,

sexta-feira, 5 de janeiro de 2007

2006 - "O Ano!"

O 2006 foi embora levando com ele meu agradecimento por tudo o que me aconteceu dentro dele. Redundantemente repito a principal: a chegada de meu bebê, lindo, saudável, encantador. Do jeitinho que sempre sonhei. Aprendi horrores! Nossa! Aprendi a ser mãe... Se é que a gente aprende tal dádiva... No fundo acho que não é o aprender, é o ser. Quando nascemos para ser mãe, somos “ possuídas” pelo instinto materno e essa também foi uma enorme descoberta: Sim! O instinto materno existe! E só ele mesmo para colocar um bebê tão pequeno, tão indefeso, tão frágil nas minhas mãos. Arthur nasceu com 2,360 gramas e 46 cm, minúsculo, levinho... e eu que sequer peguei qualquer recém nascido sem que estivesse “embrulhadinho” tive que dar banho! Com certeza Deus sabia o que estava fazendo quando criou o instinto materno. Os meses que se seguiram foram de total adaptação. A dele, com o novo mundo. E a minha, tentando fazer a minha adaptação encima da dele. Noites não mal dormidas, mas em estado de alerta para qualquer ruído na babá eletrônica. Cólicas que nem foram tantas, mas suficientes para deixar meu coração apertadinho. Reação à vacina que me fez chorar junto dele. Tudo muda! Tudo! O relacionamento então! Passamos por crises terríveis de cobrança, de afastamento. A gente dá tanta atenção pro bebê que se esquece um pouco de cuidar do outro. Às vezes eu sentia falta de um abraço, de um beijo apaixonado, de me sentir mulher e não só a mãe. Por outro lado eu chegava no final do dia tão cansada, tão tensa, que só queria mesmo saber da minha cama para dormir. Eu cobrava uma atenção que eu mesma não estava dando. E até descobrir isso muita conversa teve que acontecer... Hoje ainda temos as nossas diferenças (qual casal não tem?), mas basta olhar pro nosso tesouro e descobrir que o que temos para nos unir vale muito mais à pena... E as amizades? Não, elas não acabam! Mas você acaba se afastando se os programas não forem aqueles do tipo família. Esse ano então que foi recheado de micaretas... já viu né? Ouvir no dia seguinte as loucuras que as meninas aprontaram faziam com que eu me sentisse a “deslocada”, já que eu era a única “mãe de família”. Senti muito a falta dos encontros noturnos na casa de um ou de outro, mas sinceramente não me arrependo. Quer saber? Passou tudo tão rápido! Não é que hoje levemos o Arthur para a balada, mas se houver uma festa de adulto em que ele não vá se divertir, consigo deixá-lo com minha mãe sem culpa. Arthur dorme às 21 horas e só acorda no dia seguinte às 7:30h. E a vida voltou aos eixos.
Com relação às finanças foi mais complicado. Aliás vai continuar sendo esse ano ainda. Mas tenho feito tudo o que planejo. Comprei o quarto que queria pro meu pimpolho. Parcelei em 47 vezes, mas sabe que até passou rápido? Quitei no meio do ano. Depois emendei uma obra na casa da minha mãe que eu já havia prometido a ela fazia um tempão. Mais 52 parcelas para pagar o material, mas que valeu muito a pena, depois de ver a satisfação de minha velhinha mostrando a casa nova pra todo mundo (a propósito, para economizar na pintura, eu mesma pintei a sala, que por sinal ficou belíssima!). Resolvi fazer a festa do Arthur em um dos salões mais caros da cidade. Também parcelado em 29 vezes (quando ele se formar em Medicina eu termino de pagar! kkk). Sou assim! Resolvo fazer, se me disserem que “parcelam”, eu vou lá e faço! Rs – Dona Impulsiva da Silva! Quem me conhece bem, já conhece minha frase favorita: “Trabalho o ano inteiro, ralo o ano inteiro, se não puder comprar esse (item), é melhor me matar!” (Minhas amigas adoram! Se for para incentivá-las então...). E por falar em conhecer, 2006 também foi um ótimo ano para as novas amizades. A vida como mãe me colocou em contato com outras mães blogueiras, que nem sabem o quanto me ajudaram de uma forma ou de outra, com a experiência que já tinham... Ganhei até uma nora virtual, a linda Melissa, que é filha da Fabiana, um doce de pessoa. Embora nem todos comentem, o blog tem + ou - 50 acessos diários e desde sua existência já passamos da marca de 10.000 acessos. Vocês têm noção???? Nossa! É muito bom ler um comentário e ver que assim como fui ajudada, também acabo ajudando outras pessoas, e essa troca gente, acaba não tendo preço.
E por falar em preço, voltemos às cifras! Por conta das contas citadas acima, nesse novo ano não tenho projetos financeiros... Trabalharei para pagar as dívidas herdadas de 2006, e para quitar a 3647ª parcela do carro (que só termina em dez/07). Aff!
Então só me resta agradecer a Papai do Céu: pela vida de meu filho, pelo amor de meu marido, pela felicidade de minha mãe, pelos parentes (próximos ou não), pelos amigos antigos, pelos novos amigos, pelo meu trabalho que me permite cometer algumas loucuras... E, se não for abuso da minha parte, além de tudo o que Ele tem me dado nessa vida, peço ainda paz e saúde! Pra mim, pra minha família e para todos aqueles que me cercam e me querem bem.
Feliz 2007!

Nenhum comentário: