,

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Senta que o papo é longo!

Sexta feira, 28 – Consulta com a pediatra
Já entrei na sala falando dos acontecimentos da semana anterior, da febre, da infecção da mordida do inseto (se é que foi isso...), da visita ao PS, do antibiótico... Dra. Mônica examinou, mas não viu muita coisa já que o troço já tinha secado, mas me deixou encucada em citar que qualquer ferimento na cabeça (na região do ouvido, das meninges) é perigoso e com isso prolongou o uso da cefalexina para 10 dias (ao invés de 07). Disse que tomamos a melhor atitude em levá-lo ao PS. Com relação a febre ela associou à infecção já que a mesma não voltou durante toda a semana.
Examinou garganta, auscultou pulmões e disse estar tudo dentro dos conformes.
Como sempre elogiou a simpatia do pequeno e nossos cuidados para com o mesmo, abrindo inclusive parênteses para o papai Dri que está sempre presente nesse processo de criação: leva à escola, participa, leva ao médico, enfim, um pai de verdade!
Elogiou seu crescimento de 3 cm (passou para 84 cm), mas acho que começou a ficar preocupada com seu peso que não passa dos 10 kg. Pesou 9.900 gramas e embora ela continue dizendo que é normal, que nessa fase as crianças tendem a perder peso (o que não aconteceu por ele está tomando o suplemento alimentar – Pediasure), passou o complexo B (Beneroc) para ser administrado 2 vezes ao dia por 02 meses.
Manteve o redoxon (ou cewin) (15 gts) + própolis (3 gts) e pediu para reiniciarmos com decongex, já que ele está (de novo) resfriado. E usar muuuuuuito Salsep nas narinas (o que é bem verdade que a gente não passa tanto assim...).
Aumentou a dose de novalgina para 4 ml, em caso de febre.
O asmax só será dado por mais esse mês (até o final do vidro que está em uso).
Marcamos a vacina do pneumococo para o dia 08 (na verdade deveríamos ter dado com 1 ano e 06 meses, mas eu perdi a data) seguindo o lema do antes tarde do que nunca!
Ah! Passou a pomada Postec para passar no pênis à noite para ajudar a abrir a pele e evitar a fimose, embora já esteja praticamente aberto.
É tanto medicamento... não sei como não me perco ao administrá-los.
De manhã ele está tomando vitamina C (+ própolis), asmax, complexo B, decongex e cefalexina.
À tarde decongex e cefalexina.
À noite asmax, complexo B, decongex e cefalexina de novo.
Putz! Isso porque ainda não voltamos com a homeopatia, o que pretendo resolver nos próximos dias. Estou tentando convencer o Adriano à leva-lo antes da escola, pois eu acho que se tivesse continuado o tratamento ele não andaria tão resfriado como ultimamente.
É muito dinheiro que se gasta com remédio, mas... assim, Dra. Mônica tem uma coisa boa... Como a danada nos dá amostra grátis!
Tudo o que ela passa ela dá! Saí do consultório com uma sacola com 01 Postec, 04 vidros de Cewin e mais 02 vidros de Salsep. Na ponta do lápis vai aí uma boa economia.
Para controle do peso, pediu nova consulta para daqui a dois meses.

Nova descoberta
Na escola eles brincam com lego. Sei disso porque no primeiro dia de aula - em que eu estava lá por causa da (minha) adaptação, as tias pegaram um saco lotado e dividiram entre as crianças, que por sua vez também estavam sentadas em grupo. Aí cada criança fica com umas dez peças e brincam de forma livre. Como na época Arthur tinha 01 ano e 04 meses ficou com uma ou duas peças na mão e acho que nem entendia pra que servia. Eu também nunca tinha prestado atenção em qualquer interesse com relação ao lego (embora ele tenha um montão de peças que ganhou no aniversário) e por isso nunca me preocupei em tirar os seus lá do fundo do cesto de brinquedos.
Eis que na sexta-feira, arrumando os brinquedos, dei algumas peças pra ele, e automaticamente ele as encaixou! Saí catando todas as outras e o pequeno fez a festa! Acho que nunca tinha visto tantas peças, e tudo dele, sem precisar dividir!
Sabe aquela concentração que eu falo que ele tem em frente à TV? Era a mesma! Ele ficou muuuuuuito tempo brincando de lego, montando torres altas, algumas vezes fazendo uma força enorme para encaixar, e outras vezes rindo quando a torre despencava. Delícia!
Lembrei então que junto aos brinquedos que ele ganhou de aniversário (e eu ainda não havia entregue a ele, pois ele ganhou muuuuuitos brinquedos), tinha um navio com mais um bocado de lego com rodinhas para montar um carro e tudo! E estava lá no armário! Dei pra ele esse navio (como se fosse presente meu – hahahaha), mais um jogo de blocos para montar uma casa e mais um caminhão enorme que vai servir para guardar os legos (para que eles nunca mais se percam! Rs). O danadinho ficou feliz da vida e basta ver o caminhão de lego que já levanta a caçamba e espalha aquelas trocentas peças no chão!
.

Iniciando no mundo da leitura
Como minhas cunhadas são professoras ambas foram à Bienal do Livro que aconteceu cerca de dez dias atrás aqui no Rio. Cada uma trouxe um livro pro Arthur. Beth trouxe de pano e Berna, de plástico. O da Beth tem três personagens: um cachorro, um pintinho e um rato. Criei uma estória e agora a cada vez que Arthur pega o livro ele folheia direitinho, apontando para cada personagem e me olhando à espera da narrativa. No final, de acordo com a estória criada, os bichinhos dormem e eu faço xiiiiiiiiii com o dedo na boca em sinal de silêncio. Não é que o danado aprendeu a fazer igual? E se não é o dedo dele próprio, ele pega o meu e coloca na boca. Lindo!
O da Berna é de formas geométricas. Sabe aquele comercial da Discovery Kids? Círculo, Retângulo, triângulo, quadrado? Aponto as formas e vou repetindo no mesmo tom de voz do comercial. Ele adora e aponta também.
Outro dia ele estava com esse nas mãos e quando terminei de narrar cada forma geométrica, falei para ele: “Cadê o outro livro, o dos bichinhos?” Acreditam que ele foi no quarto, achou o livro no meio dos brinquedos e me trouxe? Bebê-fofo-inteligente-da-mamãe!
.

.
Voltando ao mundo da leitura
Desde a descoberta da gravidez os únicos livros que me enchiam os olhos eram os que tratavam os assuntos interessantes na época. “Onde vende o manual?”, “Ligeiramente grávida” e outros que tratavam do desenvolvimento do feto foram alguns deles. Mas fazia algum tempo que vinha sentindo saudade de ler, de viajar junto às estórias fictícias, de conhecer outras culturas, outros mundos... Então meu chefe me emprestou “O Caçador de Pipas” e “A Cidade do Sol”, ambos de Khaled Hosseini. Acho que em 20 dias eu devorei os dois. E isso porque dei um intervalo de 05 dias entre um e outro para continuar curtindo aquela estória tão emocionante. Li no ônibus, voltando para casa. Hahaha, em determinados momentos o povo do ônibus não devia entender o porquê da louca aqui chorar tanto... Excelentes! Recomendo!
.
Faxina
Aproveitando que meu final de semana foi de três dias aproveitei para fazer arrumação e limpeza de armários e gavetas. Comecei na sexta-feira pelo quarto do Arthur. Na verdade a coragem veio após ter “liberado” as três caixas dos presentes de aniversário. Consegui liberar espaço e organizar uma prateleira com todas as suas fotos, CDs e DVDs.
No sábado parti para o computador. Sabe aquele monte de papel velho, disquetes que nem funcionam mais, e que ocupam um espaço enorme? Pois é. Joquei tudo fora! A mesa ficou até mais espaçosa.
E ontem, para finalizar com chave de ouro, e aproveitando que Arthur dormiu de 10:40 às 13:50, arrumei as gavetas da cozinha (com aquele monte de pano de prato, toalha, descansos) e do meu quarto (onde guardamos as contas de casa). Organizei tudo, separei o que não uso, rasguei o que era lixo e queimei as contas mais antigas. Ufa! Sabe aquela sensação de limpeza? E olha que devia ter aí uns 03 anos de enrolação, de deixar para depois...

E para finalizar, ela: a febre, mais uma vez!
A danada voltou no fim de sábado, de mansinho. O termômetro marcou 37,8º e antes que aumentasse já administramos a novalgina.
Acordou às 05:00 da manhã de domingo com 38º. E à tarde voltou mais alta, 38,3º.
E eu já não sei como interpretar. Como é que pode uma febre ficar indo e voltando? Se na semana anterior a culpa foi da infecção cutânea, qual o novo motivo para ela ter voltado? Tá bom, ele está resfriado, mas e se o motivo for outro? E se da outra vez não foi por causa da infecção. Ai... já não sei! Se a danada tivesse vindo antes da consulta...
Também perdeu o apetite. Para comer está sendo um custo. E isso, vindo do Arthur, é no mínimo muito estranho.
Para piorar, ontem ele apareceu com uma mancha roxa na pálpebra inferior do olho direito, do mesmo lado do ferimento. Parece uma olheira, mas bem roxa. Ele teria que ter ficado muuuuuitas noites sem dormir para ter uma olheira tão feia. Então fui ler na bula da cefalexina quais as reações adversas e lá diz: “Hipersensibilidade – foram observadas reações alérgicas na forma de erupções cutâneas, urticária, angioedema...”
Poderia ter sido uma batida que ficou roxa, mas eu acho que se ele tivesse batido em algum lugar ele teria no mínimo reclamado, o que não aconteceu.
Acabei de ligar pra escola e a tia disse que continua da mesma forma, então antes que aconteça mais alguma coisa, já deixei recado com a secretária da pediatra para que ela me ligue assim que puder...
(Editado às 09:30 de 02/10/07)
Ontem no final da tarde Dra. Mônica me retornou. Disse que enquanto ele estiver tomando o antibiótico essas reações serão normais. A falta de apetite, a mancha roxa no olho... tudo é forma do organismo dele se defender. A única coisa que a preocupou foi a febre: ela pediu para observar e caso volte é para eu avisá-la imediatamente, porque aí sim ela vai trocar o antibiótico. Perguntei se não seria o caso de suspendê-lo, e ela foi bem clara: "Não! É para manter!"
Foi isso... Fiquei de certa forma mais tranquila, em ouvi-la dizer que é normal, e torcendo para a bendita febre não voltar. Estou aqui na contagem regressiva para chegar logo amanhã, quarta-feira, dia em que completa os dez dias de antibiótico, e meu bebê volte a ser meu bebê feliz de sempre, sapeca e comilão.

Nenhum comentário: