,

terça-feira, 7 de novembro de 2006

Primeira dentição - o drama

O primeiro dente saiu sem qualquer alarde, sem qualquer sintoma. Só descobrimos que estava lá porque eu procurava todos os dias. E lá ficou, quietinho, pronto para morder quem se atrevia a colocar o dedo nele...
Eis que na manhã de sábado, percebi que Arthur estava meio quentinho e ao medir sua temperatura, a mesma estava em 37,8º. Não estava enjoado. Brincava normalmente. Administrei com Tylenol bebê (de 4 em 4 horas) e Nenê Dent para aliviar qualquer incômodo. Depois da terceira dose do Tylenol a febre não cedia, e resolvi então ligar pra Dra. Mônica. Celular desligado e em casa ninguém atendia. Lembrei então que a mesma havia comentado que estaria em congresso. Pânico. Liguei pro serviço de S.O.S do nosso plano de saúde, onde fui atendida por Médica (que não me pareceu pediatra) que mesmo tendo sido muito atenciosa não me deu solução. Ajudou apenas em dizer que poderia estar dando banho frio e usar algodão molhado com álcool nas axilas e nos pés (protegido por meia) para controlar a temperatura. Mas me deixou nervosa em dizer que não era bom um bebê de 09 meses ter oscilação de febre, e com isso me orientou a procurar a emergência mais próxima. Sinceramente, não sou a favor de levar crianças para pronto socorro. Primeiro porque é difícil ter um bom pediatra de plantão. Segundo porque eu sabia que a causa da febre era a dentição, mas que certamente me diriam se tratar de “virose”, dariam medicamento na veia, passariam antibióticos e mais trocentos medicamentos e me colocariam de volta pra casa sem qualquer resposta exata. Relutei o quanto pude, até a temperatura subir para 39.3º. Foi a gota d’água. Por sorte minha cunhada chegou com Novalgina que a mesma Dra. Mônica passou para o Bernardo, já que o organismo dele também é resistente ao Tylenol Bebê. Resolvi fazer essa última tentativa. E após 01 hora exata, o meu pequeno já estava suando... Dei banho, mamou, e depois de um dia inteiro de febre entre 37.6º e 39.3º meu bebê foi dormir às 23:00h com 37º de temperatura. Acordou novamente às 3:30h com 37.8º (acho!) e novamente dei a novalgina. O mesmo processo se repetiu: 01 hora depois fez efeito, troquei suas roupas, mamou e dormiu às 5:30h, já estando bem animadinho. No domingo, quando a febre voltava, vinha branda, abaixo dos 38º, então bastava dar banho e a mesma ficava longas horas sem aparecer. E quando eu comecei a me sentir mais aliviada, começou novo drama... Com a sensibilidade das gengivas, Arthur recusa qualquer alimento: mamadeira, peito, papinha, fruta... só aceita água e biscoito maisena. No domingo mamou uns 80 ml de nestogeno2, almoçou 7 colheres de sopinha, lanchou 1 banana peq, e mamou no peito por 8 min.... mais nada! Acordou às 5 da manhã com tanta fome que aceitou a mamadeira, e mesmo assim só 100 ml (já que eu achei que ele não fosse tomar e fiz só a metade). Tentei dar mais e ele recusou. Durante o dia de ontem minha mãe disse que pela manhã ele tomou 180 ml de nest2 (sendo metade no copo e a outra metade misturada com farinha láctea em forma de mingau). Não almoçou bem, mas comeu bastante biscoito e uma pêra inteira. Sabendo disso desisti de ligar pra pediatra, mas... à noite... o drama continuou... Não quis a janta, nem mamadeira. Aceitou o peito quando eu cheguei e só, e ainda assim por menos que 10 min. Acordou de madrugada com fome, chorando (de fome, irritação, dor) e só aceitou água e biscoito. Tirei 70 ml de leite materno e ele tomou no copo. Depois dormiu satisfeito.
É isso! A febre se foi... mas meu bebê está sofrendo horrores com os benditos dentes que não saem... enquanto isso, vou passando o Nenê Dent e dando o mordedor gelado para tentar aliviar o incômodo que ele está sentindo...
E nos momentos de alívio, continua aprontando todas! Engatinhando pra lá e pra cá.
Ah! Aprendeu a acender e apagar a luz, e nos momentos de choro corremos com ele para o interruptor e a dor dar lugar à diversão...
.
Abaixo, uma das pesquisas que fiz a respeito da primeira dentição:

"...Os sinais da dentição compreendem gengivas doloridas e inflamadas, febre baixa, baba, vontade de morder objetos duros, irritabilidade, dificuldade em dormir e, muitas vezes, perda de apetite. A dentição também é, às vezes, acompanhada de uma tendência à congestão nasal, que pode levar a resfriados ou infecções de ouvido. Dor, desconforto e gengivas inflamadas experimentados pela criança em dentição resultam da pressão exercida contra o tecido das gengivas à medida que a coroa do dente rompe as membranas. As bochechas do bebê podem ficar vermelhas e rachadas como conseqüência da baba. Seu bebê pode mastigar ou chupar os dedos ou procurar um objeto para morder e mastigar. O bebê em dentição fica facilmente irritado e mais inquieto do que o normal, às vezes acordando de hora em hora durante a noite.

TRATAMENTO CONVENCIONAL

Para anestesiar a área e oferecer alívio temporário da dor da dentição, seu médico pode recomendar pomada de lidocaína ou benzocaína. Esses anestésicos locais podem ser esfregados (parcimoniosamente) nas gengivas do seu bebê.

RECOMENDAÇÕES GERAIS

Massageie as gengivas doloridas e irritadas do seu bebê com a ponta do dedo para ajudar a diminuir a dor e a tensão. Use uma gota de óleo de cravo-da-índia diluída em óleo de açafroa, conforme descrito anteriormente.Escolha um remédio homeopático adequado.Dê ao bebê em dentição algo duro para morder, como uma argola ou brinquedo de borracha dura, especial para bebês em dentição ou um pão dormido. Morder ajuda a contrabalançar a pressão exercida pelo dente emergente. Ao escolher coisas para seu bebê em dentição morder e mastigar, prefira itens inquebráveis e brinquedos sem peças pequenas que possam se soltar e provocar asfixia. Os objetos de borracha dura são os mais seguros.O frio suaviza e anestesia gengivas doloridas. Mantenha vários objetos de borracha dura limpos e esterilizados na geladeira ou congelador para que seu bebê possa mastigá-los. Se seu bebê gostar do frio, quando um mordedor esquentar, substitua-o por outro frio. Experimente refrigerar uma maçã e dar ao bebê uma fatia para mastigar (corte uma fatia relativamente grossa, não um pedaço pequeno, que pode levar à asfixia). Alguns bebês gostam de espremer as gengivas contra a maçã em vez de mastigar uma argola de borracha gelada."

Um comentário:

Ministério da saúde disse...

Olá blogueiro,

Dê ao seu filho o que há de melhor. Amamente!

Quando uma mulher fica grávida, ela e todos que estão à sua volta devem se preparar pra oferecer o que há de melhor para o bebê: o leite materno.

O leite materno é o único alimento que o bebê precisa, até os seis meses. Só depois se deve começar a variar a alimentação.

A amamentação pode durar até os dois anos ou mais.



Caso se interesse na divulgação de materiais e informações sobre esse tema, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br

Obrigado pela colaboração!

Ministério da Saúde