,

terça-feira, 5 de dezembro de 2006

Consulta - 10º mês

Aconteceu na última sexta-feira, 01/12.
Consulta super tranquila, como sempre. Perguntei para Dra. Mônica se por acaso ela toma banho de mel antes de sair de casa, pois é incrível ver entrar e sair criança de sua sala, e em nenhum momento ouvir sequer um choro... E olha que ela atende é criança!
Com Arthur não poderia ser diferente. Logo de cara arreganhou seus dentões para ela ver, como provocação a mim e ao pai (ou a qualquer outro conhecido) que só conseguimos ver seus dentes se ele estiver chorando. Como se só a sua pediatra tivesse autorização para vê-los... :)
Contei a ela do meu desespero quando os dentes nasceram, do sofrimento dele e da febre alta. Ela disse que o procedimento adotado foi correto: substituir o tylenol bebê pela novalgina em caso de resistência ao primeiro, dar banho frio para controlar a temperatura, só desaconselhou o uso de álcool nas axilas e nos pés - disse para substituir por compressas de gelo, pois, segundo ela, o álcool acaba aquecendo após alguns minutos em contato com a pele, e além disso pode queimá-la. Perguntei a ela em qual momento deveria levar ao Pronto Socorro, qual a temperatura considerada grave, e ela esclareceu que a febre em si pode ser tratada em casa. O problema é que pode dar convulsão, mas que essa independe da temperatura estar 37º, 38º ou 39º. Que o importante é eu conseguir que a febre cesse, seja com o medicamento, com o banho ou com as compressas. Que no PS o que eles fazem é aplicar o medicamento na veia para acelerar esse processo. Aff!
Incluiu fígado de boi na alimentação.
Falou para eu desencanar com relação à amamentação e disse que eu deveria agradecer já que mamou ATÉ os dez meses, o que no ponto de vista dela já é uma vitória. Fez com que eu entendesse quão sábia é a natureza: "Ele parou de mamar e seu peito parou de produzir. Não há sofrimento nem pra ele muito menos pra você... Agradeça seu bebê ser saudável e ter aceito super bem a alimentação que você vem oferecendo!" De fato, ainda não houve nada que ele tenha rejeitado. Muito pelo contrário! A criança é tão comilona (rs) que mama 200 ml de mamadeira e chora pedindo mais. Então ela aumentou a medida para 240 ml.
O único pequeno problema (que segundo ela não é problema) foi com relação ao seu peso. Praticamente não engordou. Passou de 8.040 para 8.085 gramas. Segundo ela toda criança que larga o peito tem uma leve perda de peso. O que ele adquiriu antes de largar, perdeu. E ainda assim teve o saldo positivo de 45 gramas.
Mediu 73 cm.
*****
.
No domingo fizemos um churrasco lá em casa e Arthur de olho em tudo o que a gente comia.
Não satisfeito com o arroz, dei o osso da coxinha do frango para testar. E não é que o danado se pôs a roê-lo? rs Tia Mônica que não leia esse blog, mas tirei uma tira de carne e dei na mão dele. Meu gatinho ora enfiava o osso na boca, ora enfiava a carne. Muito engraçado! E a sujeira? Ficou imundinho, e acabei colocando a sunga e entrando com ele na piscina. E ele nem gostou... :)

Nenhum comentário: