia ele ganhou um kit jardinagem em um aniversário que fomos. Sentei com ele e juntos plantamos as sementes e regamos com água suficiente. Ele adorou! Nos dias que seguiram a plantinha cresceu de forma absurda e ainda que eu tenha tentado explicar que tinha que dar pouca água para ela (já que ele queria regar a cada vez que passasse ao lado dela) ele tanto regou que a bichinha morreu afogada...
Na semana passada ele trouxe da escola aquela experiência que todo mundo já fez do feijão no algodão. Passamos para um vasinho com terra e a cada dia tem crescido um pouco mais. Por enquanto tenho mantido o pé de feijão a salvos... rs
Outra coisa marcante nessa fase é o quanto ele gosta de conversar com plantas. Na minha mãe ele passa horas conversando com a mesma planta e o mesmo na casa da minha sogra... me faz pensar seriamente em comprar umas plantas para a nossa casa...

Ah sim! Tem a cama! Ele curtiu muito sair do berço. Tem curtido à bessa seu quarto de menino. Chega da escola e vai direto pra lá, onde pode espalhar brinquedos, brincar de massinha e ver seus desenhos favoritos, esse último geralmente debruçado na cama ou dançando numa coreografia ímpar de balançar os braços de um lado para outro, lindo de doer. Agora, para dormir... não rola a caminha dele, ainda que a gente esteja junto. Só dorme se estiver na nossa cama. E aí sim, depois que ele apaga a gente o leva para a cama dele. Mas o pior nem é isso. Se acordar na dele, foge para a nossa. Qualquer que seja o horário. Tantas vezes for. A gente tira a parte engraçada de vê-lo vindo como um sonâmbulo e se encaixando exatamente no meio da gente, para manter a parte sensata de que eli não é o lugar dele, e por isso a gente sempre o devolve. Mas já aconteceu de o cansaço falar mais alto e ele permanecer na nossa até a manhã seguinte. E eu assino embaixo quando dizem: "Falar é fácil... quero ver na prática" E é por isso que eu aceito dicas de como corrigir isso.
Assim como aceito dicas de como tirá-lo da mamadeira. Já tentei copo com canudo, com válvula, copo puro e ele não aceita nada. Por outro lado também nem tem curtido muito a própria mamadeira, mas quem tira o vício de dormir agarrado com ela? Ou acordar?
A pediatra insiste que ele precisa tomar leite pelo menos 2 vezes ao dia mas ele não aceita tomar nescau, por exemplo.
Enfim, dicas por favor.
Dicas também de como fazê-lo me chamar para fazer o nº 2 (antes de já ter feito! rs).
Para fechar esse post vou contar as novas de ontem. Deliciosas.
Faltou luz e fomos pra minha sogra munidos de velas. Acendemos umas três e ele cantou "parabéns pra você" umas vinte vezes. Dali a pouco papai tb subiu munido de violão e começou a tocar no escuro. Ficamos tanto tempo sem luz que por fim já estávamos cantando músicas infantis. De Xuxa à Cantiga de Rodas. E Arthur curtiu tanto! Tanto!
Juntos, eu e ele, cantamos e rodamos ao som de "atirei o pau no gato" e que delícia me jogar com ele no chão e ouvir aquela voz linda a gritar: "miauuuuuuuuuuuuu"
Uma hora e meia depois a luz voltou e ele continuava com a pilha carregada.
Descemos e ele descobriu (acho até que demorou) como é legal pular na cama! E eu me vi a trinta anos atrás, pulando na cama de meus pais. Imaginando se minha mãe também ficava tãããão feliz ao ver um filho curtindo um momento tão corriqueiro da infância...

Nenhum comentário: