,

quarta-feira, 21 de dezembro de 2005

Gestante - Patrimônio Nacional


Sei que já comentei em post anterior a respeito do senso de responsabilidade que as pessoas sentem com relação às gestantes - lembram da estória do motorista de ônibus que me "convidou" a entrar pela porta dianteira? Pois é. A novidade é que o trocador não espera eu me dirigir à roleta. Ele mesmo vem na frente receber a passagem. Fora o idoso que quis me dar o lugar dele. Um fofo! Claro que não aceitei, havia outro lugar pra mim...
E fila? Estava na C&A tentando pagar algo, na fila normal, pois não vi nenhuma especial para idosos e gestantes, quando pecebi a mão de um dos funcionários no meu ombro:
- Pode me acompanhar senhora. A prioridade de atendimento é seu!
A fila nem estava tão grande, dava até pra ficar lá, mas o rapaz foi tão gentil...
O restaurante onde almoço, tem uma comida de excelente qualidade - já que a dona é uma nutricionista. Porém, a fila sempre está ENORME! Como já estou acostumada com a referida fila acabo não me incomodando mais. Mas TODOS OS DIAS sou obrigada a responder ao dono do restaurante que não há necessidade de passar à frente dos demais, face à sua diária observação de que É MEU DIREITO não enfrentar a referida fila...
Semana passada, já estava me servindo, quando notei que atrás de mim um senhor observava o MEU prato... Passei pela beterraba e não a peguei (havia comido beterraba no dia anterior) mas já de olho no brócolis que estava na bandeja da frente. Segue o gentil diálogo entre esta que vos fala com o desconhecido com idade para ser meu avô:
- Esse bebê precisa de beterraba, faz bem pro sangue.
- Eu sei moço...
- Mas você não colocou no seu prato...
- É que comi beterraba ontem.
- ! (Silêncio reprovador - Como se quisesse dizer: e daí? tem que comer todo dia!)
- Vou substituir pelo brócolis. (posso? rs)
- Ah bem... ( respiração aliviada!)
Mereço né? rs
Mas é isso... Apesar desse caos em que vivemos, o espírito fraternal ainda existe.
Enquanto grávida sou um Patrimônio Nacional e devo sim, satisfações e obediência à sociedade, do que faço ou não faço pelo bem estar do novo cidadão que está a caminho!

Nenhum comentário: